O que faz o som das vuvuzelas tão irritante?

Após a primeira vitória do Brasil na Copa do Mundo 2010 (para quem é um ET e ainda não sabe do resultado, ganhamos da Coréia do Norte por 2×1) milhares de vuvuzelas – aquelas cornetas que estão muito populares nessa época – foram tocadas.

Se seu irmãozinho não comprou uma para atormentar todo mundo na sua casa, você já deve ter ouvido o som em algum outro lugar, e descobriu que não há palavras para descrever a chatice do barulho.

Mas porque, afinal, o som da vuvuzela é tão chato? Engenheiros acústicos responderam a essa pergunta.

O som que sai do instrumento (de tortura acústica, por assim dizer) é formado pelos lábios do “usuário” que, fazendo um barulho similar ao pum (ou, cientificamente falando, abrindo e fechando os lábios aproximadamente 235 vezes por segundo), aumenta a ressonância no cone. Se tocada por um expert a vuvuzela produz um som similar ao de um berrante, mas, na boca de torcedores fanáticos que só querem fazer barulho, o som não sai como esperado. Isso acontece porque as pessoas que não têm prática não conseguem manter o fluxo do ar e o movimento dos lábios constante.

E o som estranho obtido quando milhares de torcedores tocam suas vuvuzelas é causado pela diferença de freqüência que cada instrumento produz, também influenciado pelo “músico” que está tocando. Por isso não há um som padronizado e por isso um estádio da Copa fica soando como um enorme enxame de abelhas.

O grande volume a que uma vuvuzela pode chegar é explicado pelo formato do instrumento. Como é fino, ele produz notas mais agudas do que outros instrumentos do tipo, o que também explica a nossa sensação de que a vuvuzela é mais “gritante”.

Nossa audição é feita para se adaptar a sons persistentes. Veja o ronco do seu namorado, por exemplo: apesar de ele estar roncando, chega uma hora em que você se acostuma com o som e dorme também – apesar de ficar um período querendo afogar ele em seu travesseiro. Mas o ronco é (normalmente) um som grave.

O som da vuvuzela é chato por ser agudo, logo, nossa audição não se acostuma com ele. Como nossa audição é feita para ser um sistema de aviso (um som súbito podia significar um predador se aproximando, para nossos ancestrais), ficamos atentos a sons diferentes.

E a pergunta que não quer calar: sim, a vuvuzela prejudica a audição de quem fica exposto ao seu som por muito tempo. Como produz 116 decibéis a um metro de distância, ficar 7 segundos perto de uma vuvuzela já excede o limite de barulho que devemos suportar no ambiente de trabalho por lei. E, como uma multidão tocando vuvuzelas produz um som ainda mais forte, ficar em um estádio da Copa representa, sim, um risco para sua audição.

Na TV, normalmente, as emissoras fazem um balanço de som, para que as vuvuzelas não se sobressaiam à voz dos narradores do jogo – então quem está em casa não tem com o que se preocupar. Mas, para quem vai ao estádio, o aconselhado é levar pedaços de algodão para colocar no ouvido. [New Scientist]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Curta no Facebook:

14 respostas para “O que faz o som das vuvuzelas tão irritante?”

  1. vejam o que o RATON escreveu:
    ” Junto com o pouco futebol apresentado até agora nessa Copa do Mundo e essa tal de vunvuzela, são as coisa mais ridícula que já vi e ouvi. Ainda querem importar isso para o Brasil em (2016) ” pelo que eu saiba a copa será em 2014 mas se vc tem o poder de mudar a data meus parabens.
    ao menos os africanos tocam vuvuzelas ou vuvunzelas. ja se fosse no brasil a torcida do corinthians quebraria todo o estadio se o nosso pais caisse fora da copa e nao iria dar esse espetaculo de estadios lotados como se viu na africa pois eles tem alegria em ir ao estadio ja aqui so se ve vandalismo
    inter bi em cima do sao paulo de novo
    a sorte do fabao que ele nao ta mais no sao paulo pq senao o sobis terminava de entortar a coluna dele. nossa aquele drible foi pra desconcerta o coitado

  2. Mandy,

    Você já ouviu falar em edição de artigo já postado? Quando eu escrevi, em uma das vezes estava escrito “vuvunzelas”, sim.

    E se meu comentário foi impróprio, deveria ter sido recusado pela moderação. Tanto não foi que o artigo foi corrigido.

  3. Davi Dalben, acho que o problema não é o redator, e sim você que não sabe ler!
    Em que momento ele escreveu “vuvunzela” meu filho!?!
    Os comentários são pra comentar o conteúdo do artigo!!!
    PENSE ANTES DE ESCREVER!!

  4. Junto com o pouco futebol apresentado até agora nessa Copa do Mundo e essa tal de vunvuzela, são as coisa mais ridícula que já vi e ouvi. Ainda querem importar isso para o Brasil em 2016. A FIFA, toda poderosa, ainda aprova, mas também está levando algum com a venda dessas porcarias. Morte as vunvuzelas!!!!

  5. ´sou muito mais tcar uma vuvuzela que nem um doido durante 1:30 (e ter a audição prejudicada) do que fazer sexo por 1:30 com alguém com aids….
    prestem atenção no que estão dizendo…
    é uma vez em quatro anos… qual o problema de ouvir (e produzir) um som irrintante…
    Um dos únicos motivos na minha opinião que o brasileiro tem para se orgulhar de ser brasileiro é o futebol (vejamos por exemplo, a politica, a educação, a economia, a saude, a música, a cultura do “todo mundo rouba, porque eu vou deixar de roubar também”, nossa natureza que está sendo degradada a cada dia e poucos fazem alguma coisa para diminuir, porque parar já é impossivel, a ética, a moral que se você perguntar para qualquer um na rua o que é, uma grande maioria não vai saber dizer), então dane-se e vamos fazer barulho que nem loucos mesmo que nossa seleção tem jogado tão mal ultimamente…. 2×1 contra a coréia do norte é deprimente, mas…

  6. Pois é os africanos adoram festa e dança, mas não percebem seu entorno e o quanto se prejudicam com isso , não consgeume entender os riscos, como o caso da aids no pais e o uso de preservaivos, é a mesma coisa,

  7. Para que não curte o som das vuvuzelas, é só assistir os jogos no PC e usar um filtro de áudio que remove o barulho irritante.
    No site do BR-Linux.org é indicado programa pra remoção do barulho.

Deixe uma resposta