7 fatos incríveis sobre a pílula anticoncepcional

Depois de 50 anos no mercado, a pílula anticoncepcional evoluiu muito – as moças podem ter certeza de que a pílula que tomam hoje é muito diferente da usada por suas mães alguns anos atrás. Assim como qualquer dama educada, a pílula também tem seus segredos. Conheça histórias surpreendentes sobre esse tipo de droga que, hoje, é tão popular quanto a aspirina:

1 – A pílula não é usada apenas como anticoncepcional

Mesmo que o motivo principal da criação da pílula tenha sido a prevenção de gravidez, em 1957 ela foi aprovada como forma de tratamento para problemas menstruais severos. Dois anos depois, meio milhão de mulheres começaram a usar a pílula por terem, supostamente, desenvolvido problemas menstruais – especialistas suspeitam que esses problemas, na época, eram apenas uma desculpa para que as moças pudessem usar o anticoncepcional sem deixar claro que eram sexualmente ativas. Além de problemas menstruais, a pílula também pode ser usada no tratamento de cistos no ovário, acne, anemia e endometriose.

2 – Algumas marcas possuem “pílulas placebo”

Quem já usou a pílula sabe que deve parar de tomar o remédio por um tempo para que possa ocorrer a menstruação e depois voltar com o tratamento. Há outros tipos de pílula que, no pacote, vêm com uma “ultima semana” diferenciada das demais, que permitem a menstruação. Essas pílulas da última semana seriam placebos, sem hormônio nenhum. Isso tudo foi uma jogada de marketing para que a mulher não precisasse parar de tomar pílulas todo dia e para que o ato parecesse natural. Até hoje algumas marcas persistem nessa forma de apresentação, mas com um diferencial – colocam ferro nas pílulas da última semana para que a mulher, que durante a menstruação perderia sangue, tenha uma reposição da substância, diminuindo os riscos de anemia (na foto do artigo, a cor das pílulas da última semana é diferente).

3 – A pílula pode afetar a sua decisão sobre possíveis parceiros

Algumas novas pesquisas sugerem que a pílula afeta a forma com que as mulheres escolhem seus parceiros. Normalmente, somos atraídos por pessoas que têm os genes um pouco diferente dos nossos, porque a natureza do humano e buscar a variedade genética, para que os bebês sejam mais fortes. Mas a pílula induz a mulher a um estado que, por causa dos hormônios, imita a gravidez (por isso a mulher não engravida. Para o organismo ela já estaria grávida). E, quando uma mulher está grávida, ela procura pessoas similares a ela – membros da família iriam proteger seu suposto bebê. Mas, normalmente, não seriam pessoas com as quais elas iriam querer ter relações. Já no lado dos homens, pesquisas mostram que, de alguma forma, eles percebem que mulher está ovulando e qual estaria “grávida” e, normalmente, são mais atraídos por aquelas que seriam férteis. Antes de levantar protestos, é importante esclarecer que mais pesquisas serão feitas para comprovar esses resultados. E que, para toda regra existe uma exceção.

4 – A pílula polui rios e afeta o meio ambiente

Mulheres que tomam o anticoncepcional eliminam hormônios sintéticos através de suas excreções. Esses hormônios não podem ser quebrados pelas estações de tratamento de esgoto normais e acabam indo parar em rios. Esses hormônios afetariam a fertilidade de animais que vivem e que dependem dessas águas. De acordo com um estudo francês, 50% do estrogênio encontrado nas águas dos rios vem, indiretamente, da pílula anticoncepcional.

5 – A pílula é amada e odiada pelas feministas

A pílula foi o primeiro remédio a ser desenvolvido para usos “sociais” e não puramente médicos. Apesar da criação da pílula ter sido celebrada pelas feministas da época, nos anos 70 riscos que o uso da pílula poderia representar foram levados ao público e levantaram a ira de algumas mulheres,que passaram a considerar o remédio um exemplo do modelo patriarcal que fazia com que elas corressem mais riscos para o prazer masculino. Métodos de contracepção masculinos estão, atualmente, em desenvolvimento.

6 – A criação da pílula só foi possível graças a um católico

Apesar de ser considerada uma inimiga da Igreja Católica – seria um crime, para a Igreja, impedir que uma vida viesse ao mundo (a única forma de contracepção aprovada, atualmente, pelo Vaticano, seria a tabela menstrual, que tem altas chances de falhar. Nela, o casal se abstém de relações sexuais no período em que a mulher, teoricamente, poderia conceber. O sexo fora do casamento também não é visto com bons olhos). Mesmo assim, foi um católico devoto que tornou a pílula uma invenção possível. John Rock freqüentava a igreja todos os domingos, mas acreditava que uma vida sexual saudável e ativa era a chave para a felicidade do casamento. Foi ele que testou a droga para, depois, aprovar sua venda nos Estados Unidos.

7 – Desenvolvida a partir de… inhame?

Cientistas descobriram a progesterona, o principal “ingrediente” da pílula, em coelhos, no ano de 1928. Apesar de eles terem percebido o seu potencial, o químico não poderia ser extraído de animais – pela crueldade e também pelo enorme custo que o processo teria. Em 1943 o pesquisador Russel Marker encontrou uma alternativa mais barata e “verde”: os inhames. Uma espécie de inhame mexicano, conhecida como “cabeza de negro” fornecia enormes quantidades de progesterona, tornando, assim, a fabricação em massa do anticoncepcional possível e, também, tornando a pílula mais barata. [LiveScience]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Curta no Facebook:

27 respostas para “7 fatos incríveis sobre a pílula anticoncepcional”

    • Não.

      Converse com seu ginecologista. Anote direitinho quais são os dias seguros.

      E use camisinha. Sempre.

    • sim, no entanto nao eh tao seguro quanto a partir do segundo mes. na verdade, independente do tempo que vc tome a pilula, nunca será 100% seguro contra gravidez. leia a bula, minha filha! ou se tiver preguiça, vá ao médico!

  1. Gostaria que alguem fizesse algum comentário sobre a pílula contraceptiva em relação ao âmbito social. Quais foram as mudanças no relacionamento social da mulher com o mercado de trabalho no Brasil após o surgimento da pílula. Pelo que me consta a mulher passou a ser mais aceita no mercado de trabalho, por se livrar de uma gravidez indesejada.
    Se tornou mais independente, passando da condição de objeto para companheira.Por favor me enviem algum comentário inteligente e preferivelmente com fundamento, se possível incluir bibliografia.
    obrigado

    • Monica, a pausa deve ser de sete dias. Não é normal não menstruar quando se toma pílula. Vá ao médico antes de iniciar outra cartela.

  2. Realmente, Orlando… Pelo amor de Deus! Eu também acho que os SOLTEIROS deveriam evitar, mas já que não dá, usem camisinha, pilulas anticoncepcionais ou outros meios contraceptivos. Já, nós que somos casados, não tem jeito, porque dormir ao lado de quem se ama e não fazer sexo, é impossível. No caso do Wesley, sinto te dizer, se FILOSOFIA fosse boa, o mundo seria perfeito. Deus criou o sexo para o prazer do homem e da mulher, e sim, nós podemos desfrutar dessa BELEZA criada por Deus para o prazer sem termos que engravidar quando não quisermos. Veja a vida com mais cor e o sexo como um ato de doação!

  3. Quem usou esse tipo de raciocínio foi o filósofo Schopenhauer, ele dizia que o sexo é o maior engodo da natureza, que o sexo se apresenta aos nossos olhos como uma coisa boa. Daí vamos atrás dele. Em boa parte dos casos, a mulhere engravida e a espécie humana continua existindo, com todas as suas mazelas. Bem pessimista, esse sujeito

  4. Pergunta idiota…..porque não se cultiva esse inhame então e não se estuda uma forma de alimentação com ele que faria a vez da pílula ???
    Eu cheguei a usar algumas das primeiras. O mal que causava não tinha volta. Chamava-se Anfertil e só havia ela.
    Agora, que foi uma verdadeira maravilha lá isso foi!

  5. Eu adorei a matéria! E sobre o fato da pílula ser usada para outros fins, além da contracepção, isso é verdade. Eu mesma sofro de alterações hormonais que causam micropolicistos nos ovários e usei por muitos anos as pílulas para controlar o problema. Mas nada melhor do que você poder decidir quando engravidar. Agora, nada substitui a camisinha, já que não há (AINDA, ESPERO…) pílulas capazes de evitar a transmissão da Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis.

  6. Além do homem ser uma espécie onde o sexo não depende do cio ou de data marcada.
    E os genes da beleza e da sexualidade ajudarem as mais belas se perpetuarem.
    Tanto o prazer como a sensibilidade sexual, são os resultados de vários impulsos nervosos.
    E um patrimônio reservado para os que têm boa saúde.
    Pois podemos transformar o prazer físico em erotismo.
    E o erotismo em amor.

    Sendo que o amor adulto se alimentar de fantasias, de beleza, de gentileza, de segurança e de prazer.
    Existem motivos evolutivos para que desejemos específicos tipos de criaturas.
    E é comum nos sentirmos atraído por determinados traços físicos, temperamentos ou mesmo certas partes do corpo das parceiras, pois embora na “seleção biológica” e social seja difícil pagar o preço necessário para ficar com quem se deseja. Assim como, superar os concorrentes.
    O macho que consegue se acasalar com a fêmea que considera atraente ou que lhe proporciona algum tipo de vantagem em relação às outras da mesma espécie, seria um vencedor.

    Quem usou esse tipo de raciocínio foi o filósofo Schopenhauer, ele dizia que o sexo é o maior engodo da natureza, que o sexo se apresenta aos nossos olhos como uma coisa boa. Daí vamos atrás dele. Em boa parte dos casos, a mulhere engravida e a espécie humana continua existindo, com todas as suas mazelas. Bem pessimista, esse sujeito.

    • Pra mim o sexo tem data marcada? nem eu sabia dessa, acho que estou atrapalhando evolução kkkkkkkkkkkkkk

      dei um voto positivo pra vc pelo resto, 90% correto 🙂

Deixe uma resposta