Hubble captura melhor imagem de todas do intruso interestelar

Por , em 16.12.2019

Um cometa que surgiu de fora do nosso sistema solar foi registrado pelo Telescópio Espacial Hubble quando se aproximou do Sol no início do mês.

As últimas imagens do Hubble do cometa 2I/Borisov exibem o invasor interestelar vagando por nosso sistema solar em 8 de dezembro.

O cometa está fazendo sua única visita ao nosso sistema solar. Sua incrível velocidade de 44,7 quilômetros por segundo é grande demais para que o objeto possa ser capturado pela gravidade do sol, por isso o cometa deixará nosso sistema solar para nunca mais retornar.

O Hubble tem observado o cometa interestelar há meses. O 2I/Borisov é o segundo objeto interestelar que detectamos visitando nosso sistema solar, mas o primeiro a ser classificado como um cometa.

Um astrônomo amador da Crimeia chamado Gennady Borisov descobriu o objeto em 30 de agosto. Depois de confirmar a origem de fora de nosso sistema solar do cometa, astrônomos profissionais usaram equipamentos potentes para realizar observações mais precisas.

Uma foto do Hubble tirada em 12 de outubro exibiu o cometa 2I/Borisov a 420 milhões de quilômetros da Terra.

A imagem seguinte do Hubble, em 19 de novembro, exibiu o cometa passando a 326 milhões de quilômetros da Terra. No entanto, desta vez, o telescópio espacial capturou o cometa passando defronte a uma galáxia espiral distante, exibindo uma perspectiva verdadeiramente singular.

Finalmente, o Hubble apontou para o cometa 2I/Borisov na data de 9 de dezembro, apenas um dia após o mesmo chegar ao periélio, o ponto mais próximo do sol de sua trajetória hiperbólica. O cometa está se aproximará da Terra no final de dezembro, a uma distância de 289 milhões de quilômetros, e prosseguir sua jornada para fora do sistema solar retornando ao espaço interestelar, ou seja, a região entre as estrelas.

Mesmo o poderoso Hubble não conseguiu identificar o núcleo do cometa, que os cientistas pensam ser composto de uma mistura de gelo e poeira. No entanto eles puderam estimar que o núcleo do cometa deve ter cerca de um quilometro de diâmetro..

“Surpreendentemente, nossas imagens do Hubble mostram que seu núcleo é 15 vezes menor do que as investigações anteriores sugeriram. Nossas imagens do Hubble mostram que o raio é menor que meio quilômetro”, disse o professor de astronomia David Jewitt, da UCLA (EUA).

“Saber o tamanho é potencialmente útil para começar a estimar quão comuns esses objetos podem ser no sistema solar e em nossa galáxia”, afirmou Jewitt. “Borisov é o primeiro cometa interestelar conhecido, e gostaríamos de saber quantos outros existem.”

Observações também mostram que o cometa tem composição química similar à dos comeras que se formam aqui no nosso sistema solar.

Um outro objeto interestelar chamado ʻOumuamua, ou 1I / 2017 U1, foi descoberto em 2017, apenas semanas após fazer sua passagem mais próxima do sol. Os astrônomos confirmaram que ‘Oumuamua teve origem em outro sistema solar – o primeiro objeto interestelar já observado – e tinha uma forma alongada anômala, como um charuto, talvez um disco.

Embora os cientistas tenham observado apenas dois objetos interestelares viajando pelo nosso sistema solar, os astrônomos pensam que esses invasores são visitantes frequentes. Mas eles normalmente são escuros e se movem com uma velocidade tão alta que são difíceis de detectar. [SpaceFlight Now]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (28 votos, média: 5,00 de 5)

Deixe seu comentário!