Comido vivo: caracóis conseguem sobreviver à digestão de pássaros

Por , em 11.07.2011

Os cientistas fizeram uma descoberta surpreendente: caracóis são capazes de sobreviver intactos depois de serem comidos por pássaros.

O pássaro olho-branco japonês, ou mejiro, come caracóis terrestres minúsculos. Porém, os pesquisadores japoneses descobriram que 15% dos caracóis comidos sobreviviam à digestão e eram encontrados vivos nas fezes das aves.

Essa evidência sugere que aves podem ser um fator fundamental na forma como as populações de caracol se espalham.

É fato conhecido que sementes são dispersas por pássaros que comem frutas. Agora, os cientistas japoneses queriam investigar se os invertebrados também poderiam se espalhar dessa forma.

Pesquisas anteriores mostraram que os caracóis de água podiam sobreviver ao serem comidos por peixes, mas o mesmo não era conhecido para acontecer com caracóis terrestres – até o estudo da dieta das aves na ilha de Hahajima identificar a preferência do olho-branco pelo pequeno caracol terrestre Tornatellides boeningi.

Em laboratório, os cientistas alimentaram as aves com os caramujos para descobrir se algum deles sobreviveria ao processo digestivo. O resultado foi surpreendente: uma taxa elevada, cerca de 15%, ainda estavam vivos após passarem pelo intestino das aves.

Os cientistas também estudaram as diferenças genéticas das populações de T. boeningi encontradas por toda a ilha e descobriram uma variação considerável. Ao invés de acasalar apenas com caramujos nas proximidades, os resultados sugerem que diferentes populações fizeram contato apesar de seu isolamento geográfico.

A biogeografia de invertebrados terrestres, sem asas – caracóis em particular – sempre confrontava os cientistas com misteriosos padrões de dispersão de longa distância que só poderiam ser explicados por uma ajuda de aves ou ciclones.

A pesquisa concluiu que, de fato, as aves podem transportar um número substancial de caracóis terrestres em seu intestino, vivos. Um dos caracóis até deu à luz logo após passar através do intestino do pássaro.

Segundo os pesquisadores, o principal fator que permite os caramujos sobrevivam à digestão é seu pequeno tamanho. Um caracol de, em média, 2,5 milímetros se sai muito melhor do que espécies maiores estudadas anteriormente, cujas conchas foram severamente danificadas quando comidas por pássaros.

O próximo passo da pesquisa é descobrir se os caracóis minúsculos têm outras adaptações que lhes permitem sobreviver a tal passeio desagradável.[BBC]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

11 comentários

  • Clebson:

    Como se Pronuncia “Hypescience”?

  • Danilo Lopes:

    tadim do pombo

  • Barracuda:

    Isso me lembra Jonas e a baleia…

  • Tony Amorim:

    Deve ser o pior jeito de viajar… Não muito diferente de algumas companhias aéreas que eu conheço…

    • Tony Amorim:

      As de transporte por terra então, nem se fala.

  • David:

    Cara, passei a gostar mais de caracóis. A vida é fantástica.

  • vicente:

    é a vida e seus ciclos

  • JAMILY VITORIA:

    EU ODEIO ESSE ANIMAL ELE É GOSMENTO NOJENTO FEIO CREDO EU ODEIO CARACOIS NA MINHA CSA TEM UM MONTE

  • Fernando Magnus:

    Não deve ser uma experiencia nada agradavel! rs

  • Bombs:

    De qualquer forma, ser comido e defecado deve ser uma experiência que muda para sempre nosso modo de ver o mundo.

  • roberto l:

    Pelo fato do animal possuir umas das toxinas mais fortes do mundo, pode sofrer uma reação devido ao contato com o suco gástrico das aves e atuando como uma espécie de parasita, se hospedando no enteróssitos do intestino e se multiplicando. Acho que funciona desse jeito.

Deixe seu comentário!