Biomedicina: fraudes aumentam em estudos científicos

Segundo um novo estudo publicado (no muito respeitado e confiável) periódico Proceedings of the National Academy of Sciences, a fraude é um verdadeiro problema em publicações científicas, que aumentou no decorrer das décadas.

O estudo analisou 2.047 artigos sobre pesquisas biomédicas que datam de 1973 a hoje e que foram mais tarde desacreditados e retraídos de publicações científicas, e constatou que a maior razão para a sua retração não foram erros honestos (não propositais), mas sim fraude.

Mais de 40% das retrações foram devido à descoberta de fraude, e 23% por conta de plágio. A taxa de retrações de artigos publicados, apesar de pequena em porcentagem (cerca de 2.000 entre dezenas de milhões publicados nas últimas quatro décadas), está crescendo: aumentou cerca de 10 vezes nos últimos 37 anos.

Essa tendência é preocupante, porque mesmo um número muito pequeno de artigos fraudulentos pode acarretar enormes danos.
Por exemplo, a maior fraude mencionada no estudo é do Dr. Andrew Wakefield, um inimigo de vacinação. Seu trabalho científico falso relatava uma ligação entre autismo e vacinas, o que teve um impacto devastador sobre a saúde e o bem-estar de bebês e crianças de todo o mundo, pois as mães entraram em pânico e não quiseram vacinar seus filhos com medo deles ficarem doentes.

Apesar do artigo ter sido retraído e desacreditado, muitos ainda continuam achando que Wakefield estava certo.

Recentemente, um médico britânico, Benjamin Goldcare, denunciou uma prática da indústria farmacêutica de omitir resultados
negativos de novos remédios para vendê-los como se fossem eficazes
.

A cada ano, são testados e lançados uma infinidade de novos medicamentos. O sistema de teste e aprovação desses remédios coloca controle excessivo nas mãos dos fabricantes, de forma que eles quase sempre podem definir qual o veredicto sobre qualquer medicamento em fase de experimentos. Em busca de proteger os próprios interesses econômicos, os laboratórios farmacêuticos nem sempre liberam os remédios ao mercado com a garantia de que farão bem aos pacientes.

Esse mecanismo coloca uma série de medicamentos no mínimo ineficazes no mercado. Além de não surtirem o efeito esperado, podem ocasionar novos problemas no organismo.

Com tudo isso, nos perguntamos: até que ponto devemos confiar em pesquisas científicas e na indústria farmacêutica?

Pergunta difícil de ser respondida. Arthur Caplan, chefe da Divisão de Ética Médica do Centro Médico Langone da
Universidade de Nova York (EUA), acredita que essas denúncias são um grande passo para acreditarmos nos médicos e cientistas.

Porque eles são capazes de admitir que há fraude e “maçãs podres” em seu meio, significa que estão alertas e conscientes da necessidade de mais esforços para pará-los.

Caplan suspeita que a natureza cada vez mais competitiva da ciência, o desejo de garantir mais subsídios, patentes e patrimônios por cientistas, e a proliferação de revistas que não estão fazendo um bom trabalho de revisão são os culpados pelo aumento das fraudes.

Segundo ele, a biomedicina tem de agir para deter essa tendência crescente. Mais educação para jovens investigadores científicos, sanções mais duras para fraude, e aumento dos recursos e recompensas para revisão científica podem ajudar a interromper essa onda.[NBCNews]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Curta no Facebook:

4 respostas para “Biomedicina: fraudes aumentam em estudos científicos”

  1. Na realidade, já foram encontradas cura para varias enfermidades
    por muitos medicamentos, um exemplo ocorreu comigo, anos atrás
    surgiram verrugas, muitas em minha pele, um médico me recomendou
    a usar um medicamento homeopático chamado (Tuia) que na época foi
    eficaz, apos 32 anos começaram novamente, voltei a comprar o mesmo produto que já não fez efeito. Me parece que os labora-
    tórios não querem a cura das enfermidades, mas inventam paliativos que amenizam mas não curam, o negócio é vender os
    paliativos que dão lucro. Ai está o meu protesto.

  2. Já era tempo de publicarem uma matéria com conteúdo real a respeito do “comércio” farmaceutico! Que tem como único objetivo seus lucros! Sendo estes, às custas da saúde pública.
    Aliás, complementando minha iniciativa de comentar aqui, eu não vou a médicos e não tomos seus “venenos”.

    ” Faça que seu alimento, seu seu medicamento” Hipócrates

  3. Isso pra mim não é surpresa ,tem pesquisas que até para nós leigos parece um ”exagero demasiadamente mentiroso”;muitas das quais eu li aqui, não culpando ninguém do site ,mas sim as fraudes.

Deixe uma resposta