Viagem espacial e reprodução não combinam

Por , em 27.01.2011

Cada vez mais estamos próximos de uma comercialização de “voltinhas pelo universo”. Mas se o futuro da sociedade for viver no espaço, as mulheres grávidas terão problemas. Os fetos não são gravemente afetados por viagens aéreas, mas uma nova pesquisa mostrou que o mesmo não é verdade para viagens espaciais.

Embriões criados em ambiente de microgravidade desenvolveram defeitos cranianos. Os cientistas suspeitam que os defeitos são causados por alterações nas células da crista neural, que dão origem a cartilagem e ao osso craniano.

Segundo os pesquisadores, as mudanças não são um problema para a saúde do organismo, ainda. Mas com sucessivas gerações, estes efeitos poderiam se amplificar, o que mostra que as viagens espaciais podem ter um lado negativo.

Para simular a microgravidade do espaço, os pesquisadores colocaram óvulos fertilizados de peixe dentro de um biorreator, que gira objetos dentro dele para criar um ambiente de microgravidade.

Os óvulos começaram a girar 10 a 14 horas após a fecundação, para coincidir com uma fase crucial no desenvolvimento das células da crista neural craniana, e pararam 12 a 96 horas depois.

Quando o peixe chocou, os pesquisadores tingiram de azul a cartilagem cranial de metade deles. Então, compararam esses peixes aos que não tinham passado tempo em microgravidade como embriões, e descobriram que os arcos branquiais – pedaços de cartilagem que suportam as guelras e correspondem a partes da mandíbula em humanos – dos que viveram em condições semelhantes ao espaço eram alterados.

Para ver se esses problemas persistiam na idade adulta, os pesquisadores repetiram a coloração mais tarde na segunda metade do grupo de peixes. Os peixes adultos também eram anormais: o osso na base do seu crânio era deformado, por exemplo.

Em 2002, outros pesquisadores também encontraram anormalidades em óvulos de peixes paulistinhas que se desenvolveram em ambiente de microgravidade. Eles foram girados em um biorreator 30 horas após a fertilização, e os peixes nascidos desenvolveram déficits em seus sistemas vestibulares, responsáveis pelo equilíbrio. Os peixes morreram depois de apenas duas semanas.

O uso de biorreatores é controverso, no entanto. Alguns cientistas indicam que ele mal imita as condições do espaço, e que os peixes medaka criados no espaço em 1995, por exemplo, não mostraram alterações. Outros especialistas apontam que o estudo de 1995 não teve o mesmo nível de detalhes que esse. Os pesquisadores esperam realizar o experimento recente no espaço em 2015.

O que parece claro é que a viagem espacial afeta a reprodução. Um biólogo reprodutivo que examinou 16 ratas que viajaram a bordo do STS-131 da NASA no ano passado descobriu que elas tinham ovários “encolhidos”, folículos ovarianos que morriam e genes estrogênios reprimidos. Ou seja, seus sistemas reprodutivos não funcionavam. [NewScientist]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

13 comentários

  • muriloolc@hotmail…:

    bom… a unica chance de sobreviver mesmo seria a evolução natural, uma coisa que demoraria muito alem das nossas expectativas calculáveis.

  • serginhos…:

    Reprodução no espaço, há vamos quebrando um galho aqui na terra mesmo, mais nhãná em gravidade zero deve ser bem interessante, e divertido.

  • monkey:

    O que parece claro é que a viagem espacial afeta a reprodução.Assim ia nascer tudo deformado

  • Zé da Relva:

    Meu, e o que tem uma coisa com a outra? É tão comum assim sair pelo espaço dando umazinha?Isso ta me parecendo o “efeito da cerveja no espaço”, outro trabalho ja publicado na Hype.
    Resumindo os dois, trepar no espaço pode, beber tambem, o froids é que não vão fazer o devido efeito.kkkkkkkkkkkk

  • Tony Amorim:

    A microgravidade pode ser um grande problema, mas é surprendentemente fácil de resolver.
    O espaço em si tem outras condições muito mais hostis do que isso, como radiação extrema e meteoros em altíssima velocidade. É só sair da magnetosfera terrestre e a coisa se complica pra valer.

  • Tony Amorim:

    Isso me lembra aquele filme 2001. A nave que aparece no começo era enorme e girava de modo que a força centrífuga servia como um sistema de gravidade artificial.

  • Gustavo:

    Deve ser uma beleza fazer sexo com essas roupas!

  • Harley Eugenio:

    em caso de viagem espacial é simples, a espaço nave com aceleração de 1G, e ta tudo certo.

  • Julio:

    Isso significa que está proibido a existência de uma tecnologia que criasse uma gravidade artificial nos veiculos espaciais do futuro?

  • O Louco:

    É uma garantia que a natureza impôs de não sairmos por aí infestando outros planetas.

  • Nina:

    Isso tem lógica, sim, porque ao longo dos milhões de anos os seres foram evoluindo para se ajustar à gravidade da Terra, sendo terrestres ou aquáticos. Sabe-se que o organismo de astronautas sofre perda de cálcio em gravidade zero. Se isso acontece com adultos é de se esperar problemas em fetos e embriões também.

  • johny:

    Quer dizer então que fazer sexo no espaço só serviria para recreação? Sexo em gravidade zero! Now that’s kinky!

    Por que não utilizam um sistema girador a bordo da nave para simular a gravidade com a força centrípeta?

  • Manuel Bravo:

    Com base nessas pesquisas, acho que o ser humano não tem
    condições para viajar pelo universo, é tanto fator contra
    que prefiro ser pessimista nesta matéria.

Deixe seu comentário!