Fórmula Um: como os carros se pareceriam se as regras não fossem tão rígidas

Por , em 30.06.2015
carros conceito da f1 (3) carros conceito da f1 (6)

Como todo bom amante da Fórmula Um, o designer holandês Andries van Overbeeke tem várias ideias que poderiam melhorar o esporte. Ele criou três carros-conceito incríveis que demonstram que a corrida poderia ser muito mais competitiva e segura.

Muitas vozes protestam

Segundo van Overbeeke, a F1 tem problemas. Por um lado, é horrivelmente cara: os principais times, como Mercedes, gastam centenas de milhões por ano para ficar na liderança, enquanto aqueles sem dinheiro, como Caterham e Marussia, caem no esquecimento.

F1 Testing In Barcelona - Day One

Em segundo lugar, as regras são muito rígidas, restringindo a inovação – um argumento demonstrado recentemente pela Ferrari com um impressionante carro-conceito de protesto.

A recente mudança para motores turbo silenciosos produziu certa indignação entre os fãs, sem mencionar os debates recorrentes e normalmente inúteis sobre os níveis específicos de potência, restrições aerodinâmicas e vida útil do pneu nos carros da F1.

Não entraremos nem no mérito das corridas chatas substituindo outras historicamente muito mais emocionantes, simplesmente por serem mais adaptadas para a televisão.

Designs inovadores

A vantagem é que, enquanto há problemas, há também uma abundância de ideias para corrigi-los (basta o pessoal da F1 querer, o que não deve acontecer em um futuro próximo).

Para explorar como o futuro da categoria mais prestigiada do automobilismo poderia ser, van Overbeeke conjurou três carros-conceito que representam a McLaren-Honda, a Red Bull e a Williams. Não só eles são decididamente diferentes, como são lindos. O que é mais impressionante é que as ideias de van Overbeeke são totalmente factíveis, porque são baseadas na realidade.

carros conceito da f1 (10) carros conceito da f1 (4) carros conceito da f1 (8)

“Não há nada sobre esses carros que não pareça possível”, diz Craig Scarborough, jornalista que comenta aspectos técnicos da F1. “Estes são realistas do ponto de vista da engenharia”.

A polêmica do cockpit

O cockpit fechado é a maior e mais fundamental mudança advogada por van Overbeeke. É uma ideia sugerida periodicamente para melhorar a segurança do piloto, que evitaria, por exemplo, a concussão de Felipe Massa em 2009 depois de ser atingido na cabeça por uma mola solta.

Andries van Overbeeke sugere como principal mudança um cockpit fechado, mais seguro

Andries van Overbeeke sugere como principal mudança um cockpit fechado, mais seguro

Uma crítica à ideia é que o resultado seria “chocantemente feio”, nas palavras do chefe da Red Bull, Christian Horner. É só dar uma olhada nos carros de van Overbeeke, no entanto, e a maioria deve concordar que ele estava errado.

Scarborough diz que existem alguns problemas técnicos menores com o cockpit fechado (como ter certeza que o piloto pode sempre escapar do carro rapidamente), mas nada insuperável.

Asas mais simples

Van Overbeeke também sugere outras mudanças práticas. Seus carros são despojados, livre de muitos dos apêndices aerodinâmicos que adicionam custo (via modelagem e testes) e complicação para o design do carro.

Se livrar das asas aerodinâmicas que adicionam custo e complexidade tornaria ultrapassagens mais comuns

Se livrar das asas aerodinâmicas que adicionam custo e complexidade tornaria ultrapassagens mais comuns

As asas dianteiras são menos complexas e delicadas do que as usadas nos carros de hoje, por exemplo. A meta é tornar a ultrapassagem mais fácil e, assim, deixar a corrida mais emocionante.

As asas dianteiras atuais são incrivelmente sofisticadas e projetadas para manter o carro no chão com as enormes velocidades, conforme explica Scarborough. Mas se chegam muito perto de outro carro, as mudanças no fluxo de ar perturbam sua aerodinâmica, tornando mais difícil de seguir em frente.

A asa mais simples e ampla produz menos força para manter o carro no chão, mas também é menos perturbada por alterações de fluxo de ar. Isso permitiria que os carros chegassem mais próximos uns dos outros, tornado a ultrapassagem mais comum. O alargamento do carro e das rodas podem ter um efeito semelhante, melhorando a aderência e permitindo que carros fiquem mais próximos. [Wired]

O alargamento do carro e das rodas também tornaria as ultrapassagens mais comuns, melhorando a aderência do carro e permitindo que ele chegasse mais próximo dos concorrentes

Carro e rodas mais largos também tornariam ultrapassagens mais comuns

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 4,00 de 5)

Deixe seu comentário!