Portais para outros Universos. Ciência ou Ficção?

CIENTISTAS AFIRMAM A EXISTÊNCIA DE PORTAIS PARA OUTROS UNIVERSOS

Os pesquisadores Panagiota Kanti, Burkhard Kleihaus e Jutta Kunz afirmam que portais espaços-temporais para outros universos são bem mais simples de serem construídos do que o especulado até agora e que não necessitam de matéria com energia negativa (ou antigravidade) para serem formados.

E ainda defendem que é bem provável que exista uma porção destes portais espalhados por aí, neste nosso lado do espaço, basta saber onde e como procurá-los.

O conceito de portal espaço-temporal tem como ponto de partida a teoria de Einstein, que preconiza que a gravidade nada mais é do que uma curvatura do espaço-tempo causada pela conjugação da massa-energia em valores astronômicos, como a encontrada em grandes corpos celestes, tais como planetas e estrelas, por exemplo.

Em 1916 o físico Ludwig Flamm defendeu que duas curvaturas espaços-temporais em coordenadas distintas poderiam se unir formando pontes ou conduítes, estudo também desenvolvido por Einstein e Nathan Rosen (a famosa ponte Einsten-Rosen citada no romance Contato de Carl Sagan) que aventaram que a única conexão oferecida para estas pontes no espaço-tempo seria para um universo paralelo, coisa difícil de defender naquela época.

Já em 1921, Theodor Kaluza e Oskar Klein propuseram que a gravidade ao invés de ser uma curvatura de um continuum quadridimensional (ou seja, três dimensões espaciais e uma temporal) como defendido por Einstein seria em verdade uma curvatura de um tecido espaço-tempo de cinco dimensões.

Foi em 1955 que o físico norte-americano John Wheeler retomou a ideia, porém demonstrando matematicamente a possibilidade teórica de conectar duas regiões do nosso próprio Universo, denominando esse conduíte de “whorm hole” — os célebres buracos de minhoca — valendo-se da tal matéria com energia negativa que produziria a tão sonhada antigravidade.

Mesmo com a consistência das teorias de Einstein que bravamente vem resistindo a muitos ataques e têm sido confirmadas por inúmeras observações de eventos cósmicos do espaço profundo, muitos cientistas acreditam que este conjunto coerente de teorias criado por Einstein seria uma particularização de uma teoria mais geral ainda, tendo em vista a dificuldade de se estabelecer uma “mecânica quântica da gravidade” e também explicar alguns poucos, porém importantes fenômenos cósmicos que lhes escapam, tais como a singularidade dos buracos negros.

Transcendendo o proposto por Kaluza-Klein, a teoria das cordas afirma que todas as quatro forças fundamentais do universo (elétrica, gravitacional, interação forte e interação fraca) podem ser explicadas pela curvatura de um continuum espaço-tempo de onze dimensões (dez coordenadas espaciais e uma temporal).

No proposto por Kleihaus, Panagiota Kanti e Jutta Kunz as seis dimensões espaciais adicionais que não percebemos por que são pequenas demais (menores que trilionésimos de milímetro) podem ser compactadas por campos de forças adicionais, entre eles o “dilaton”, proporcionando um termo adicional para se gerar uma “nova curvatura” que não necessite de antigravidade para ser criada.

Alguém atento poderia contrapor que este termo adicional resultado da compactação das seis dimensões submicroscópicas geraria um buraco de minhoca muito diminuto, impossível de ser observado.

No entanto o trio de cientistas afirma que a inflação do Universo pode ter aumentado esses buracos de minhoca a ponto de eles superarem a ordem de grandeza das dimensões humanas, como um pequeno círculo desenhado sobre uma bexiga vai aumentando seu raio à medida que a mesma aumenta seu volume quando for inflada.

“A inflação [do Universo] pode ter dilatado os minúsculos buracos negros que permeiam o tecido submicroscópico do espaço-tempo,” propõe Kleihaus, gerando uma “porta para outros universos”.

Esse assunto ainda vai render muita discussão no mundo acadêmico e da parte que me cabe uma boa fonte de inspiração para criar novas histórias de FC, tentando imaginar como seria a viagem por estes portais.

Enquanto isso, podemos nos valer das simulações dos “whorm holes” transitáveis para nosso próprio universo, criadas pelo astrofísico Andrew Hamilton, fundamentadas nas soluções de Reissner e Nordström propostas para as famosas equações de Einstein.

LEIA SOBRE O LIVRO A COR DA TEMPESTADE do autor deste artigo

Navegando entre a literatura fantástica e a ficção especulativa Mustafá Ali Kanso, nesse seu novo livro “A Cor da Tempestade” premia o leitor com contos vigorosos onde o elemento de suspense e os finais surpreendentes concorrem com a linguagem poética repleta de lirismo que, ao mesmo tempo que encanta, comove.

Seus contos “Herdeiros dos Ventos” e “Uma carta para Guinevere” juntamente com obras de Lygia Fagundes Telles foram, em 2010, tópicos de abordagem literária do tema “Love and its Disorders” no “4th International Congress of Fundamental Psychopathology.”

Foi premiado com o primeiro lugar no Concurso Nacional de Contos da Scarium Megazine (Rio de Janeiro, 2004) pelo conto Propriedade Intelectual e com o sexto lugar pelo conto Singularis Verita.

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)
Curta no Facebook:

37 respostas para “Portais para outros Universos. Ciência ou Ficção?”

  1. Gravidade negativa. Este é um assunto que me interessa muito. Isto explicaria a expansão do universo (se é que existe). Não parece, mas nem tudo está explicado corretamente em cosmologia. Ainda é preciso muitas modificações nas teorias atuais.

  2. O texto ta ótimo e os comentários estão melhores ainda,mas sou como o alberto Campos, acho essa ideia de portais, buracos de minhoca e dimensões paralelas muita fantasiosa. Não estou dizendo que nao acredito, mais sim muito longe de um entendimento apurado por mais estudado que isso seja, EX: a teoria das cordas pra mim são como estacoes de radio estamos na faixa 93.1 fm e por mais que tentamos inventar um aparelho que muda as estacoes jamais conseguiremos ouvir a 99.1 fm pois deixaríamos de existir antes de ver a próxima faixa.

    • Caríssimo leitor, é antigravidade mesmo. Matéria com energia negativa pressupōe massa negativa, portanto a existência de uma gravidade repulsiva. Em breve postarei um artigo sobre este tema. Grato pela audiência e participação.
      Mustafá

  3. “O que os homens realmente querem não são conhecimentos, mas certezas”.
    Bertrand Russell”.
    É esta certeza que todos estamos querendo saber e os cientistas estão no mesmo barco. Como não se tem uma resposta, estamos inventando meios para entendermos o universo. Tudo é válido. Não há perigo em falarmos aqui tudo o que desejamos porque os verdadeiros feras da ciência nem tomam conhecimento do que falamos. Se eles não dão uma solução, quem sabe alguma mente mais esclarecia, mesmo com um minimo de conhecimento acerte com uma boa opinião. Isto é um dever de todos.

  4. Neander:

    Apenas uma curiosidade: Como afirma todas essas informações que acabou de postar (sobre portais, aberturas, dimensões de naves, etc) de maneira tão assertiva, como se fosse tão visível e claro pra vc? (não entenda a minha pergunta como uma afronta, estou apenas curiosa).

  5. Não sei se sou um dos que tu consideras os wikichatos (minhas fontes de informação são outras bem diferentes da wikipedia), mas não gostaria que se retirasse, a informação que postastes numa reportagem anterior sobre OVNIs foi muito útil, tanto é que teve alta popularidade, muitos gostaram, eu gostei. Toda informação é bem vinda, e caso copiado deve por questão de respeito citar a fonte. Provavelmente não foi o teu caso pois aquele texto parece mesmo ter vindo de alguém que pesquisa a fundo a Ufologia, entretanto, de fato há muitos aqui que fazem isso. Tanto você, quanto o Glauco e o Bovidino, postam conteúdos com ideias novas e “diferentes” das padronizadas e que atraem muitas postagens-respostas, embora muitas vezes elas venham de forma um tanto desagradável, não devem se deixar abalar por isso porque toda informação é valiosa, é conhecimento compartilhado, e se saírem daqui, o site fica mais pobre. Por isso eu peço que não pensem nas críticas, mas nas pessoas que querem conhecer o que vocês têm a apresentar.

  6. – Gostei do texto e vídeo, acredito deveras em Portais para outros universos, se fosse escolher entre a mecânica quântica e a teoria geral, visto que elas tem uma certa contenda, ficaria com a derradeira, (porquanto deve ser porque sou fã de Albert); ouvi algo sobre pontos estratégicos em nosso planeta: relativo a Solstícios e equinócios ou um dos dous, com a intenção de gerar controle da gravidade, talvez o vulgo não saiba o que a Elite esconde, e não sei ainda se seria possível portais em nosso planeta e universo – será?!…Bom!!! Por enquanto fiquemos com os buracos de minhocas e universos paralelos. Salve a Ciência.

  7. Imaginamos… Não precisamos criar mistérios nem elouquecer em várias dimensões, enfartar a ciência. Causa de quê, duvidar da velocidae, espaço e tempo? Sustentar um criador? Descobri caminhos,forças estranhas; se tudo está diante dos nossos olhos e da simples razão evolutiva da vida? Ora, sem essa de Portais, Extraterrestres,Deuses e Espíritos. Só por distração faz sentido…Tudo começa nas explosões de sistemas micro e macro. Tudo evolui.Creia que Só a Terra foi agraciada com elenco de fatores físicos e químicos consequentes da vida. No tempo, tudo se transforma. Gostei do comentário aguiarubra. Receba um abraço do Vic.

  8. Não importa o quanto eu tente não consigo imaginar onze dimensões, já tentei criar um cubo com 4 dimensões seguindo os princípios básicos da construção dos outros ( pois de 1D para 2D existe um padrão que se repete de 2D para 3D e por suposição deve se repetir para 4D) mas quase fiquei louco. Imagina tentar imaginar isto. Espero que descubram logo uma forma para atingirmos esses tais portais, seria o dia mais feliz da minha vida.

    • olha a ciencia esta avançando a longos passos, então se interessar aos cientistas logo, logo teremos novidades neste quesito.

    • A idéia do cubo 4D me fez sorrir. É assim que surgem cientistas.

    • Talvez o filme “Cubo 2: Hipercubo” o ajude a imaginar um cubo 4D.

  9. Como muita coisa no espaço é distante e quase que impossível de se ver… esses portais não seriam diferentes… Seria como no filme Stargate se pudéssemos entrar em um desses buracos, navegaríamos espaço a dentro sem rumo e provavelmente sem volta… Talvez ir para um local da galaxia distante ou muito perto ou ainda nem chegar pq pelo q soube a uma teoria dq seria quase a mesma coisa quase q entrar num buraco negro!!!

  10. Os Buracos de Minhoca são o indício de que a viagem espacial nunca chegue nem perto da velocidade luz, pois não haverá necessidade. Na velocidade da Luz, ou perto disso, se levaria 4 anos até a estrela mais próxima, fora as distorções na passagem do tempo, que flui mais devagar nessa velocidade, e viagens estelares mais distantes estariam fora de cogitação.
    Como o próprio Einstein afirma que nada pode ser mais rápido que a luz, estamos presos para sempre no Sistema Solar, a menos que dominemos essa física fantástica dos Buracos. Nada se compara a uma viagem dessa magnitude, porque vence distâncias incomensuráveis não em poucos segundos, mas instantaneamente. É desaparecer aqui ao mesmo tampo que aparecer lá, a sabe-se lá quantos anos de luz de distância.

    Não é novidade as ficções científicas e filmes usarem da formidável concepção da física, desde o clássico “O Mosca”. Mas o que melhor trabalha não no sentido científico, mas no sentido consequencial e enredo, é Perdidos no Espaço. Olhei poucas vezes o próprio título sugere a situação, não se sabe onde vai parar. Eles trabalham com a ideia de Hiperestradas, isto é, dois portais artificiais, um aqui e outro no destino, que fazem entre eles uma ponte Rosen-Einstein. Esse seria um modelo futuro de colonização de Exoterras (planetas similares à Terra ao redor de outras estrelas), independente de distância, galáxia ou quem sabe, universo. Alias, o sentido de “viagem” e “distâncias a percorrer” desaparece quando consideramos essa física, nossa maior preocupação é a estabilidade do tempo, pra não voltarmos no passado ou no futuro depois de um salto.

    Outro detalhe, no prisma dessa física, podemos esquecer de achar que nossos amigos OVNIs são das redondezas estelares, de alguma estrela vizinha ou coisa assim, eles podem ser originais de qualquer lugar, qualquer tempo e qualquer universo.

    • Ótimo comentário ! devido a essas longas distâncias, temos que eliminar o conceito de distância e tempo ! cortando tudo com portais mas se não bastar a dificuldade para criar um portal ainda temos que se preucupar com o que acontece com o tempo quando se entra em um,poderiamos sair mortos do outro lado no mínimo

    • Paradoxalmente, poderíamos vir antes de ir, sair antes de entrar, é essa a incerteza em torno do tempo, que se distorce numa passagem dessas.

    • Seria possivel então encontrar comigo mesmo fazendo uma dessas viagens? Isso causou um nó na minha cabeça agora.

    • Sim, seria, dentro do paradoxo que citei. E se você matasse sua mãe antes de nascer, o que aconteceria contigo? Segundo o paradoxo, por mais que tentasse não conseguiria. Lembro do filme “Maquina do Tempo”, estrelado por Al Pacino, onde ele volta ao passado para evitar que sua namorada morra em um assalto. Ele a leva pra outro lugar, mas no mesmo instante ela acaba morrendo num acidente. Nesse mesmo paradoxo, por mais que seja possível viajar no tempo, é possível alterar as formas das coisas acontecerem, mas impossível evitar que aconteçam, ao menos nesse contexto.

    • É justamente por causa desses paradoxos que penso que há algo de muito errado nessa teoria de viagem ao passado.

      Esses exemplos de que o universo impediria os paradoxos, dá a entender que o mesmo teria que ser inteligente para evitar tudo isso.

      O argumento mais convincente (ou menos absurdo) para evitar o paradoxo do avô (que eu já vi) é o que considera que, assim que você matasse seu avô antes de você nascer, um novo ramo na linha do tempo seria criado; onde, naquela nova realidade, você não existiria.

      Ou seja, embora você visitasse seu avô no passado dele; na verdade, você ainda estaria vivendo o teu presente como um mero observador do passado, sem sofrer as consequências temporais da viagem no tempo. Pois, se houvesse apenas uma linha do tempo, assim que você voltasse ao passado, você deixaria de existir; já que você ainda não tinha nascido naquela época.

      Mas esse argumento também não deixa de ter seus próprios paradoxos ou inconsistências, não passando de pura especulação!

    • Num episódio da Liga da Justiça, o Superman é atingido por um raio do Homem brinquedo e acaba indo parar no futuro da Terra, a humanidade e a liga foram massacrados à muito tempo por Savage, um vilão imortal da trama que apoderou-se de um pedaço de estrela com poderes inimagináveis. No presente, Superman é dado como morto e velado, mas na verdade não sabem que ele foi parar nesse futuro de milhares de anos, em que a Terra é habitada por baratas gigantes e apenas Savage está vivo.
      Aqui tem algo interessante: Arrependido e desolado, o imortal Savage desejava voltar ao passado e impedir a si mesmo de causar o apocalipse, fez a máquina do tempo mas descobriu que “não é possível viajar a qualquer tempo no qual você já exista, devido a um princípio quântico de existência única”, e para o seu azar, ele existe como imortal desde a época das cavernas. Mas o super podia, afinal ele havia desaparecido desse tempo presente ao ser atingido pelo raio, e Savage o envia para o passado pós “morte” no último instante e assim mais uma vez o dia e o resto dos dias foi salvo, viva!!! Ok, mas o que acontece com o Savage lá no futuro, no momento em que o Super muda o passado? Num efeito fade, ele vê lentamente pessoas aparecendo ao mesmo tempo em que ele vai desaparecendo, até que deixa de existir (algo que pelo jeito ele queria). Legal, né? Esse episódio eu achei o único interessante daquele desenho chato, sou mais os Vingadores.

    • Que vamos morrer isso é certo, pois os “buracos de minhocas” são cheios de radiação gama.

    • Muito esclarecedor, concordo com o que você disse que não chegaremos a entrar em contato com planetas próximos pois estes portais (se existirem mesmo) apenas nos levarão a outros universos e não outras partes do nosso próprio universo.

  11. Acho esta história bastante fantasiosa. Buraco de minhoca, viagem no tempo, deformação do tecido espaço tempo, singularidade, etc. Isto parece um sonho de uma mente bem imaginativa. Não se pode comprovar nada. Tudo isto torna o universo indecifrável.

  12. “O Universo não é apenas mais estranho do que imaginamos, ele é mais estranho do que nós podemos imaginar.”

    J.B.S. HALDANE (1892-1964)

    Com base nessa frase, eu não deveria estranhar mais nada, mas não consigo impedir meu espanto com essas notícias!!!

    De qualquer modo, tenho que levar em consideração que estamos descobrindo mais mistérios do que as respostas que a Ciência consegue encontrar!

    Agora mesmo o LHC procura encontrar mais respostas. E, seja encontrada ou não, a Física vai inaugurar uma “nova era” de mistérios a serem resolvidos.

    A Ciência, portanto, tornou-se eficiente em demonstrar a terrível verdade de que sabemos cada vez mais que sabemos cada vez menos.

    O filósofo sofista Sócrates não ficaria nada surpreso com isso.

  13. “(…)é bem provável que exista uma porção destes portais espalhados por aí, neste nosso lado do espaço, basta saber onde e como procurá-los.”
    Me baseando nas teorias que vejo no Fringe, estariam esses feixos de portais em lugares onde as leis da natureza não atuassem ? Digo, em pontos “obscuros” tal como o Triângulo das Bermudas? Segundo um testemunho de um piloto amador de avião que passava por cima do triângulo das bermudas, ele foi rodeado por nuvens (dizia ele “Nuvens Temporais”) que atuavam sobre o avião “sugando” a energia do mesmo. Quando saiu, viu que as suas coordenadas, que tinha no seu avião, estavam desconfiguradas e ele estava desorientado e dizia que os segundos que ele ficou dentro desta névoa foram como horas. Olha, acredito sim que haja Universos Paralelos, no caso Portais para estes.

Deixe uma resposta