A evolução dos contraceptivos em imagens

Por , em 30.10.2009

No quarto século antes de Cristo, Aristóteles fez a primeira menção à contracepção, ao recomendar que as mulheres “untassem a parte do ventre em que a semente cai” com azeite de oliva, para prevenir a gravidez.

Outras dicas dadas pelo filósofo para evitar a gravidez incluíam óleo de cedro, uma pomada de chumbo ou até mesmo óleos de incenso. Ele afirmava que, se o colo do útero estivesse escorregadio, a concepção seria dificultada. Os gregos da antiguidade também tentavam prevenir a concepção ao deixar a mulher de cócoras e apertando o abdômen, na tentativa de remover o sêmen da vagina.

contraceptivos

Já na Europa do século XVI, surgiram os primeiros cintos de castidade. Eles foram criados para manter a mulher sexualmente “pura”, já que o objeto impedia completamente a atividade sexual – portanto, evitando a gravidez. Os cintos tinham pequenos orifícios para a urina e as fezes, e geralmente eram feitos em apenas um tamanho, então as mulheres maiores tinham que suportar a pressão do metal. Os cintos de castidade também foram utilizados até a década de 30 para evitar que as mulheres se masturbassem.

As camisinhas

contraceptivos

As primeiras camisinhas foram usadas no século XVII para evitar a transmissão de sífilis. Embora estes sejam os primeiros registros confiáveis, existem relatos que os egípcios utilizavam membranas animais como uma espécie de proto-camisinha. O famoso mulherengo Giacomo Casanova foi um dos primeiros a utilizar a novidade como uma forma de prevenir a gravidez. Na época, as camisinhas eram feitas das vísceras de animais.

A biografia de Casanova também explica que ele tentou utilizar a casca de uma metade de um limão como uma forma primitiva de diafragma, contraceptivo que encobre a entrada do colo do útero, impedindo a fecundação do óvulo.

contraceptivos

Em 1844, o inventor estadunidense Charles Goodyear patenteou a vulcanização da borracha, que permitiu a produção em massa das camisinhas. O processo da vulcanização impedia que a borracha se tornasse grudenta com o uso. Atualmente, a maior parte das camisinhas são produzidas a partir do látex.

contraceptivos

Em 1873, o Congresso dos Estados Unidos tornou ilegal a venda de quaisquer artigos contraceptivos. Na época, o estado de Connecticut poderia punir qualquer pessoa que utilizasse meios naturais ou medicinais para evitar a gravidez com multas ou até mesmo prisão de sessenta dias a até um ano.

Métodos modernizados

contraceptivos

Muitos dos métodos contraceptivos utilizados atualmente já eram usados por mulheres há milhares de anos. Na civilização egípcia, as mulheres utilizavam esponjas com vinagre ou suco de limão para matar os espermatozóides e evitar a fecundação. Atualmente, esponjas contraceptivas são produzidas com materiais contraceptivos modernos e espermicidas químicos.

contraceptivos

No início do conservador século XX, a médica inglesa Marie Stopes levantou a bandeira para o controle de natalidade, e até escreveu um guia sobre o assunto em 1918. Nos Estados Unidos, a ativista Margaret Sanger começava um movimento semelhante, após ver a sua mãe ficar grávida 18 vezes e ter 11 partos. Sanger criou um jornal próprio, onde divulgava informações sobre o controle de natalidade e métodos contraceptivos, além de realizar um trabalho semelhante nas clínicas da sua região.

contraceptivos

Com a luta dessas mulheres e com a chegada da recessão econômica de 1929, as empresas começaram a vender produtos que serviam para a “higiene feminina”, mas que também tinham efeitos contraceptivos. Um dos produtos vendidos na época causava problemas sérios à vagina, mas foi nesta mesma época que foram criados os primeiros contraceptivos que dariam origem ao DIU. Na época, ainda não eram eficientes e também causavam problemas de saúde.

Tranqüilidade em pílulas

contraceptivos

As primeiras formulações da pílula contraceptivas foram aprovadas pelo órgão de saúde estadunidense, o FDA, em 1957, mas na época eram apenas utilizadas contra problemas menstruais e infertilidade. Em 1962, o fabricante as pílulas pediu a liberação para que as pílulas fossem usadas como forma de prevenir a gravidez indesejada. Em 1964, a pílula já era a forma mais popular de controle de natalidade nos Estados Unidos.

contraceptivos

Em 1976 o FDA aprovou a comercialização dos DIUs, e em 1992 foi colocado no mercado o primeiro hormônio injetável para prevenir a gravidez. As primeiras camisinhas femininas foram colocadas à venda em meados dos anos 90 na Europa, e vêm ficando cada vez mais baratas e confortáveis, mas ainda são uma forma menos popular de método anticoncepcional.

contraceptivos

Atualmente, várias inovações estão sendo feitas na área dos contraceptivos. Mulheres já podem usar adesivos que liberam doses diárias de hormônios e anéis vaginais que seguem o mesmo princípio. Injeções mensais de hormônio também são opções fáceis para as mulheres, assim como DIUs que funcionam por quase cinco anos. Uma empresa farmacêutica já até criou uma pílula anticoncepcional que faz com que as mulheres só tenham quatro menstruações anuais.

Outra criação mais recente para as mulheres que evitam ter filhos são as pílulas do dia seguinte, que devem ser tomadas até 72 horas após a relação sexual para prevenir uma gravidez indesejada. Este método libera uma grande quantidade de hormônios de uma vez, por isso só deve ser tomado em casos emergenciais, como quando a camisinha estoura, por exemplo. Apesar de todos os métodos alternativos e cada vez mais fáceis e confortáveis, especialistas lembram que apenas a camisinha (feminina ou masculina) impede a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis.

[Fonte: Newsweek]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

13 comentários

  • Milton Checa:

    Sim gostei muito do tema a contracepção

  • Milton Checa:

    O TEMA É LINDO SOBRE A CONTRACEPÇÃO

  • ItaloXM:

    ¬¬ uma simples notício virou briga de sexos…e é impossível saber o que é exatamente machismo porque cada pessoa pensa de modo diferente.
    Tanto homens quantos mulheres se masturbam. Tanto homens quanto mulheres são sacanas, seu perversos, são amáveis e são amigos…afinal, se a mulher fosse a unica criatura pura ela seria uma bactéria que se multiplica de forma asexuada, e se só o homem fosse puro ele também seria uma bacteria.
    O que me dá raiva é que em pleno século vinte ainda tem mulher burra que acha que o machismo é a lei do mundo e fica contra tudo e todos. E homens que pensam que são superiores ¬¬
    Afinal, quem pensa que só tem machismo ou feminismo não tem convívio social ou então é retardado.

  • Dalila:

    Que coisa mais triste essa matéria! Mas eu achei importantíssima. Tem muito homem por aí que acha que ser mulher é fácil, mas não é. Veja bem, até a década de 30 (!!!) as mulheres ainda tinham que usar CINTO DE CASTIDADE (!!!) e não podiam se MASTURBAR (!!!). Eu me pergunto, com quem os homens se satisfaziam sexualmente se não era com suas esposas? Eu sei a resposta: com prostitutas e com outros homens. A grande culpada da repressão machista contra a mulher foi a IGREJA CATÓLICA, porque mulher que gostasse de seduzir, ou que apenas fosse bonita era considerada FEITICEIRA e ia pra fogueira. Para os gregos o casamento era só um negócio e até 1900 mais ou menos, acho que para todos os homens o casamento era um negócio. Casava-se para ficar mais rico, ter herdeiros. Até hoje ainda é um negócio para algumas pessoas. As mulheres ainda estão se descobrindo. Eu entendo porque a ciência diz que mulheres são complicadas, alguns cientistas até duvidam se realmente existe prazer sexual feminino na hora do sexo. Mas por quê isso? PORQUE A SEXUALIDADE FEMININA FOI SEMPRE REPRIMIDA (e ainda é, mesmo com todos esses avanços), porque até hoje em dia existem mulheres que nunca se masturbaram, algumas não por acharem que é pecado, mas porque acham que “mulher é um ser puro, sublime, masturbação é coisa pra homens, que são animais”.

  • Alberto:

    È cada vez mais urgente, métodos para se evitar a gravidez. Até mesmo o abôrto precisa ser legalizado. Não é possível que alguns países usem este método para evitar nascimentos indesejáveis e outros não. Os que usam, vivem com qualidade de vida e tem verbas para aplicar em tecnologia os que não usam tem péssima qualidade de vida, desigualdades, preconceitos, taxa alta de mortalidade infantil, etc. e quase toda a arrecadação de impostos é desviada para manter miseráveis que se reproduzem, enchendo o país de mais miseráveis, que só fazem atravancar o progresso.
    Lembrem-se: acidentes acontecem e tem muita gente ignorante e irresponsável. Tem gente que engravida mesmo sabendo que são soropositivas. Um aborto nestes casos só faria bem a sociedade. As igrejas não assume a criação destas crianças, apenas pede que você não aborte e a criança vive em eterna miséria, com morte prematura. Onde está o crime?

  • Héstia:

    To aqui imaginando a sofrida mulher q teve uma casca de limão usada p/ tapar a canal do utero.

    Oh coitada!

  • rodrigo:

    conclusão …
    5% de crime nas ruas e 95% de crime nos hospitais

  • jorge leandro:

    é um artigo bastante esclarecedor e educativo,acredito que com o passar dos tempos vai-se evoluir mais ainda,nos tempos mais remotos imfelismante não por questão machista mas por questã de que não se tinha como comtrolar o homen (ou seu esperma)a mulher sempre ,,,lógico foi a mais sofredora,chegaremos ainda em tempos mais felizes.

  • etto salvadori:

    Li um e-mail sobre taxa de natalidade onde prega que quem mandará no mundo serão os chineses ou muçulmanos, justamente pela alta taxa de natalidade. tem algum sentido, criam mais do que coelhos, mas qual a inteligência global nessa atitude???

  • dcolombo:

    @babijaci
    na verdade ja estao sendo testadas pilulas contraceptivas para homens pois ainda tem risco de deixa-los estereis

  • babijaci:

    menos machista?????
    se fosse menos machista n teria métodos só pra mulher, com certeza já teria pelo menos uma pílula pro homem…
    sei lá.. pra deixar o espermtozóides mais devagar ou inativos enquanto tomassem o remédio..

  • Wanderson:

    Ou sofriam,né.

    Apesar dos pesares,o mundo está menos machista.

  • milk:

    meldelz, as mulheres sempre sofrem =~

Deixe seu comentário!