Órgãos de um sapo vivo são devorados diante de cientistas horrorizados

Por , em 30.09.2020
cobras devoram orgãos de sapo vivo
Uma cobra kukri com a cabeça dentro do abdômen de um sapo. Observe as secreções brancas tóxicas na cabeça e nas costas do sapo. Crédito: Winai Suthanthangjai

Biólogos na Tailândia documentaram um comportamento nunca antes visto em cobras, em que répteis sem membros evisceravam e consumiam órgãos de sapos vivos.

As cobras, como regra geral, engolem suas presas inteiras, mas como uma nova pesquisa publicada na revista científica Herpetozoa mostra, a pequena cobra kukri da Tailândia é uma exceção.

Usando seus dentes frontais especializados, as cobras kukri (Oligodon fasciolatus) abrem um buraco na barriga de grandes sapos venenosos e, em seguida, inserem suas cabeças inteiras na cavidade para “arrancar e comer os órgãos um por um, enquanto a presa ainda está viva!” escreveu Henrik Bringsøe, um herpetologista amador da Dinamarca e o primeiro autor do novo estudo, em uma publicação de blog.

As cobras Kukri são de pequenas a médias e geralmente inofensivas para os humanos. Seus dentes são projetados para cortar em vez de perfurar, e são capazes de gerar grandes feridas em animais, incluindo humanos. O próprio nome “kukri” é derivado das facas kukri curvas usadas pelos soldados Gurkhas, de acordo com o estudo. Além disso, suas picadas injetam um anticoagulante que faz com que os ferimentos sangrem por horas.

Cobra devorando órgãos de um sapo vivo
Crédito: H. Bringsøe et al., 2020

A vítima é o sapo asiático de pintas negras (Duttaphrynus melanostictus), que pode chegar a 20 cm de comprimento. Eles são comuns, mas venenosos, secretando uma toxina branca das glândulas localizadas no pescoço e nas costas. Esse veneno pode ser a causa para a estratégia de alimentação extremamente incomum das cobras kukri.

Bringsøe e seus colegas testemunharam e filmaram essas cenas bizarras em três ocasiões diferentes na província de Loei, a nordeste da Tailândia. Os episódios documentados ocorreram em agosto de 2016, abril de 2020 e junho de 2020. Em algumas ocasiões os sapos tentaram resistir e se fugir, mas nenhum sobreviveu. Essas sessões não foram curtas, durando mais de “algumas horas”, dependendo de quais órgãos foram selecionados pelas cobras, escreveu Bringsøe. Um trecho do artigo descreve o caso de 2016:

A cobra usou seus dentes [frontais] alargados para cortar o lado esquerdo do abdômen logo abaixo da pata dianteira esquerda. Sua cabeça chacoalhava de um lado para o outro enquanto ela cortava a pele do sapo. Lentamente, a cobra inseriu sua cabeça no lado esquerdo do abdômen do sapo e subsequentemente retirou órgãos como fígado, coração, pulmão e parte do trato gastrointestinal… Durante o processo de retração, a cabeça foi movida em diferentes direções com a boca parcialmente aberta, permitindo que os dentes cortassem os órgãos em pedaços menores que depois eram engolidos.

Em todos os casos, as cobras se alimentaram exclusivamente dos órgãos dos sapos, deixando para trás suas carcaças vazias. Padrões de alimentação semelhantes foram observados nos outros dois exemplos, mas, como visto no segundo caso, às vezes os sapos reagiam.

Durante esta batalha, um sapo gravemente ferido foi observado lançando seu veneno “como uma névoa fina”, com parte dele caindo na cabeça da cobra, de acordo com o estudo. Isso fez com que a cobra se afastasse e esfregasse o rosto contra algumas folhas mortas e pedras para remover a toxina dos olhos e da boca. Isso aconteceu duas vezes durante a luta e, em um ponto, o sapo conseguiu escapar pulando em um lago próximo e se escondendo sob um tronco por quase 30 minutos. Mas a cobra, ao se recuperar, localizou sua presa e terminou o trabalho.

Uma cobra kukri se esfregando contra folhas e pedras para remover a toxina do sapo de seu rosto. O sapo fugiu momentaneamente mas foi recapturado mais tarde. Crédito: H. Bringsøe et al., 2020

Como observado, esse comportamento alimentar incomum pode ser uma adaptação que impede a cobra de ingerir a toxina do sapo, mas uma quarta observação complica essa hipótese. Nesse caso, uma cobra kukri adulta atacou um sapo juvenil menor pertencente à mesma espécie e o devorou por inteiro. Como os autores especulam, é possível que sapos mais jovens sejam menos tóxicos do que adultos ou que as cobras kukri sejam imunes ao veneno.

“No momento, não podemos responder a nenhuma dessas perguntas, mas continuaremos a observar e relatar essas cobras fascinantes na esperança de descobrir outros aspectos interessantes de sua biologia”, escreveu Bringsøe no blog.

Mais detalhes:

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

1 comentário

  • Fernando Supent:

    Há várias espécies de vespas do gênero Ichneumonidae que caçam aranhas e as inativam, injetam seu ovos dentro do corpo da aranha e a enterram de maneira que suas larvas ao nascerem devoram a aranha viva a devorando por dentro.

Deixe seu comentário!