Astronomia, astrofísica e cosmologia: qual é a diferença?

Por , em 15.04.2013

Quando lemos um artigo a respeito do espaço, podemos não dar muita atenção ao cientista que expôs as ideias citadas. Teria sido um astrônomo, um astrofísico ou um cosmólogo? Sim, existem estes três tipos distintos de profissional, já que se tratam de três campos de conhecimento diferentes. Nem sempre fica claro, na literatura científica, o que está sob o domínio de cada campo, mas a atividade de cada um deles é muito bem especificada.

A cosmologia é considerada uma área de estudos mais abrangente. A palavra é a junção de “cosmo” (relativo ao universo, ao mundo, a tudo que existe) e “logia” (estudo). Ela estuda a origem, a estrutura e a evolução do universo, seu passado e seu futuro. Está preocupada com a linha do tempo do universo como um todo.

A astronomia é voltada não ao mecanismo geral do universo, mas aos seus funcionamentos específicos: ela estuda os corpos celestes (desde cada planeta, meteorito ou até uma galáxia inteira) e, principalmente, seus fenômenos. Está ligada a movimentações no espaço, às relações entre os componentes do cosmo. A astronomia se ocupa da previsibilidade de eventos espaciais.

A astrofísica, por fim, tem como objeto de estudo o mesmo que a astronomia (ou seja, corpos celestes e fenômenos), mas sob a ótica específica da física. Apoiado em diversas áreas do conhecimento físico, tais como a física nuclear e a mecânica quântica, o astrofísico se aprofunda em estudos que fogem da alçada do astrônomo, e vice-versa. Há estudos mais generalistas da astronomia que não fazem parte da rotina de pesquisa de um astrofísico.

Relações entre astronomia, astrofísica e cosmologia

É óbvio que estas três áreas se comunicam intensamente entre si. Boa parte dos cientistas considera a astronomia e a astrofísica como campos de conhecimento dentro da cosmologia. Esta classificação é baseada de forma “material”: a cosmologia estuda o “todo”, a astronomia e a astrofísica estudam coisas dentro deste “todo”. Alguns pesquisadores contestam tal divisão, afirmando que a cosmologia e a astrofísica é que são subcampos da astronomia.

O maior exemplo desta cooperação é um dos grandes enigmas que ocupam a ciência espacial atualmente: a busca da explicação do surgimento do universo a partir das experiências no Grande Colisor de Hádrons, ou LHC (o famoso colisor de partículas em funcionamento na Europa).

As teorias surgidas destas experiências são quase totalmente embasadas na astrofísica (tais como os conceitos de antimatéria e o bóson de Higgs), e a formulação de tais teorias é a aplicação de conhecimentos astronômicos. Mas o que as teorias pretendem responder, no fim das contas, são dúvidas fundamentais da cosmologia, já que tratam do todo. Dessa forma, cada uma das ciências colabora com as outras duas.

Este vídeo demonstra, de forma simples, o que é a cosmologia e como a astronomia e a astrofísica a constroem. [Ciência Hoje/Pormenores da Ciência/Portal São Francisco]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (7 votos, média: 5,00 de 5)

6 comentários

  • Luis Eduardo Rodrigues:

    Astrologia não preenche nenhum dos critérios para ser considerada ciência. Na verdade é pior, é uma pseudônimo-ciência, apenas picaretagem.

  • aguiarubra:

    É esquisito saber que o “todo” surgiu DO QUE NÃO ECZISTE, segundo a “sapiencia científica” do cosmólogo/astrofísico Stephen Hawking, que num programa televisivo para divulgar o que entende por “O Grande Projeto” acrescenta também que a vida NÃO TEM SENTIDO…

    O que vejo de esquisito nesse tipo de ideia de “Ciência” é que a Cosmologia, a Astrofísica e a Astronomia concluem (repito, na visão de Hawking) que seu objeto de estudo é uma grande quimera, talvez a la “Malin Genie” de Descartes…

    Sou obrigado a ‘descartar’ esse tipo de conclusão, apesar de não ter o mínimo cacife para contestar Hawking ou outros da laia dele.

  • O Contrato Social:

    astronomia = gato mudo chamado astro

  • jodeja:

    Tudo bem, e a astrologia, não estuda tudo isso e mais alguma coisa?
    Já li que antiga, muito antigamente era só uranografia, depois que passou a ser astrologia e astronomia. Embora haja quem diga que astrologia não seja ciência, tudo que a astrofísica, astronomia e cosmologia estudam a astrologia também estuda.
    Ah, há alguns milhões de séculos, eu não era humano, hoje sou. Daqui há alguns milhões de séculos, serei algo superior.

    • aguiarubra:

      Jodeja

      A Universidade de Chicago (e a PUC de São Paulo) mantem interesse permanente no estudo do contexto histórico e filosófico do nascimento e evolução das Ciências. Assim, Astrologia, Alquimia, Magia e Ocultismo não são ignoradas na disciplina História da Ciência veiculadas nessas universidades.

      A falta de perspectiva histórica no conhecimento científico é só mais um dos grandes males que faz o Brasil permanecer nos últimos lugares no ranking do P.I.S.A. e isso parece não ter mais cura no seio da sociedade, infelizmente para nós!!!

  • Andre Luis:

    Antigamente eu achava que era tudo a mesma coisa. Independente destas três linhas de estudos, são igualmente fundamentais, Eu acho que grandes astrônomos devem ter um pouco de cada, “além de seguir sua área específica.”

Deixe seu comentário!