Síndrome do Koro: o medo irracional de que os genitais estão encolhendo

Publicado em 25.09.2012

Se você ouvisse falar que alguém está internado ou morreu porque achou que seu pênis ou seios estavam encolhendo, provavelmente não acreditaria. Mas isso pode acontecer.

Essa fobia, ou medo obsessivo, é uma ilusão específica de que os órgãos genitais estão encolhendo, ou retraindo no corpo, e de que, quando eles finalmente desaparecerem, você vai morrer.

A síndrome do Koro – ou síndrome de redução genital, ou síndrome de Jinjin Bemar, ou síndrome de Suk Yeong – tem muitos nomes, porque abrange diversas culturas com línguas diferentes, mas é encontrada principalmente na China, Japão e Índia.

Especula-se que o termo “koro” venha do malaio. Supostamente, a palavra refere-se a cabeça de uma tartaruga conforme ela se “esconde” para dentro do casco. Considerando que a síndrome do Koro é a crença de que os órgãos genitais – geralmente o pênis, mas, no caso das mulheres, os seios – estão recuando para dentro do corpo, a metáfora é válida.

Segundo os médicos, a condição é puramente um distúrbio psicológico. Ou seja, os principais perigos da síndrome são
relacionados à ansiedade causada pelo medo. Consequências físicas podem advir da prática ocasional de tentar puxar os órgãos genitais e “trazê-los de volta”. Um paciente de 41 anos passou 15 anos amarrando uma corda ao redor de seu pênis e prendendo-a a um gancho acima de sua cama, à noite, a fim de evitar que ele encolhesse. Essas medidas extremas para “puxar os genitais para fora” do corpo são conhecidas por causar lesão e até morte.

Uma das coisas mais notáveis sobre a síndrome é o fato de que é quase exclusivamente encontrada em países do leste da Ásia. Os cientistas não sabem se isso é devido a alguma tendência intrínseca cultural para um tipo específico de preocupação, ou se a síndrome começou como um boato ou lenda que está sendo interpretado literalmente na região.

Segundo alguns médicos, conforme a síndrome torna-se mais conhecida nos países ocidentais, casos esporádicos têm sido registrados aqui. Porém, estes casos tendem a ser associados a outras doenças psicológicas, enquanto na Ásia a síndrome é frequentemente diagnosticada em pessoas perfeitamente saudáveis.

Diagnóstico e tratamento

São geralmente os parentes e mais próximos que percebem que a pessoa está sofrendo dessa fobia.

Na tentativa de “tratar-se”, os doentes examinam constantemente os próprios genitais, ou pedem que familiares o façam.
Também colocam talas para evitar a retração dos genitais e outras medidas do tipo.

Outros sintomas são distorção da imagem corporal, autoestima baixa, obsessão por réguas e fitas métricas, medição frequente dos órgãos genitais, inquietação, irritabilidade, depressão, pânico e ansiedade.

O aparecimento da síndrome é súbito. As causas estão geralmente relacionadas com o desequilíbrio psicológico do doente. Os que desenvolvem a síndrome normalmente possuem conflitos interpessoais, e são mais vulneráveis a pressões socioculturais (que impõe tamanhos ideais para os órgãos genitais). O boato de que os asiáticos têm pênis menores pode, portanto, colaborar para o aparecimento mais frequente da síndrome por lá.

Exposição ao frio, coito excessivo, conflitos interpessoais e pressões socioculturais, são, resumidamente, fatores que podem levar à síndrome.

Como o distúrbio é mental, o tratamento é feito através de acompanhamento psicológico. Psicoterapia pode regredir os sintomas e reajustar emocionalmente o doente. O tratamento habitual envolve também medicação antiansiedade ou antipsicótica, para ajudar o doente recuperar uma visão objetiva.[io9, DicionariodeSindromes, DiariodeBiologia, TuaSaude]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

1 comentário

Envie um comentário

Leia o post anterior:
pencil_eso_960
Foto: NGC 2736, a Nebulosa do Lápis

Com cerca de 5 anos-...

Fechar