Quando a evolução nos livrará de apêndices inúteis?

Por , em 25.09.2013

Nunca. Nós provavelmente estamos presos com o nosso apêndice, os dedinhos dos pés, o osso do cóccix e todos os nossos outros remanescentes evolutivos que hoje não tem mais utilidade.

Os dentes do siso até podem eventualmente desaparecer, mas grandes mudanças como esta demoram milhões de anos – e ninguém garante que os seres humanos sobreviverão por tanto tempo. Além do mais, a maioria dos nossos vestígios aparentemente inúteis, na realidade podem ser úteis.

“O cóccix é um ponto de conexão para uma série de músculos da pélvis. Precisamos dele para a locomoção vertical. Seria catastrófico se ele desaparecesse”, explica Kenneth Saladino, anatomista e fisiologista da Universidade do Estado da Geórgia, nos Estados Unidos.

Já o apêndice, que ajudou nossos ancestrais distantes a digerir grama, evoluiu lentamente para assumir um novo propósito.

Uma pesquisa liderada pelos cientistas William Parker e R. Randall Bollinger, da Universidade Duke, na Carolina do Norte, EUA, mostrou que o apêndice agora serve como uma espécie de “casa segura” para os micróbios que ajudam na digestão. “Cada um de nós tem entre 900 e 1.600 espécies de bactérias em nosso intestino – a certificação de que temos um sistema imunológico saudável”, conta Stephen Stearns, professor de biologia evolucionária na Universidade de Yale, Connectitut, EUA. “Se todas essas bactérias são perdidas por causa de uma doença, por exemplo, o apêndice funciona como um tanque de retenção para as boas bactérias”.

Até mesmo o dedo mindinho ajuda a manter nosso equilíbrio e distribui o impacto por toda a extensão do pé quando corremos.

Há apenas poucas peças verdadeiramente inúteis no nosso corpo, mas estas também permanecerão conosco por um bom tempo. Como Saladin coloca, “uma vez que vestígios evolutivos, como os músculos por trás de nossas orelhas, têm muito pouco impacto sobre o sucesso reprodutivo, não há nenhuma maneira de a seleção natural atuar contra eles”. Em outras palavras, a capacidade de mexer as orelhas só com os músculos da região (você consegue?) não interfere com sua capacidade de ter filhos.

Os dentes do siso nos eram bem úteis, assim como o apêndice, quando comíamos muitas plantas, mas hoje apenas cerca de 5% de nós possui mandíbulas grandes o suficiente para comportar estes molares extras. “Os dentes do siso estão, provavelmente, no caminho da extinção”, diz Stearns, “mas isso ainda vai demorar um longo tempo”.

O mais ridículo de todos os vestígios evolutivos é o mamilo masculino. “Ele não têm nenhuma função”, admite Stearns, “mas também não vão desaparecer”. Todos os embriões, masculinos ou femininos, começam a desenvolver de acordo com o plano do corpo feminino. Apenas por volta da sexta semana de gestação que os genes dos cromossomos Y masculinos começam a se manifestar. “O plano de desenvolvimento básico conta com os dois mamilos, então você não pode se livrar deles geneticamente porque isso atrapalharia o desenvolvimento dos seios das mulheres” – e ninguém quer isso. [Pop Sci]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

12 comentários

  • Ramon Oliveira:

    Não considero ridículo os mamilos masculinos. Acho que eles compõem alguma coisa em nosso corpo. Eu acharia estranho se na região mamaria masculina não existisse nada. Uma vez li em algum lugar que,vistos de longe, a composição do tronco com os dois mamilos, e pêlos pubianos,poderia até inibir o ataque por alguns predadores ,por parecer os olhos e a boca de um animal de grande porte. Alguma utilidade então na época das “cavernas”. Outra consideração: embora alguns homens possam não admitir,por puro machismo, os mamilos masculinos podem ter sensibilidade erótica, algo muito pouco explorado,com certeza,mas que existe.

  • Ana Suzuki:

    Minha filha, professora universitária, tem uma máquina Kirlian. Tira foto apenas dos dedos. Quando ela era professora primária e estava cursando mestrado, acompanhei-a na pesquisas. Conforme a
    cor da aura, ou halo, detectada pela máquina,sabíamos o que era preciso fazer para reequilibrar o emocional da criança. Depressão, agressividade, tudo podia ser estudado através da invenção do casal Kirlian, que era russo e não tinha nada de místico. Chineses utilizam pontos do corpo para equilibrar uma energia que eles nunca viram nem fotografaram (é o caso, por exemplo, da acupuntura). Sei que fica parecendo pseudo-ciência, mas existe e é recomendado por médicos ocidentais. Thiago, a ciência não pode, pelo menos por enquanto, provar toda e qualquer coisa, só porque queremos que assim seja.

    • Hercules Lima:

      Excelente e esclarecedor comentário Ana Suzuki. Existem alguns setores da ciência em que o oriente está muito mais avançado que o ocidente.

    • Thiago da Costa:

      Ana Suzuki, concordo que a ciência não pode provar toda e qualquer coisa, mas isso não justifica usar qualquer bobagem pra tampar as lacunas existentes no momento…

  • pmahrs:

    Não só a questão da importância para reprodução como para sobreviver até idade para isto e cuidar da prole até ficarem independentes. Alguns itens ou funções podem atrofiar devido a falta de uso, mas para sumirem mesmo só se apêndices cada vez menores desse alguma vantagem para sobrevivência e os outros tivessem alguma dificuldade para chegar a idade de reprodução ou para reproduzir, mas não atrapalha nada para possíveis mutações sem apêndice prevalecerem. Alias com o avanço das ciências é fácil para qualquer um de nós que nascer com sérios problemas ou adquirir alguma doença sobreviver e ter vida normal por quase século. Ainda bem, perder filhos é muito triste. Talvez, ao menos materialistamente falando, se não fossem aparelhos, remédios, vacinas, antibióticos, muitos de nós nem estaria aqui e sim irmãos ou primos mais aptos a sobreviverem sem estas tecnologias; mas considerando esta possibilidade, podemos considerar também a possibilidade que a humanidade estaria extinta se não fosse saneamento, água tratada e controle de pragas e infecções.

  • Isabella Basso:

    “(…) a capacidade de mexer as orelhas só com os músculos da região (você consegue?) não interfere com sua capacidade de ter filhos.”
    Ok, mas estamos falando de seleção natural, não seleção sexual. Tá certo que esses músculos dificilmente influenciariam na nossa sobrevivência perante o meio em que vivemos, mas ainda assim é importante saber que a evolução não ocorre somente no âmbito sexual.

    • Daniel Araújo:

      Quando o texto disse “não interfere na capacidade de ter filhos”, está falando justamente de seleção natural.

      Se uma característica reduz a expectativa de vida do indivíduo (seleção natural), ele provavelmente morrerá antes de ter filhos. Ou pelo menos não viverá o suficiente para ter muitos.

  • Lucas Gonçalves:

    Minha mandíbula se adaptou aos 4 sisos, sou parte desses 5% hahsuashuashaushauhsaushausa. Por outro lado, sou desevoluido =[

  • Hercules Lima:

    Pela Física, aprendemos sobre o Efeito das Pontas, ou seja, tudo que tenha ponta(=apêndice) pode escoar ou atrair energia. Se já está provado que nosso corpo possui energia (elétrica e talvez outras ainda não descobertas), ao retirar esses apêndices, existe o risco de afetar a troca de energias de nosso corpo.

    • Thiago da Costa:

      Hercules Lima, isso aê q falou está me cheirando pseudo-ciência, misticismo ou algo do tipo… “afetar a troca de energias de nosso corpo”? Não há outro tipo de energia a não ser a elétrica em nosso corpo (nunca foi comprovado a existência)… se houvesse, haveria meio de identificá-las, se não há, então ela é insignificante.

    • Hercules Lima:

      É Thiago, você precisa pesquisar mais 🙂
      Desde a década de 60, que existem aparelhos chamados Máquinas Kirlian que fotografam esse energia, que dificilmente pode ser vista a olho nu, mas, através do campo eletromagnético criado pelo aparelho, essa energia pode até ser fotografada. Eu mesmo já fiz um desses, é fácil.

    • Thiago da Costa:

      Hercules, ta de brincadeira com essa Máquinas Kirlian né?!… a hipótese de o fenômeno registrado ser realmente a aura dos objetos fotografados é atualmente desacreditada em praticamente todos os meios, salvo em alguns círculos místicos que ignoram as evidências contra tal explicação. Há várias e várias outras explicações científicas do que pode ser essas tais “aura”… mas adivinha qual vcs preferem???

Deixe seu comentário!