Rara galáxia em anel é fotografada

Por , em 22.10.2012

Galáxias em anel são das mais estranhas e belas galáxias que se conhece. Também são muito raras; apenas um punhado delas é conhecida. E como são raras, a maneira como elas se originam é cercada de mistérios.

A grande maioria das galáxias em anel parece ser resultante de uma colisão de galáxias. O núcleo tem uma forma lenticular, uma forma espiral primitiva. Os anel normalmente é perpendicular ao plano da parte central, ou seja, cruzando os polos, por isto recebe também o nome de anel polar.

Para criar uma estrutura destas, as galáxias que colidiram tem que ter seus planos perpendiculares também, criando o anel através das interações gravitacionais entre elas. Um dos sinais da colisão é a presença de dois buracos negros gigantescos no núcleo, às vezes até mesmo dois núcleos galácticos.

Mas a NGC 660, da foto acima, é diferente. O seu núcleo apresenta a forma lenticular, mas do tipo antigo. Seu anel não está bem perpendicular, mas a 45°, aproximadamente, do plano da parte central. E ela apresenta um núcleo só.

Por conta de tudo isso, ela não parece ser o resultado de uma colisão. Também por isso ela é o foco da criação de uma segunda hipótese para a formação deste tipo de objeto: não uma colisão, mas apenas uma passagem próxima. Uma galáxia rica em gases teria passado por perto da NGC 660 e deixado um anel de gás e poeira.

A maioria das estrelas detectadas no anel de gás, que tem 40.000 anos-luz de diâmetro, são estrelas gigantes azuis e gigantes vermelhas, de vida curta. A mais nova delas tem cerca de 7 milhões de anos. Isto é um indício de que o anel é bastante ativo, de que há muita formação de estrelas nele.

Outro ponto interessante nesta galáxia é que seu núcleo é especialmente brilhante na faixa do rádio, o que indica uma região de formação de estrelas no núcleo da galáxia, provavelmente também provocada pela passagem galáctica.

A interação entre as duas galáxias próximas pode ter provocado ondas de choque, que causaram a formação de estrelas gigantescas, que por sua vez explodiram em pouco tempo também, gerando mais ondas de choque e causando a formação de mais estrelas ainda.

Essa bonita galáxia fica a 40 milhões de anos-luz de distância, na constelação de Peixes. Em resumo, ela é provavelmente o resultado da interação com outra galáxia, que gerou um anel cheio de berços estelares, tudo fruto da influência invisível da gravidade.

A imagem é uma combinação de fotos de longa exposição acumulando 1.620 segundos, feita pelo astrônomo Travis Rector, da Universidade de Alaska Anchorage, usando o telescópio de 8 metros de diâmetro do observatório Gemini Norte, em Mauna Kea no Havaí.

Clique aqui para baixar a foto em resolução total.[Science 2.0, Science Daily, Bad Astronomy, Observatório Gemini]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

9 comentários

  • Andre Luis:

    Que medida heim! Um ano luz já não é fácil para imaginar e mensurar! Imagina então 40.000 anos luz, pior ainda,imagina o universo inteiro em sua totalidade!

  • Duda Weyll:

    O aposto vem depois de “anel de gás”, então se presume que o anel de gás tenha 40 mil anos luz de diâmetro. u.u

    Leitura recomendada pra aprimorar a interpretação de texto: O Pequeno Príncipe, O Menino do Dedo Verde e Reinações de Narizinho. kkkkk

  • The Solar System:

    40.000 anos luz quase a metade da via láctea cof cof cof cof

    • Cesar Grossmann:

      Qual o problema? A Via Láctea é uma galáxia considerada grande. Um anel com 40.000 anos-luz dá uma galáxia um pouco menor que meia Via Láctea.

  • Mateus Felipe Martins Da Costa Cota:

    No centro da imagem parece que tem uma espada interestrelar.

  • Marco Checon:

    Se a VY Canis majoris que é a maior estrela conhecida esta mto longe de apenas 1 ano luz imagina então o que seria uma estrela de 40 mil anos luz ! tem coisa errada ai !!!

    • Cesar Grossmann:

      É o anel de gás que tem 40.000 anos-luz, não as estrelas.

  • Marco Checon:

    estrelas com 40.000 anos luz de diâmetro ??
    se a nossa galáxia tem cerca de 100.000 anos luz de diâmetro
    uma estrela com quase metade disso parece impossível !
    nem tem algo de errado na matéria não?

    • Cesar Grossmann:

      É o tamanho do anel de gás e poeira…

Deixe seu comentário!