Retirar os pelos pubianos faz bem ou mal?

Por , em 21.03.2016

Retirar os pelos pubianos pode ser uma prática mais popular agora do que nunca, mas os seres humanos vêm fazendo isso pelo menos desde o tempo dos antigos egípcios. Nos últimos 20 anos, pesquisas mostram que a remoção dos pelos pubianos está rapidamente se tornando a norma na Austrália, nos EUA e no Reino Unido, com um estudo de mais de 1.000 alunos nos EUA constatando que 96% das mulheres e 87% dos homens tinham removido a maior parte ou a totalidade de seus pelos pubianos nos últimos meses. Mas este hábito é bom ou ruim para nós?

Os seres humanos perderam a sua espessa camada de pelos no corpo entre 120.000 e 70.000 anos atrás, após a última Era do Gelo. Desde então, nos tornamos os únicos mamíferos existentes a ter longos e grossos pelos púbicos.

Funções sociais

Qual é a função deles? Bem, os pesquisadores pensam que porque pelos pubianos aparecem após a puberdade, podem agir como um sinal visual para outros seres humanos que atingimos a idade reprodutiva (algo que era, obviamente, muito mais útil para os nossos ancestrais pré-históricos do que é hoje). Eles também podem ajudar a proteger a nossa pele da grave fricção que pode ocorrer durante o sexo.

Outra hipótese é que mantivemos nossos pelos pubianos para lidar com o suor. Os seres humanos têm dois tipos de glândulas sudoríparas – as que segregam principalmente água e sal (as glândula écrinas), e as que secretam várias proteínas, lipídios e feromônios (as glândula apócrinas).

O suor das glândulas apócrinas emite um odor forte, e esta glândula só é encontrada em nossas axilas e na região pubiana. Será uma coincidência que esses sejam os dois únicos lugares em nosso corpo (além de nossas cabeças) que ainda hospedam revestimentos espessos de cabelo? É possível que a evolução tenha mantido os pelos nestes lugares específicos para manter o odor dos feromônios, para que fôssemos capazes de atrair possíveis parceiros. Um fato que dá força a esta teoria é que as mulheres emitem diferentes tipos de feromônios quando estão ovulando, para indicar fertilidade, se tornando, assim, mais atraentes.

Riscos

Então, o que acontece quando nós raspamos, passamos cera, laser, enfim, tiramos tudo? Bem, no lado positivo, temos menos casos de piolhos púbicos (mas não, eles não estão se extinguindo com a ascensão da remoção dos pelos pubianos), e no lado negativo, erupções horríveis, pelos encravados e coceira.

E isso não é o pior de tudo – o método usado para remover os pelos pode aumentar o risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis, uma vez que o uso de lâminas de barbear ou cera pode criar cortes microscópicos na pele, que podem infeccionar. Há teorias que ligam diretamente a retirada de pelos pubianos a um aumento na transmissão de gonorreia, clamídia e HPV.

O certo é que, independente da moda do momento, não há nenhum risco em manter os pelos lá, da forma que a natureza planejou. [Science Alert]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (5 votos, média: 3,60 de 5)

Deixe seu comentário!