Estes cientistas podem ter descoberto como aumentar a longevidade em 500%

Por , em 9.01.2020

Cientistas do Laboratório Biológico MDI (EUA), do Instituto Buck de Pesquisa em Envelhecimento (EUA) e da Universidade de Nanjing (China) identificaram caminhos celulares para a longevidade que ampliaram a expectativa de vida de vermes C. elegans em cinco vezes.

C. elegans como modelo

Eu sei o que você está pensando: o que vermes nematódeos têm a ver com seres humanos?

Muita coisa. O C. elegans é comumente usado como modelo em pesquisas sobre o envelhecimento porque compartilha muitos genes com seres humanos. Além disso, sua expectativa de vida de apenas três a quatro semanas torna mais fácil para os pesquisadores acessarem os efeitos de intervenções genéticas e ambientais na longevidade.

Inclusive, os genes estudados na nova pesquisa já tinham sido alvo de análises anteriores.

“Apesar da descoberta de vias celulares que governam o envelhecimento em C. elegans, não tinha ficado claro como essas vias interagiam. Ao ajudar a caracterizar essas interações, nossos cientistas estão abrindo caminho para as terapias necessárias para aumentar a expectativa de vida de uma população que envelhece rapidamente”, disse Hermann Haller, presidente do Laboratório MDI.

O estudo

Os cientistas modificaram geneticamente as vias de sinalização da insulina e da proteína TOR em vermes.

Sabia-se que a alteração das vias da insulina gerava um aumento de 100% na vida útil, e da proteína TOR um aumento de 30%. Logo, os pesquisadores esperavam que os C. elegans mutantes vivessem 130% mais. Em vez disso, eles viveram 500% mais. Nos seres humanos, isso seria o equivalente a viver até os 400 ou 500 anos de idade.

“O efeito não é um mais um é igual a dois, é um mais um é igual a cinco. Nossas descobertas demonstram que nada na natureza existe no vácuo; para desenvolver os tratamentos antienvelhecimento mais eficazes, precisamos olhar para as redes de longevidade e não para caminhos individuais”, disse Jarod A. Rollins, do MDI.

Interação sinérgica

A descoberta dessa interação sinérgica pode levar ao desenvolvimento de terapias antienvelhecimento combinadas mais eficazes, cada uma afetando um caminho celular diferente, da mesma forma que são alguns tratamentos contra o câncer e o HIV hoje.

A interação sinérgica também pode explicar por que os cientistas nunca conseguiram identificar um único gene responsável pela longevidade, nem mesmo estudando pessoas que vivem até idades extraordinárias sem doenças relacionadas ao envelhecimento.

Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista científica Cell Reports. [Phys]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (36 votos, média: 4,97 de 5)

Deixe seu comentário!