Cientistas descobrem o lado negro do amor

O amor machuca… outras pessoas, não apenas os parceiros românticos ou os amantes não correspondidos. Um novo estudo sugere que o amor também pode machucar terceiros que não estão envolvidos em um relacionamento.

Na pesquisa, pessoas que foram preparadas para pensar no quão loucamente elas são apaixonadas pelos seus parceiros desvalorizaram outros membros atraentes do próprio sexo, e são foram mais agressivas em relação a eles, em comparação com as pessoas que foram estimuladas a refletir sobre o sexo com outros significados.

“O amor é sem dúvida a mais positiva de todas as emoções humanas, mas também vem com um lado negro”, disse o pesquisador do estudo Jon Maner, psicólogo da Universidade Estadual da Flórida.

Em três estudos que envolveram 130 pessoas em relacionamentos longos, Maner e seus colegas descobriram que, para proteger seu próprio compromisso com o parceiro, as pessoas atacam possíveis ameaças – representadas por pessoas atraentes.

No primeiro estudo, pesquisadores pediram que estudantes em relacionamentos longos escrevessem sobre um tempo em que eles sentiram um intenso amor por seu parceiro ou um momento em que sentiram desejo sexual intenso por alguma pessoa. Em seguida, os estudantes olharam fotos de homens ou mulheres atraentes ou não. Eles tiveram que classificar o apelo do personagem, pergunta feita para avaliar os sentimentos dos participantes sobre o verdadeiro alvo do estudo – as imagens dos homens e mulheres.

Os estudantes também preencheram questionários sobre os seus níveis básicos de ciúme, respondendo perguntas como: “Qual é a probabilidade de você fazer uma visita surpresa ao seu namorado para descobrir quem está com ele?”

Os resultados mostraram que tanto os tipos ciumentos quanto os mais descontraídos avaliaram os personagens como igualmente atraentes quando pensavam no desejo sexual intenso pelo parceiro. Mas quando eles pensavam sobre o amor intenso que sentiam pelo parceiro, o tipo ciumento de repente se tornou muito mais negativo sobre outras pessoas atraentes, classificando-as como muito menos sedutoras.

Em um segundo estudo, as pessoas em relacionamentos de longo prazo refletiram sobre o seu amor ou desejo sexual por seus parceiros românticos. Mas desta vez, os participantes foram informados que iam jogar um jogo de computador com um outro participante do estudo em outra sala. Quem perdesse o jogo seria atingido com ruídos dolorosos, mas não prejudiciais, através de fones de ouvido. O vencedor teria que escolher quanto tempo e quão alto esses sons seriam.

Os pesquisadores então mostraram as fotos dos supostos parceiros de jogo dos participantes, que sempre eram atraentes e do mesmo sexo que a pessoa que participaria do experimento. Mais uma vez, pessoas ciumentas que foram lembradas de seu amor pelo seu companheiro amoroso trataram os adversários de jogo duramente, desejando explodir os seus tímpanos com passagens mais altas e mais longas de ruído.

Em um terceiro estudo, estudantes foram informados que os pesquisadores precisavam de sua ajuda para avaliar pessoas em um novo site de encontros, somente com pessoas de suas universidades. Em seguida, eles viram uma séria de perfis de pessoas “atraentes, interessantes, extrovertidas, divertidas, carinhosas” do mesmo sexo.

Estas fotos foram projetadas para serem as mais ameaçadoras possíveis. Afinal, as pessoas não só eram muito atraentes e interessantes, mas estavam à espreita de um companheiro e estudavam na mesma universidade que elas.

Desta vez, os estudantes que foram lembrados de seu amor criticaram pesadamente as pessoas cadastradas no site, as classificando como pouco atraentes, antipáticas e outros adjetivos insultuosos. Os resultados se mantiveram independentemente dos níveis de ciúme.

As pessoas apaixonadas podem colocar pessoas sedutoras em um patamar inferior. No estudo, quanto mais amor uma pessoa sentia por seu parceiro, mais negativamente ela tendia a julgar outros membros atraentes do mesmo sexo.

Mesmo quando as pessoas não eram lembradas de seu amor pelo parceiro, elas julgavam as outras de maneira negativa, sugerindo que o sentimento de ameaça provocado pelo lado negro do amor é realmente muito forte.

Os pesquisadores afirmam que pode não haver grandes diferenças entre pessoas muito ou pouco ciumentas. O que importa é o nível de ameaça. Em última análise, eles concluíram que o amor pode funcionar com um serviço de proteção das relações, para mantê-las por muito tempo. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)
Curta no Facebook:

25 respostas para “Cientistas descobrem o lado negro do amor”

  1. acho que tem que existir todo um conjunto tbm para dar certo, como auto-controle de ambos, porque simplesmente vc pode amar alguém e sentir desejo por outra pessoa. e tbmo principal de tudo tem que haver valores e respeito, se vc está em um relacionamento, memso que não goste tanto da outra pessoa tem que respeitar ela caso o contrário é sua imagem que fica suja e desmascarada. vejo que as pessoas não são ensinadas a ser honradas.

  2. Não vejo nenhum “encanto” e nenhuma “magia” no amor, pelo fato de ninguem ser unico e exclusivo para outra pessoa,ou seja, quero dizer que vc que ama e é amado, vc não é o único que a outra pessoa amaria, e sim apenas um dos muitos possíveis…por mais que a outra pessoa te ame..imagine q vcs não tivessem se conhecido..ela amaria outra pessoa claro
    …isso pra mim tira toda a graça…sei lá..acho q o ser humado poderia ser de outro jeito..mas não sei como exatamente.

  3. Até os cientistas querem entender as coisas do jeito deles, não é mesmo? Mas querendo ou não, trata-se de uma questão espiritual, e aí entra também aqueles que dominam este ponto – por sinal muito importante da humanidade… É o que penso.

  4. O amor é o mais belo dos sentimentos.Aquele que ama de verdade não tem ciume e não deseja nada de mal para a pessoa amada. Se tal não acontece é porque esse alguém ainda é muito infantil. Sim. Quando nascemos não temos nenhuma noção de solidariedade, só é nosso desejo sugar tudo à nossa volta, a começar pelo seio materno. É o amor porneia, depois vem o amor eros, o filia, do grego (philia) até chegar ao Ágape, mas este, ainda está longe de entendermos.

  5. Não esiste lado negativo do amor. O que esiste aí é uma incompreenção das partes do indivíduo que não se casa com o semelhante. O amor entra aí para descobrir o porque desta indiferença para anula-la onde surgem os conflitos que nem sempre teminam bem.
    Essa indiferença é oriunda do espírito da pessoa onde esta tem que procurar reconhece-la e elimina-la com a espiritualisação (que é um ato de amor a si e seus semelhantes).
    O problema que muitos não acreditam nisso que a causa está no espírito. Outro problema são aqueles que vão buscar a solução só com orações esquecendo da prática do perdão, onde por Deus ser o Onipotente (pode em todas as coisas)as pesoas acham que Deus tem que realizar todos os desejos que elas almejam.

  6. A preservação de um compromisso ou de uma familia faz-nos mais duros e desconfiados, sempre temos medo de perder o q já temos “vale mais um passaro na mão q dois voando”. e quem brinca c\ fogo pode se queimar”.Há um proverbio na biblia q diz “Fugi da aparencia do mal”, então, se tenho alguem q acho q amo , ñ vou despertar nele dúvidas e nem motivos p\ rompimento, prefiro me afastar da amizade q meu companheiro pode eventualmente sentir ciumes, ou q mais tarde vai pôr meus sentimentos em dúvidas, ,nunca devemos brincar c\ nossos sentimentos ou c\ os da pessoas q amamos colocando-os à provas!O tiro pode sair pela culatra.

    • Gloria, nem vou comentar o abuso de anedotas e provérbios. Provérbios são o conhecimento dos “leigos” para explicar um fato, facilitando crédito para a ideia que se quer transmitir. Ok, comentei.

      Não acho o ciúme bom em nenhuma circunstância. Se é necessário se afastar de uma amizade para preservar um relacioinamento, esse relacionamento não parece ser tão sadiado a ponto de valer a perda de uma amizade.

  7. Faz todo o sentido, depois do amor, vem o ódio, em último lugar se for o caso para isso, vem simplesmente a amizade, mas isto não é e numca foi novidade, acho que os cientistas
    por vezes como seres humanos também estão um bocadinho distraídos.
    Vamos lá ser um bocadinho honestos, não custa e não doi.

  8. o ciume é o medo de perder de ser traído
    as vezes o ciume é tanto que acaba atrapalhando o namoro
    privando um ao outro de certas liberdades
    que no final vão fazer falta ..
    agente sempre pensa que quando namoramos aquela pessoa é nossa, temos prioridades sobre ela , possessão mais oque adianta privar, morrer de ciumes se ele quiser trair vai trair e ponto final! no final das contas oq basta é confiar.

    • Penso que os dois são separados apenas por uma linha… muito tênue por sinal.

    • Por favor, me diga o que o Rousseau fala sobre isso, tenho forte tendencia em apoiar as idéias do mesmo, mas tenho pouca leitura… Pode me informar se é positivo aos resultados ou negativo?
      Obrigada.

  9. Amar é viver e deixar viver, eu já namorei e fui muito ciumenta, mas nunca coloquei adjetivos insutuosos nas mulheres que eu achava atraente, pelo contrário, as vezes até comentava, nossa se eu tivesse uma coxa dessa também exibiria!
    Acontece que quem ama de verdade responderia a um comentário desses assim: você é absurda de gostosa!
    Fim de papo.

    • Na realidade todo o ciumento tem medo de perder quem ama ,por vezes a insegurança é tanta q acaba menosprezando mesmo, mas acho que no fundo o q gostaria é de ser mais valorizado com vc comentou

Deixe uma resposta