TV também é cultura: programas sobre sexo ajudam as pessoas a discutirem mais o assunto

Por , em 8.06.2011

Nos EUA, o seriado Sex and the City ensinou mais do que marcas famosas que você deve usar para estar na moda; os episódios realmente levaram as pessoas a conversar mais sobre questões de saúde sexual, mesmo que não tivessem essa intenção.

Pesquisadores americanos entrevistaram 243 estudantes universitários com idade média de 20 anos, e descobriram que eles eram duas vezes mais propensos a discutir questões sexuais com seus parceiros depois de ver uma conversa semelhante na série.

No estudo, os cientistas mostraram uma das três versões de um episódio de Sex and The City, editado especialmente para a ocasião. Em uma versão, as personagens Samantha e Miranda conversam com amigos, médicos e parceiros sexuais sobre as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) clamídia e HIV.

Outros participantes assistiram a uma versão do mesmo episódio que incluía cenas sobre HIV e clamídia, mas não as que os personagens discutiam o assunto com os outros. Um terceiro grupo de participantes viu um episódio completamente diferente de Sex and the City, sem relação com doenças sexualmente transmissíveis.

Os participantes responderam um questionário depois de assistir ao episódio, e outro duas semanas depois. 46% das pessoas que viram a discussão sobre DSTs conversaram com seu parceiro sobre o assunto nas próximas duas semanas, em comparação a 21% das pessoas que viram o episódio sem discussão, e 15% dos que assistiram um episódio diferente.

Curiosamente, os três grupos disseram que era improvável que discutissem DSTs com seus parceiros. Mas depois do episódio, eles se mostraram mais propensos a desencadear uma conversa relacionada ao sexo.

Segundo Emily Moyer-Guse, pesquisadora do estudo, esse efeito de comportamento é muito substancial depois de ver apenas um episódio de um programa de TV. “Quando os participantes viram os personagens demonstrando confiança e navegando com sucesso nessas conversas difíceis, isso lhes deu um “script” social para seguir em suas próprias vidas. Eles sentiram que tinham a capacidade de falar sobre essas questões difíceis”, diz.

Sex and The City não continua sendo gravado – mas talvez alguns canais ainda transmitam o seriado. Porém, a pesquisa nos faz pensar: será que outros filmes sobre sexo, ou outros temas delicados, também ajudam as pessoas na comunicação, a discutirem mais abertamente tais tópicos?[Jezebel]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

8 comentários

  • Eu:

    As coisas passam na tv e as pessoas discutem o assunto… passa uns meses já todo mundo esqueceu aquilo. Cultura?? Vai ler um livro vai…

  • anonimo:

    Em 20% dos casos, as placas desaparecem espontaneamente, sem tratamento algum, em um ano e meio, dois anos. Quando o problema persiste, alguns medicamentos que agem no metabolismo das células produtoras da fibrose apresentam bons resultados.

    Esgotadas essas possibilidades, só depois de dois anos de evolução da doença e apenas quando a alteração prejudica a atividade sexual, o que ocorre em menos da metade dos casos, o paciente é encaminhado para cirurgia. A anestesia é geral ou de bloqueio peridural ou raquidiano.

    Existem duas técnicas cirúrgicas que podem ser usadas para corrigir a curvatura do pênis. A primeira tenta compensar o desvio, fazendo uma prega no corpo cavernoso do lado oposto àquele em que se situa a placa. O inconveniente dessa técnica é interferir no tamanho do pênis, que fica menor. A outra consiste em fazer uma incisão em forma de H para liberar na placa. Em seguida, coloca-se um enxerto (um fragmento da veia safena ou de pericárdio bovino) no local da lesão. Em 90% dos casos os resultados são satisfatórios: retifica-se o pênis sem comprometer a capacidade de ereção.

  • mario:

    acho que o mundo vai acabar com uma grande suruba, qual o proveito para a sociedade que todos saibam sobre sexo até mesmo crianças? do jeito que vai vão legalizar até a pdofilia, não duvido.

  • EltonPaes:

    E falo mais!!!!!
    A mídia é o escudo dos criminosos que criam os problemas na sua gênese, que são responsáveis pela injustiça neste mundo. Eles nos mentem diariamente e escondem a realidade!
    Eu os odeio!

  • EltonPaes:

    hahaha.

    Não postaram meu comentário, onde falei muito mal das tvs brasileiras…
    pq sera?
    hã?
    hã?
    HypeScence não cai no meu conceito…

  • EltonPaes:

    “TV também é cultura”

    – Não esses canais abertos, pois só serve pra alienar a população com programinhas de puro interesses, e manipular vc, promovendo essas modinhas ridículas e dizendo que é legal!

    aham globo sentalá! lixo!

  • Ladislau Neto:

    Que bom. Isso é bom, na minha opinião.
    No Brasil ainda é delicado. E piorou, de uns tempos pra cá.
    A Globo, em suas tentativas, não consegue ser sutil o suficiente com o brasileiro.

  • Eu, eu mesmo:

    Eu gosto de programas de sexo, principalmente aqueles do RedTube.

    Mas falando sério (ou mais sério…), às vezes os adolescentes tem vergonha de perguntar aos pais ou de tomar uma iniciativa e encontrar algum profissional que ajude a iluminar suas dúvidas, esses programas sobre sexo são uma boa saída. Além de que são divertidos. 😛

Deixe seu comentário!