10 animais estranhos do Brasil

Publicado em 21.11.2012

Nosso país é mesmo um país de diversidade, não só no que diz respeito a diferentes etnias humanas, mas também de animais dos mais variados (e estranhos) possíveis. Confira alguns deles:

10 – Preguiça

A preguiça não é tão estranha no sentido de estarmos acostumados à sua existência, mas, certamente, se repararmos direito nela, é um bicho bastante bizarro.

Aparência esquisita, movimentos lentos e sem energia são suas principais características. Vivendo “de boa” pendurada nas copas das árvores copa do Brasil, Nicarágua e Peru, a preguiça tem dedos com garras curvas gigantes que parecem ganchos. O animal pode usá-las para se defender, mas por ser tão pacato, geralmente só as usa para ficar parecendo uma rede em um galho de árvore.

O cultivo de algas em sua pele (o revestimento exterior de sua pele tem grandes sulcos que recolhem e crescem algas) lhe dá uma cor verde que funciona como camuflagem. Então, o que às vezes pode parecer um amontoado de folhas gigante pendurado em um galho é na verdade uma preguiça.

Frutos, folhas secas e galhos compõem a dieta de uma preguiça. Elas fazem tudo de cabeça para baixo, incluindo comer e acasalar. As fêmeas tendem a ficar juntas, enquanto os machos são solitários e só aparecem para acasalar.

Se tiver que caminhar sobre a terra, a preguiça vai usar suas garras (se andasse ereta, pareceria o Pé Grande). Ela tem que rastejar a barriga e usar as garras para se impulsionar. Não admira que prefira se pendurar nas árvores (só desce cerca de uma vez por semana para urinar e defecar).

No entanto, a preguiça pode nadar muito bem. Também pode virar a cabeça em 270 graus e mantê-la quase em linha reta virada para cima enquanto seu corpo está pendurado de cabeça para baixo.

9 – Capivara

Em que outro país haveria um animal que mais parece um rato gigantesco em cada zoológico? A capivara é uma visão conhecida em diversas cidades brasileiras. Não deixa de ser um roedor muito estranho, no entanto – e também o maior deles.

A capivara pode ser encontrada em diversas regiões da América do Sul e Central. Ela costuma viver em regiões às margens de rios e lagos. Utiliza a água como refúgio dos predadores, pois consegue ficar submersa por alguns minutos e possui uma grande agilidade para nadar.

Uma fêmea costuma gerar de 2 a 8 filhotes por gravidez. A capivara alimenta-se de capim, ervas e outros tipos de vegetação encontrados nas beiras de rios e lagos.

Um animal adulto pesa em média 80 kg, e alcança 1,20 metros. Elas vivem de 15 a 20 anos e, como boa roedora, possui dentes incisivos que podem chegar a 7 centímetros.

De roedores estranhos o Brasil entende, como confirmam esses outros “ratos gigantes”, a paca e a cotia.


8 – Anta

A família Tapiridae é um grupo de mamíferos da ordem Perissodactyla que habita a América Central, a América do Sul e o sul da Ásia, conhecidos popularmente como “anta”. São os maiores mamíferos da América do Sul, e pertencem a mesma ordem dos cavalos, embora possuam um parentesco mais próximo aos rinocerontes.

A anta chega a pesar trezentos quilogramas. Tem três dedos nos pés traseiros e um adicional, bem menor, nos dianteiros. Tem uma tromba flexível, que sente cheiros e umidade. Vive perto de florestas úmidas e rios, e toma frequentemente banhos de água e lama para se livrar de carrapatos, moscas e outros parasitas.

As antas comem folhas, frutos, brotos, ramos, plantas aquáticas, grama e pasto. Também podem se alimentar em plantações de cana-de-açúcar, arroz, milho, cacau e melão. Para manter seus 300 quilinhos, passa quase dez horas por dia forrageando em busca de alimento.

Esses animais têm hábitos noturnos e solitários. De dia, escondem-se na mata, e só se reúnem durante o acasalamento e a amamentação. A fêmea tem geralmente apenas um filhote, e o casal se separa logo após o acasalamento.

Quando ameaçadas, as antas mergulham na água ou se escondem na mata. Ao galopar, derrubam pequenas árvores, fazendo muito barulho.

Se alguém souber por que os seres humanos usam a palavra “anta” com sentido pejorativo, favor me avisar. Aparentemente, esses animais não são nada bobos, e se domesticados, podem aprender muitas coisas, como girar uma maçaneta para abrir uma porta ou beber água numa garrafa de refrigerante.

7 – Tamanduá

O tamanduá-bandeira, também conhecido como papa-formigas, é um mamífero quadrúpede desdentado. Com aspecto bizarro, solitário, pacífico e cauteloso, ele pode ser encontrado na América Central e do Sul.

O animal tem uma pelagem espessa que se torna maior na cauda. Seu focinho tem formato cilíndrico. Sua visão é fraca, mas sua capacidade de olfato é aguçada (cerca de 40 vezes maior que a do homem). É assim que ele procura formigueiros ou cupinzeiros para se alimentar.

O peso de um adulto desta espécie chega a 40 kg, seu comprimento pode chegar até 2 metros (incluindo a cauda) e sua altura pode chegar a 60 centímetros. Eles têm uma coloração acinzentada, com faixas diagonais pretas com as bordas brancas.

O tamanduá tem fortes longas garras dianteiras com as quais escava os formigueiros e cupinzeiros onde, em seguida, introduz sua língua, pegajosa e longa (aproximadamente 60 centímetros!), para explorar o local e levar os insetos à boca.

O tamanduá-bandeira é capaz de ingerir até 30.000 insetos por dia.
Suas garras também são utilizadas para se defender dos predadores: ele abraça seu inimigo para cravar-lhe as longas garras. Daí que surgiu a expressão popular “abraço de tamanduá”.

O tamanduá-bandeira está ameaçado de extinção devido à destruição de seu habitat. Os fatores que têm contribuído para isso são caça indiscriminada, queimadas (seu pelo é extremamente inflamável) e o avanço da agropecuária no cerrado (ecossistema que, por ser bem aberto, não possui lugares onde o tamanduá-bandeira possa se esconder).

6 – Uacari

O Uacari (Cacajao calvus) é uma espécie raríssima que vive nas florestas ao norte da Amazônia. Esse animal estranho encontrado no Brasil e no Peru está listado como uma espécie em extinção; ele é especialmente vulnerável devido à perda de seu habitat, e por ser caçado para a alimentação.

Os uacaris pesam cerca de 2 a 3 kg e possuem 35 a 60 centímetros de comprimento. Sua cauda possui cerca de 15 centímetros de comprimento. Apesar de terem a cara vermelha, a cor da sua pele pode variar entre quase branco a um castanho avermelhado muito escuro.

A razão para sua face colorida pode ser pelos mesmos motivos que as aves são coloridas: para facilitar a detecção de semelhantes na floresta espessa e densa. Eles não vivem muito bem em cativeiro.

Os uacaris se alimentam de insetos, sementes, nozes, frutas, néctar e similares. Convivem em grupos de 10 e 40 indivíduos. Há relatos de grupos com mais de 100.

Essas criaturas ágeis balançam entre as árvores pendurando-se pela sua cauda e raramente descem ao chão. Eles são capazes de saltar 20 metros ou mais entre diferentes árvores.

5 – Mataco (tatu-bola)

O mataco é uma espécie de tatu-bola, animal brasileiro que não poderíamos deixar de falar, já que o mascote da Copa do Mundo de 2014 será o tatu-bola.

Esse apelido vem do método extremamente original de proteção desses animais: eles não correm, camuflam-se ou lutam, apenas se enrolam em uma bola “blindada” graças a sua “armadura” esquisita.

O mataco vive na Bolívia, na região central do Brasil, no Paraguai e na Argentina. Esta classe de tatu não cava sua própria tocas, mas sim aproveita tocas de tamanduá abandonadas. Eles gostam de áreas gramadas ou pantanosas perto de florestas.

Estes tatus castanho-escuros são as únicas espécies que podem se enrolar e proteger completamente seus corpos inteiros dentro de sua concha. A frente desconectada das porções traseiras do escudo é o que permite esta façanha.

As garras em suas patas da frente são extremamente poderosas, e o tatu caminha e corre na ponta destas garras. Eles caçam para se alimentar cavando ninhos subterrâneos e sob vegetação em decomposição. Larvas de besouro são o seu principal alimento, mas também comem formigas, cupins, outros insetos e frutas.

O mataco é considerado uma espécie em extinção. Mineração e desenvolvimento agrícola ameaçam sua existência, além do animal ser extremamente fácil de ser capturado ou caçado.

4 – Boto

O boto, especialmente o boto cor de rosa, é um animal brasileiro cercado de muitas lendas. A mais famosa delas é que essa criatura do mar adora se transformar em um homem bonito que seduz as moças, ou uma mulher bonita que leva os homens jovens para a água. Aqueles que entram em suas garras são afogados e seus espíritos se tornam golfinhos. Os nativos da Amazônia acreditam que este animal é um presságio de má sorte.

Mas não se assuste se encontrar com um. Ele não vai hipnotizá-lo e levá-lo para o fundo do mar, mas provavelmente vai querer brincar. Botos são criaturas muito curiosas, que gostam de interagir com barqueiros e nadadores.
O boto é o maior de todos os golfinhos de rio. Pode pesar até 180 kg e mora nas porções profundas de rios perto de bancos de areia e outras formações naturais que causam piscinas de águas profundas.

O golfinho respira através de um bico localizado na parte superior de sua cabeça, e precisa sair da água uma a duas vezes por minuto para tanto. Sua incrível flexibilidade lhe permite nadar ao redor de árvores e através das florestas que inundam durante a estação chuvosa.

Construções hidrelétricas são a maior ameaça que o boto sofre em estado selvagem. Represas são a principal causa de mudança do fluxo dos rios, que, por sua vez, perturbam a configuração natural dos bancos de areia que os botos dependem para profundidade adequada de água. Também afetam os ciclos naturais de reprodução de peixes, que o boto depende para sua fonte de alimento. Embora esses elementos causem problemas para eles, os botos têm uma sobrevida maior do que muitos de seus primos.

3 – Urso-de-óculos

Achou que não havia ursos no Brasil? Bom, se você ver um, vai ser o urso-de-óculos. Foram as manchas brancas que marcam seus olhos que lhe renderam esse apelido bizarro. Essa é a única espécie de urso que vive na América do Sul, mas não se preocupe; é raro ver uma dessas criaturas. Existem apenas 18.000 vivos atualmente.

O urso-de-óculos é mais frequentemente encontrado nas florestas profundas da Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Brasil, mas também pode habitar florestas tropicais, estepes e desertos.

Eles podem ser de qualquer cor do preto ao castanho, ou avermelhados. O urso adulto tem cerca de 150 a 180 centímetros e pesa 100 a 155 kg. O macho é muitas vezes maior e mais pesado que a fêmea.

Esses ursos comem vegetação, pequenos animais, incluindo ratos, coelhos e aves, bulbos de orquídeas, folhas e frutas. As frutas são, de longe, sua comida favorita.

Diferentemente da maioria dos ursos, o urso-de-óculos é noturno. Ele come e passeia à noite. Quando o amanhecer chega, o animal sobe em uma árvore, se recolhendo ao seu “ninho” ou plataforma que ele construiu para dormir. Muitos ursos sobem em árvores, mas a maioria prefere dormir em cavernas e tocas.

2 – Sagui pigmeu

O sagui pigmeu (Callithrix pygmaea) é um macaco encontrado no oeste do Brasil, no Peru e no Equador Oriental e no sudeste da Colômbia. É o menor macaco do mundo, com um comprimento de corpo de 14 a 16 centímetros, excluindo a cauda.

Essa coisinha fofa alimenta-se de frutas, folhas, insetos e pequenos répteis.

1 – Candiru

Nenhuma lista sobre animais estranhos brasileiros está completa sem o candiru. Esse peixe amazônico fino, pequeno e quase transparente está entre os poucos vertebrados hematófagos, que se alimentam do sangue de outros peixes. Os candirus fazem isso se ancorando a eles com uma série de espinhos em forma de gancho. Uma infestação severa pode enfraquecer e, eventualmente, matar uma vítima infeliz. Eles também se alimentam de peixes mortos, comendo-os de dentro para fora.

Em alguns casos, eles podem nadar para dentro da uretra ou do ânus de homens e mulheres, e ficar preso lá por causa de seus espinhos. Isso é muito doloroso e potencialmente mortal, porque quando a vítima humana deixa a água, o peixe morre e seu corpo começa a apodrecer. A infecção resultante pode causar morte. Somente um delicado processo cirúrgico pode remover o peixe dos órgãos genitais. Moral da história: não faça xixi na Amazônia.

Conhece mais animais (ainda mais estranhos) brasileiros? Compartilhe![Webecoist, PurpleSlinky, UOL, BrazilianFauna, Ambientes, SuaPesquisa, IdealDicas, InfoEscola]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

18 Comentários

  1. Não concordo sobre o quati, um me mordeu quando criança e até hoje tenho a cicatriz para provar.
    E ela me mordeu enquanto eu estava dando comida para aquela ingrata.

    Thumb up 0
  2. Nao nos Preocupar? ai q deveriamos tomar Juiso e se preocupar Lembrao

    ex do Tigre Dente de sabre foi um dos felinos mais Tps q existiu e esta extinto por causa dos fdp do Homen q quando chegou a america comesou exterminalos pra usarem os caninos de armas

    Thumb up 4
  3. Para a tristeza de quem ama animais assim como eu;eu matei uma capivara sem querer andando de carro de noite numa rodovia. =\
    E é um bicho bem gordo,grande e na minha opinião bonito…era uma fêmea e bem no local onde atropelamos percebemos que ela estava atravessando a rua para ir num riacho.

    Thumb up 1
  4. Sobre o Urso-de-óculos: “mas não se preocupe; é raro ver uma dessas criaturas. Existem apenas 18.000 vivos atualmente.”

    NÃO ME PREOCUPAR??? A extinção dos ursos-de-óculos me preocupa

    Thumb up 25
    • Estão bem perto da fronteira, então… nada os impede de dar uma visitadinha aqui :P

      Thumb up 0
    • Na fronteira do Brasil com o Perú você vai encontrar com certeza. Existem relatos na fronteira com a Bolívia também.

      Thumb up 0
  5. Discordo do que diz na matéria, que não se preocupe em encontrar um urso-de-óculos pois são raros e poucos. Muito pelo contrário, aí é que temos mesmo que nos preocupar, pois daqui a pouco podem sumir.

    Thumb up 29
  6. Por um certo “bairrismo” não consideramos como a nossa fauna é bizarra, pelo contrário, achamos bela.

    Thumb up 21
    • O Brasil tem “amigos ursos” sim, e quantos. Bichos preguiças, de montão, sempre agarrados e pendurados às tetas da nação. Agora, as antas, deixa pra lá.

      Thumb up 6

Envie um comentário

Leia o post anterior:
707614main1_RED_Kappa_Andromedae_FINAL-673
Planeta “bizarro”, 2,5 vezes massivo que o sol, é visto em formação

Astrônomos observara...

Fechar