Gorilas podem compartilhar tradições

Por , em 24.05.2011

Macacos grandes como os chimpanzés e orangotangos são conhecidos por apresentar comportamentos muitas vezes próximos aos humanos. Dentre os dotes dos primatas, está a capacidade de desenvolver macetes e compartilhá-los com seus semelhantes. Porém, como pouco se havia estudado sobre essa cultura manual dos macacos, não se sabia ao certo como se desenvolviam tais “tradições”. Um estudo agora parece trazer a resposta.

Richard Byrne, da Universidade de St Andrews, Reino Unido, e seus colegas analisaram como os gorilas em cativeiro se comportavam. Eles perceberam que os macacos apresentam uma espécie de cultura diferente quando se trata de urtigas. Os gorilas em cativeiros se protegem de picada de insetos espremendo a planta em seu corpo, diferente de membros da mesma espécie que vivem na África.

“Isso nos fascinou porque, embora os gorilas selvagens de Ruanda também escolham as urtigas como a solução para picadas de insetos, eles utilizam um mecanismo diferente”, comenta Byrne.

Você pode ver a diferença no vídeo acima. No primeiro clipe, um gorila de planícies em um cativeiro de Port Lympne, Kent, Reino Unido, arranca a urtiga do arbusto, mas não retira as folhas do galho. Então, ele esmaga as folhas, junto com o galho, e as ingere.

Já no segundo clipe, repare que o gorila selvagem das montanhas de Karisoke, Ruanda, retira apenas as folhas de urtiga, sem o caule, e depois cuidadosamente as dobra com as mãos, em vez de amassá-las, e as põe na boca.

Byrne afirma que cada grupo desenvolveu suas próprias táticas alimentares, que acabou se espalhando por todos os membros do grupo, exatamente como funciona com os seres humanos.

“O estudo ideal seria comparar apenas os gorilas selvagens com os de cativeiro, mas enquanto isso não for possível, pesquisas como esta continuarão a ser importantes”, afirma a primatologista Elizabeth Lonsdorf, do Lincoln Park Zoo, em Chicago, EUA. “Penso que ainda há muito o que descobrir sobre as habilidades de aprendizagem dos gorilas”, completa.[NewScientist]

Leia também

Deixe seu comentário!