Astrônomos acabam de descobrir o maior cometa da história

Por , em 17.07.2021

Foram detectados os primeiros sinais de atividade em um cometa gigantesco de tamanho recorde.

Os astrônomos da Nova Zelândia foram os primeiros a detectar um coma, ou zona de gás e poeira, espalhando-se ao redor do megacometa C/2014 UN271, também conhecido como Bernardinelli-Bernstein, que pode ser mil vezes mais massivo do que um cometa típico. Pode ser o cometa mais massivo já encontrado na história.

A equipe que monitora imagens capturadas pelo Observatório Las Cumbres (LCO) está espalhada pelo mundo, e imagens de um dos telescópios de um metro da LCO hospedados no Observatório Astronômico sul-africano estavam disponíveis em 23 de junho à meia-noite EDT (0400 GMT). Acontece que é tarde na Nova Zelândia.

“As outras pessoas estavam dormindo”, lembrou Michele Bannister, membro da equipe da LCO, da Universidade de Cantuária, na Nova Zelândia, em um comunicado divulgado quarta-feira (14 de julho).

À primeira vista, no entanto, ela pensou que as novas imagens eram inúteis, graças ao problema sempre presente dos satélites que atravessam o campo de visão dos telescópios.

“A primeira imagem mostrou o cometa obscurecido pelo rastro de um satélite”, continuou ela. “Mas então as outras foram claras o suficiente, e Deus: lá estava ele, definitivamente um belo ponto felpudo, não totalmente nítido como suas estrelas vizinhas.”

O que chamou a atenção de Bannister foi um coma “espumoso” emergindo a uma distância incrível do sol. Quando a imagem foi tirada, Bernardinelli-Bernstein estava a cerca de 19 unidades astronômicas (UA) do sol. (Uma UA é a distância média terra-sol – cerca de 150 milhões de quilômetros). Aproximadamente o dobro da distância orbital de Saturno do sol. Energia solar nessa distância é uma fração do que temos aqui na Terra.

Dito isto, o cometa tem muita massa disponível para aquecer. Estima-se que o enorme núcleo de Bernardinelli-Bernstein tenha mais de 100 km de diâmetro, três vezes maior que o maior núcleo de cometa — o do cometa Hale-Bopp, um famoso cometa que foi visto a olho nu, que passou pela Terra em 1998. Infelizmente para astrônomos ansiosos, no entanto, Bernardinelli-Bernstein não se aproximará muito do nosso planeta para observações.

A aproximação mais próxima de Bernardinelli-Bernstein ao sol ainda estará além de Saturno em janeiro de 2031, mas os astrônomos têm uma década para planejar a abordagem. Telescópios terráqueos e no espaço, juntamente com qualquer sonda espacial que esteja por perto, observarão o cometa para aprender o máximo possível sobre sua composição e história.

A ilustração artística mostra o distante Cometa Bernardinelli-Bernstein como poderia ser visto no sistema solar exterior. Estima-se que o cometa Bernardinelli-Bernstein seja cerca de mil vezes mais massivo do que um cometa típico, tornando-o sem dúvida o maior cometa descoberto nos tempos modernos. Tem uma órbita extremamente alongada, viajando para dentro da distante Nuvem de Oort ao longo de milhões de anos. É o cometa mais distante a ser descoberto em seu caminho de entrada. (Crédito da imagem: NOIRLab/NSF/AURA/J. da Silva)

“Agora há um grande número de pesquisas, como o Zwicky Transient Facility e o próximo Observatório Vera C. Rubin, que estão monitorando partes do céu todas as noites”, disse Tim Lister, cientista da equipe da LCO, no mesmo comunicado.

“Essas pesquisas podem fornecer alertas se um dos cometas mudar o brilho de repente”, acrescentou. “Então podemos acionar os telescópios robóticos da LCO para obter dados mais detalhados.” [Space]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!