Velocidade de dobra é mortal

Por , em 16.03.2010

O capitão Kirk vai querer evitar a velocidade de dobra da Enterprise depois dessa, a não ser que ele esteja querendo que toda a sua tripulação seja bombardeada com uma radiação letal vinda de átomos de hidrogênio.

No espaço, há apenas dois átomos de hidrogênio por centímetro cúbico, o que não causa nenhuma ameaça para espaçonaves viajando a baixas velocidades. Mas eles se tornam verdadeiras minas para uma nave que viaja a uma velocidade próxima à da luz, de acordo com cálculos baseados na Teoria da Relatividade de Einstein.

A hipótese é que a velocidade da nave seria tão alta que os átomos de hidrogênio passariam diretamente por ela, atravessando não só a Enterprise como seus tripulantes e irradiando a todos.

Físicos mostram que uma nave viajando a 99% da velocidade da luz receberia dez vezes a dose fatal de radiação para um humano. E essa não está nem perto de ser a velocidade necessária para cruzar a Via Láctea em 10 anos.

Alguns trekkers protestam, dizendo que a Enterprise teria escudos para prevenir essa radiação, mas essa é outra história.

A conclusão dos pesquisadores foi que a radiação pode ser a causa da Terra ainda não ter sido visitada por nenhuma raça de alienígenas. [MSNBC]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (5 votos, média: 3,20 de 5)

75 comentários

  • Luciano Leite Galvão:

    O fenômeno d destruição pelo hidrogênio é cálculo, mas nós já viajamos perto d velocidade d luz no hiperespaço só q protegido

  • Samuel Joao:

    Acontece que a própria “velocidade de Dobra”, cria o escudo-tempo-espacial para viajar e pular coordenadas no espaço. Pois se viajassem apenas perto a velocidade da luz, eles seriam destruidos.

    • Marcos Pacheco de Andrade:

      A não ser se o nosso corpo for modificado quimicamente. Nós teríamos ser formado de outra matéria que não fosse carbono outros componentes.

    • Cesar Grossmann:

      O que pode não ser possível. Pense na quantidade de reações que acontece no nosso corpo e que dependem de propriedades específicas do carbono, oxigênio e da água?

  • Thiago Alexandre Dos Santos:

    Só pra lembrar o povo da redação, a nave nao viaja, ela salta entre pontos, movendo o espaço ao seu redor e nao viajando como um avião pelo espaço…..

    sendo assim isto nao interfere em nada…

    caso viajasse a uma velocidade rapida assim, era melhor ainda!!!
    coloque um coletor de hidrogênio na frente da nave e ainda teria combustível infinito, completando a teoria de einstein onde precisaria de um combustível infinito para tal velocidade…

    ai está seu combustível, solto no espaço como hidrogênio, basta andar rapido para captura-los.

  • Beto Maldonado:

    É só pedir pra Nike ou pra Adidas sei lá, acho que até a Reebok consegue fazer.Efim, pede pra algum deles criar uma roupa anti-radiaçao-letal-de-hidrogenio, dai nao tem mais problemas, pode viajar pra lá e pra cá que não vai dar nada. 🙂

    Espero ter ajudado.

  • Marcelo Forest:

    Portanto, não haveria choques com os átomos de hidrogênio.

    • Lucas Noetzold:

      os atomos de hidrogênio se moveriam junto com o espaço

  • Marcelo Forest:

    Não acredito nisso, pois segundo a teoria chamada Alcubierre Drive – a nave não se moveria. Apenas o espaço se move ao redor dela. Como a nave não se move, esse princípio não viola a teoria da relatividade de Einstein – que diz que uma quantidade infinita de energia seria necessária para mover um objeto na velocidade da luz.

  • aguiarubra:

    Se os físicos mostram, então o engenheiro Scotty “des”-mostra como contornar esse “probleminha”, ainda por cima usando essa limitação para aumentar ainda mais o impulso da nave!!!

    Não é a toa que ele é cognominado, na frota estelar, de “O Fazedor de Milagres” (não esquecendo que B’ellana Torres é a ‘fazedora de milagres’ da Voyager.

    Afinal, é prá isso que servem engenheiros: embasbacar físicos, inventando modos impensáveis para quem só vive no mundo dos cálculos teóricos.

    Geordi La Forge teve a oportunidade de mostrar à Dra. Leah Brahms (engenheira também, mas “presa” a simulações de holodeck) o quanto a teoria, na prática, é outra!!!

    • Cesar Grossmann:

      Na ficção isto é muito, muito fácil. Na prática, os engenheiros até hoje não conseguiram construir um moto-contínuo, confirmando o que dizem os físicos, que tal coisa é impossível.

    • aguiarubra:

      Cesar Grossmann

      P.: “…Na prática, os engenheiros até hoje não conseguiram construir um moto-contínuo…”

      Comentário: taí uma coisa muito esquisita, mesmo! Se “certos” físicos afirmam que a energia (e matéria e espaço-tempo) surgem do nada absoluto, então pq. os engenheiros NÃO CONSEGUEM CRIAR MÁQUINAS que utilizem o príncípio do moto-contínuo?????????

      Einstein, por exemplo, considerava impossível achar utilidade para suas teorias da Relatividade! Quando Leo Szilard mostrou o quanto ele tinha se enganado, Einstein ficou pasmo com isso.

      Mas não foi o físico alemão Werner Heisenberg (Nobel em 1932 pela “formulação matricial” da Mecânica Quântica e um dos diretores do Projeto de Energia Nuclear da Alemanha Nazista), mas sim o CORPO DE ENGENHEIROS do exército americano, que sob a direção do major-general (e engenheiro do M.I.T.) Leslie Groves, levou à frente o Projeto Manhattan, fazendo do ‘impossível’ de Einstein e Heinsenberg uma terrível realidade, a da bomba A, que terminou a 2ª guerra mundial (os físicos teóricos não são bons engenheiros).

      Ora, isso é só um exemplo! Nem toquei nos nomes de “magos do impossível”, como Tomas Alva Edison (um quase analfabeto que tem 2.232 patentes) e Nikola Tesla, o ENGENHEIRO que, junto com Edison, são os grandes responsáveis pela SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (Tesla tem cerca de 700 patentes, inclusive a do Rádio, desbancando Guglielmo Marconi).

      Portanto, tendo em vista o que engenheiros do século XX já fizeram, pq. duvidar das possibilidades que terão os engenheiros dos séculos do porvir (alías, estamos na primeira quarta parte do século XXI, não é mesmo?)

    • Cesar Grossmann:

      Seria um feito interessante, aproveitar a energia do ponto zero. A gente tem uma matéria aqui no HC (Cientistas criaram energia do nada?) sobre um aparato que transforma fótons virtuais em fótons reais.

    • aguiarubra:

      Cesar Grossman

      P.: “…Seria um feito interessante, aproveitar a energia do ponto zero…”

      Comentário: taí, um desafio para engenheiros e para físicos experimentais (com “instinto engenheiro”…!!!).

      Submetidos a eles estarão o físicos teóricos, observando-os para corrigir os equacionamentos equivocados sobre o que acontece na realidade fenomênica.

      Foi assim que Einstein, instigado pelas pesquisas práticas do casal Curie, confirmou a existência do átomo (que era muito polêmica na época, apesar das descobertas sendo feitas desde 1808 com Dalton) e ultrapassou as expectativas ao elaborar suas teorias da relatividade.

      Por sua vez, Einstein “tomou um susto” com os experimentos de Otto Hahn, Enrico Fermi e Leo Szilard!!!

      Mas, de verdade, são os engenheiros é que tem a última palavra sobre a Ciência. Tanto que temos a “tecno”-ciência (tecno => engenharia + técnicos; digo técnicos pq. engenheiros não gostam muito de trabalho “braçal”…rsrsrsrs…).

  • Rafael Fernandez:

    Então ai não conta a Enterprise tem sim um escudo contra radiação

    • aguiarubra:

      São os sistemas de escudos defletores, capazes de afastar o contato com partículas de antimatéria (vide Star Trek clássico, episódio 3 da 1ª temporada: “”Where No Man Has Gone Before” e a radiação proveniente de impacto direto de uma explosão termonuclear a 100 m da nave – 2º temp. ep. 21: “Patterns of Force”, se não estou enganado).

    • Cesar Grossmann:

      Conhece o romance de FC “Tau Zero“? Vale a pena ler.

  • Jalzerio Figueira:

    Em nossos métodos arcaicos de retropropulsão , sim, mas o espaçotempo em si é anulável, não por nossa tecnologia atual. A propulsão para isto é protopropulsão. Se vc anula o espaçotempo à sua frente e o mantém anulado por um tempo o espaçotempo atrás de vc te empurra na direção onde vc anulou o espaço. nem um copo com água se balança. E o efeito da aceleração é zero. Não haveria choque algum pois tudo à sua frente não existiria até que parasse de anular o espaçotempo à sua frente. Nesta a nave saltou de zero à velocidade da luz de um ponto a outro sem sofrer os efeitos da relatividade pois ela não atravessou o espaçotempo, e os efeitos da relatividade acontecem por termos atravessado o espaço tempo, parar seria mero pulsar de espaço tempo na direção oposta. E o salto pararia… coisas para daqui a sei lá quanto tempo … Espaçotempo é propriedade da matéria; Sem materia alguma não existe espaço definido. O espaçotempo em si é quantico e anulável. VC não pode detectar em um superacelerador de partículas o que não está preparado para observar… Enterprise com seus retropropulsores é totalmente Obsoleta e ultrapassada.

    • aguiarubra:

      Jalzerio Figueira

      Isso tá mais prá série STARGATE do que prá Star Trek!

      Lembro-me que no último episódio da 2ª temporada de Star Trek Clássico, o capitão Kirk conhece Gary Seven, que foi teletransportado de 1.000 anos-luz de distância da Terra.

  • Antonio:

    Eu duvido que voces saibam de verdade o que é uma dobra espacial. A teoria da relatividade, naves na velocidade da luz etc..

    • ergon:

      Amigos vale lembrar que os maiores feitos da fisica atual incluindo a divisao do atono foi um mero acidente , portando nao ce iludao com oque a fisica ainda pode prover.

    • aguiarubra:

      ergon / 5.03.2012

      P.: “…Amigos vale lembrar que os maiores feitos da fisica atual incluindo a divisao do atono foi um mero acidente , portando nao ce iludao com oque a fisica ainda pode prover…”

      Comentário: é “mero acidente” do ponto de vista puramente racionalista, mas o que vc escreveu foi um “mero efeito” da intuição heurística do ser humano, algo que parece que foi ignorado nos pressupostos do método científico reducionista.

      Então, o que pode-se esperar da Física depende mais da irracional intuição do que dos “formulários” vigentes na pesquisa aceita como “científica” no mundo acadêmico.

      Há muitas surpresas ainda escondidas na mente humana, capaz de quebrar os paradigmas vigentes em todas as épocas!

      Até há pouco tempo, o termo “teletransporte” era coisa criada na imaginação de Gene Roddenberry!!!

      Como dizia Einstein: “…A imaginação é mais importante que o conhecimento…”. E acredito que os proponentes da Teoria das Supercordas sabem muitíssimo bem disso.

    • aguiarubra:

      Antonio

      P.: “…Eu duvido que voces saibam de verdade o que é uma dobra espacial. A teoria da relatividade, naves na velocidade da luz etc…”

      Comentário: vc tem a mais completa razão, mas em termos de “saber de verdade” eu destaco prá vc o “…etc…” que vc escreveu no seu comentário:

      No “…etc…” temos EDWARD WITTEN, físico e matemático americano (ganhou a MEDALHA FIELDS em 1990, uma espécie de prêmio Nobel da Matemática), criador da Teoria M (diz-se que o M da Teoria M é o “W” de Witten!!!), que diz que não sabe o que é A TEORIA M no documentário “O UNIVERSO ELEGANTE” de Brian Greene.

      E olha que ele é responsável pelo fato da Teoria das Cordas ter saido de um marasmo teórico que poderia tê-la enterrado de vez como teoria de unificação da física de partículas!!!

      Então, cada um de nós (inclusive Witten) só tem mesmo a “fé na Ciência” para sustentar nossos anseios de leigo…rsrsrsrs

  • Eloyr:

    A ciência está numa fase semelhante à do cão que brinca
    com a própria cauda… Por décadas à fio, cientistas
    vem procurando a tal: MATÉRIA ESCURA sem sucesso.
    >>> Afirmo-lhes que tal substância não existe.
    A TEORIA da RELATIVIDADE foi e vem sendo: ótima para
    a compreensão de muitos fenômenos científicos, porém;
    ela tbm. teve a função de: ENGESSAR o lado criativo e
    inovador da grande maioria dos pensadores atuais.
    Podemos contar nos dedos de uma mão, os que não foram
    CONTAMINADOS excessivamente, pela TGR de Einstein.
    Ex.: Stephen Hawking é um destes poucos privilegiados.

    • aguiarubra:

      Eloyr / 22.01.2012

      P.: “…A ciência está numa fase semelhante à do cão que brinca
      com a própria cauda… Por décadas à fio, cientistas
      vem procurando a tal: MATÉRIA ESCURA sem sucesso…”

      Comentário: é que matéria escura não é matéria visível (agora ganhou o adjetivo “bariônica”, pois se contrapõe ao “não-bariônico”). Também não se sabe do que é feito esse tipo de massa que não interage com nossa percepção. Afinal, a Física ainda não chegou nem perto de definir o que vem a ser o termo “massa” (assim como energia, espaço e tempo) que permanece um tema para especulações da Metafísica Cosmológica.

      P.: “…>>> Afirmo-lhes que tal substância não existe…”

      Obs.: endoço-lhe a opinião, pois “matéria escura” é, por definição, um “não-existente” necessário para balancear as equações que permitem sustentar a ideia de coesão das galáxias no Universo observado. O efeito gravitacional desse “não-existente” não pode ser descartado, pois só há 4% de matéria bariônica (incluindo buracos negros e outros astros exóticos) para explicar pq. temos galáxias e super-aglomerados de galáxias (hoje em torno de 175 bilhões).

      P.: “…A TEORIA da RELATIVIDADE foi e vem sendo: ótima para
      a compreensão de muitos fenômenos científicos,…”

      Comentário: ou seja, já deveria ter o status de “lei científica”, não é mesmo?

      P.: “…porém;
      ela tbm. teve a função de: ENGESSAR o lado criativo e
      inovador da grande maioria dos pensadores atuais…”

      Comentário: vc está redondamente enganado. As proposições da Teoria da Relatividade, aplicadas ao mundo das sub-partículas atômicas, não funcionaram de jeito nenhum! O estímulo criativo dado a este “não funcionamento” gerou toda uma celeuma entre Einstein e uns carinhas “revoltados” que eram chamados pejorativamente de ‘quânticos’.

      Einstein brigou tanto com eles que boa parte da criação da Mecânica Quântica se deve as polêmicas sustentadas por ele. Ironicamente, Einstein contribuiu muito para que se erigisse uma Teoria Quântica da realidade!!!

      Portanto:

      P.: “…Podemos contar nos dedos de uma mão, os que não foram
      CONTAMINADOS excessivamente, pela TGR de Einstein…”

      Obs.: a verdadeira contaminação que engessa ainda a Ciência contemporânea é a “burra” (= teimosia, empacamento numa ideia) insistência de certos cientistas que, em consenso, não largam O OSSO FÓSSIL DA MECÂNICA CLÁSSICA, criada por Isaac Newton (uma outra ironia, pois Newton era, antes de cientista, um místico alquimista e profundo pesquisador das professias de Daniel, que prognosticou para 2060 o próximo dia do Juizo Final…rsrsrsrs).

      Assim, enquanto se tentar “enfiar à marteladas” a Relatividade e a Quântica em ‘teorias MECÂNICAS’, não se compreenderá os novos paradigmas trazidos por Einstein e a plêiade de físicos que investigam o mundo sub-atômico.

      P.: “…Ex.: Stephen Hawking é um destes poucos privilegiados…”
      Comentário: não imagino Stephen Hawking elaborando a sua tese de que os buracos negros evaporam, dispensando a tal TGR que vc salienta como engessador da criação científica no mundo contemporâneo.

      Vc só pode estar muito equivocado com o significado do termo “privilegiado” a respeito de Hawking, pois insinua que ele não se deixou contaminar por Einstein!

      Ora, não há uma teoria de Hawking se contrapondo à Einstein, camarada! Só se tem avançado em Física com o uso dos aparatos físico-matemáticos inventados por Einstein! E não se sabe se, algum dia, Einstein possa ser superado (quem sabe, a Teoria M seja capaz de fazer isso, não é mesmo?).

    • aguiarubra:

      Complementando: “…E não se sabe se, algum dia, Einstein possa ser superado (quem sabe, a Teoria M seja capaz de fazer isso, não é mesmo?)

      Teoria M, digo, COM TGR, e não sem ela!!!

    • Cesar Grossmann:

      P.: “…A TEORIA da RELATIVIDADE foi e vem sendo: ótima para
      a compreensão de muitos fenômenos científicos,…”
      Comentário: ou seja, já deveria ter o status de “lei científica”, não é mesmo?

      Eu não acredito que eu li isto… Amiguinho, teorias não se transformam em leis. Putz, agora me caiu os butiás do bolso…

    • aguiarubra:

      Cesar Groissman

      P.: “…A TEORIA da RELATIVIDADE foi e vem sendo: ótima para
      a compreensão de muitos fenômenos científicos,…”
      Comentário: ou seja, já deveria ter o status de “lei científica”, não é mesmo?

      Eu não acredito que eu li isto… Amiguinho, teorias não se transformam em leis. Putz, agora me caiu os butiás do bolso…”

      Comentário: talvez o seu problema não seja “estar contaminado” com Mecânica Clássica, pelo menos conscientemente não!

      Então, tome consciencia de que há uma LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL que é irrefutável desde que foi estabelecida!

      Sei que há muita gente tentando “falsear” essa e outras leis da ciência, numa tentativa vã de negar a existência da realidade observável. No entanto, ninguém “desprovou” os fenômenos da gravitação , como a exposta em Newton. Alías, há indícios de que a “energia escura” seja capaz de impulsionar os astros, revertendo a gravidade “atrativa” que conhecemos, não é mesmo?

      Agora, o que me faz também cair os “bustiás do bolso” é vc ter se esquecido dos estudos de nível médio, onde apresenta-se AS LEIS DE KEPLER e AS LEIS DE NEWTON, as LEIS DA CONSERVAÇÃO DA MASSA e as da ENERGIA (como suas 3 LEIS DA TERMODINÂMICA), LEI DE AVOGRADO, LEI DE GAY-LUSSAC, LEI DE LAVOISIER, arre égua, quanta LEI…

      Hoje em dia o ENEM dispensa tudo isso, mas até há pouco tempo não se entrava numa boa universidade sem teu um PACOTE DE LEIS CIENTÍFICAS decoradas na cabeça, mermão…

      …inda mais nos ramos da exatas!!!!

    • Cesar Grossmann:

      Águiarubra, pode procurar em qualquer livro de ciências, teorias não são transformadas em leis. O que você chama de “lei da gravidade de Newton” também é conhecido como “equação”, não é uma “lei”, e não vai ser refutada, por que simplesmente é um modelo matemático, e só se aplica em situações especiais, quando não há um campo gravitacional forte ou quando as velocidades não são relativísticas.

      No caso simples da precessão do afélio de Mercúrio a teoria gravitacional de Newton não pode e não consegue explicar quantitativamente esta precessão. Foi uma das confirmações da Teoria da Relatividade, que estendeu a mecânica newtoniana.

    • aguiarubra:

      Cesar Groissman

      P.: “…Águiarubra, pode procurar em qualquer livro de ciências, teorias não são transformadas em leis…”

      Comentário: depois de Einstein, sim. Antes dele, a Física e a Quimica CLÁSSICAS

      O que você chama de “lei da gravidade de Newton” também é conhecido como “equação”, não é uma “lei”, e não vai ser refutada, por que simplesmente é um modelo matemático, e só se aplica em situações especiais, quando não há um campo gravitacional forte ou quando as velocidades não são relativísticas.
      No caso simples da precessão do afélio de Mercúrio a teoria gravitacional de Newton não pode e não consegue explicar quantitativamente esta precessão. Foi uma das confirmações da Teoria da Relatividade, que estendeu a mecânica newtoniana.

    • aguiarubra:

      Cesar Groissman

      P.: “…Águiarubra, pode procurar em qualquer livro de ciências, teorias não são transformadas em leis…”

      Comentário: depois de Einstein, sim. Antes dele, a Física e a Quimica CLÁSSICAS descobriram diversas “fórmulas matemáticas” que descreviam tão bem os fenômenos observados (sem grande tecnologia) que foram erigidas como verdadeiras leis da Natureza!

      Comparativamente, um corpo descreve uma trajetória tão perfeitamente descrita pelas “fórmulas de Newton” que, ainda hoje, a NASA (e qualquer sistema de mísseis balísticos intercontinentais) as usa para lançar naves e armas. Inclusive o programa “Mythbusters” produziu um episódio de 7ª temporada para testar a eficiência da “lei da queda dos corpos”, criada por Galileu Galilei, remodelada por Isaac Newton e aproveitada até por Einstein na elaboração TEORIA (aí, sim!) MECÂNICA DO COSMOS (mas em Galileu e Newton É LEI CIENTÍFICA)…!!!!!!!!!!!!

      Não sei pq. eu tenho que ficar explicando uma coisa que vc TÁ CARECA DE SABER. Estou mesmo estupidificado com isso! Vou conversar com meu professor de Filosofia para entender melhor esse “fenômeno”, essa “cegueira” numa mente científica tão privilegiada como a sua (pelo que tenho observado aqui no Hypescience).

      P.: “…O que você chama de “lei da gravidade de Newton” também é conhecido como “equação”, não é uma “lei”, e não vai ser refutada, por que simplesmente é um modelo matemático,…”

      Comentário: simplesmente não compreendo o que acontece contigo, aqui, nesta frase.

      Fico até com vergonha ao imaginar que vc está tratando as LEIS DE NEWTON como se fosse uma “RELAÇÃO DE EULER” ou uma “REGRA DE TRÊS SIMPLES” ou um “TEOREMA DE PITÁGORAS” e quejandos da educação básica!!!

      Eu sei que vc não é nenhum colegiando e SABE QUE atrás de uma “equação” (??????? equação = fórmula?????) há um calhamaço de páginas e mais páginas de ‘semiótica matemática superior’ (operações de cálculo diferencial e integral) para sustentar aquelas “formulinhas mnemônicas” que aprende-se no nível médio, sem saber de onde vem ou prá que realmente serve!

      Um “pequeno” exemplo é A OBRA “PHILOSOPHIE NATURALIS PRINCIPIA MATHEMATICA, onde Newton escreve 3 VOLUMES para fundamentar matematicamente (e FUNDAR o usa de Matemática NA ANTIGA FILOSOFIA NATURAL – que após Newton passou a ser, apenas, A FÍSICA!!!) as LEIS DA MECÂNICA CLÁSSICA!!!

      Até hoje, permanecem como leis científicas ABSOLUTAS, quando não estão sendo aplicadas aos campos de estudo específicos das mecânicas Relativística e Quântica.

      Não procure “falsear” a LEI DA QUEDA DOS CORPOS”, por exemplo, pulando sem paraquedas um penhasco, pois ela IRREFUTAVELMENTE e FATALMENTE irá descrever quanto tempo vc vai levar prá se esborrachar no chão

      P.: “…e só se aplica em situações especiais…”

      Comentário: frase sem sentido. A Mecânica Clássica se refere ao que GERALMENTE e UNIVERSALMENTE se dá nas condições cotidianas e “normais”, para seres vivos, que observamos nos planetas de nosso sistema solar.

      As circunstâncias para a aplicabilidade da Mecânica Clássica não as mesmas para os seres viventes dentro do Sol ou para seres viventes tão minúsculos quanto átomos, se é que vc me entendeu!

      P.: “…quando não há um campo gravitacional forte ou quando as velocidades não são relativísticas…”

      Comentário: COM CERTEZA, a Mecânica Clássica não descreve situações muito próximas de estrelas ou no interior delas, nem em grandes eventos (bem raros) como supernovas (e buracos negros, aos quais por muito tempo se duvidou da sua existência).

      Também a Mecânica Clássica não é adequada para fenômenos no interior dos átomos, mesmo não havendo grandes gravidades a serem consideradas ou velocidades como 99% da luz. São campos de aplicação completamente diferentes.

      P.: “…No caso simples da precessão do afélio de Mercúrio a teoria gravitacional de Newton não pode e não consegue explicar quantitativamente esta precessão. Foi uma das confirmações da Teoria da Relatividade, que estendeu a mecânica newtoniana…”

      Comentário: desculpe, camarada, mas é mesmo incrível pensar que vc insinua, nessa frase, que TODOS OS PLANETAS são como Mercúrio e um ou outro segue Newton, quando, pelo contrário, Mercúrio é EXCEÇÃO, importantíssimo para Einstein mas IRRELEVANTE para DESBANCAR A GRAVITAÇÃO UNIVERSAL de seu status de LEI CIENTÍFICA!!!

      “…A Teoria da Gravitação Universal de Einstein tomou o lugar da de Newton, mas as maçãs não permaneceram suspensas no ar, aguardando o resultado…”. Stephen Jay Gould.

      Não se enviou uma nave à Lua usando as equações de Einstein para movimentos muito próximos a velocidade da luz. Pelo menos até inventarem a propulsão usando dobra espacial, Newton ainda manda na Astronáutica contemporânea.

      Não sei pq. a Relatividade não passou à “Lei da Ciência”, mesmo após ter desvendado os mistérios da trajetória excêntrica de Mercúrio ou dos fenômenos da radiação observadas e estudadas pelo casal Curie ou do combustível usado no Sol para originar tanto calor (a “teoria” das florestas em chama, nessa época, era muito “falseável” – rsrsrs – para ser aceita como “fato real”).

      Ora, SÓ na Mecânica Clássica E NA Química Clássica temos LEIS DA CIÊNCIA (na Biologia, as descobertas de Darwin ainda são “teóricas”. Na Cosmologia científica, o Big Bang ainda é “teórico”)

      Na Mecânica Relativistica e Quântica temos TEORIAS (esperando serem leis ou, pior, sendo tratadas como LEIS sem o ser, por causa do sucesso empírico) e MODELOS “DEPENDENTES” DE MATEMÁTICA, pois assim é o MODELO-PADRÃO DA FÍSICA DE PARTÍCULAS, uma “coisa matemática”, ainda que confirmada pela descoberta do BÓSON DE HIGGS…

      Pergunto-me se, com o bóson de Higgs, as teorias quânticas serão mais do que o princípio de exclusão de Pauli ou o princípio de Incerteza de Heisenberg ou a da eletrodinâmica quântica, que até deu o Prémio Nobel da Física em 1965 para Richard Feynman…mas ainda não é “Lei”…

      De qualquer maneira, há algo de podre nos reinos da Ciência contemporânea: não há “leis” pq. ainda há dúvidas nas teorias ou pq. as consequencias filosóficas da Relatividade ou da Quântica exigem uma mudança de paradigma inaceitável diante da “boa e velha” Mecânica Newtoniana, um verdadeiro “deus” que não arreda o pé de suas “verdades eternas” e dogmas absolutos.

    • aguiarubra:

      Cesar Groissmann

      Acho que achei algo que explica sua “cegueira”…e a minha também!!!

      Vide: “Eduardo Giannetti – Há pensamento sério no Brasil? – Parte 3”
      http://www.youtube.com/watch?v=LOR08e4Hg-o

    • Cesar Grossmann:

      Aguairubra, a Teoria Gravitacional de Isaac Newton só recebeu o nome de “Lei da Gravidade” por que foi feita no século 17. Hoje em dia a Teoria Gravitacional de Einstein substituiu totalmente a newtoniana, a qual permanece apenas como caso especial da teoria einsteniana. Você parece mistificado pela palavra “lei”, aposta à frente do trabalho de Newton em uma época em que os cientistas esperavem encontrar “leis da natureza”, de entender “a mente do legislador” e outras relíquias filosóficas da época.

      E quanto a Mercúrio, ele realmente é a excessão, aquela que mostra que o trabalho de Newton não é universal como alguns querem que seja, mas só se aplica em uma situação especial, a saber, quando estamos tratando de velocidades, distâncias e massas pequenos.

      Para mandar um foguete para a Lua, como você mesmo aponta, se usa a mecânica newtoniana, por que ela funciona bem, a margem de erro que se assume ao usar este modelo da realidade não é grande o suficiente para colocar em risco a missão.

      A Teoria da Relatividade não passou e nunca vai passar ao status de “lei” por que não é mais assim que se faz na ciência. Já foi, mas a ciência é feita por humanos, e humanos erram, e em vez de ter uma palavra como “lei” mistificando as mentes mais fracas, achando que alguma coisa feita pelos homens está escrita em pedra e é a verdade mais absoluta, usa-se a palavra “teoria”, para enfatizar o caráter de transitoriedade do conhecimento humano.

      Por isto, e só por isto, a Teoria da Evolução não será transformada em “Lei da Evolução”, ou a Teoria Gravitacional de Einstein não será transformada em “Lei da Gravidade de Einstein”, por mais que ela tenha sido comprovada (e foi).

      Uma curiosidade, a relatividade einsteniana utiliza a transformação de Lorentz, que poderia ser chamada de Lei de Lorentz, mas não é. A filosofia da ciência moderna tem horror da palavra “lei”, justamente por que ela engessou as mentes das pessoas em achar que um conhecimento não pode ser questionado, por que é “lei”. Como a “Lei da Gravidade de Newton”…

    • aguiarubra:

      Cesar Groissman

      P.: “…Aguairubra, a Teoria Gravitacional de Isaac Newton só recebeu o nome de “Lei da Gravidade” por que foi feita no século 17…”

      Obs.: confere.

      P.: “…Hoje em dia a Teoria Gravitacional de Einstein substituiu totalmente a newtoniana, a qual permanece apenas como caso especial da teoria einsteniana…”

      Obs.: “substituir” não é o mesmo que “eliminar”. Elimine as Leis de Newton (ou outras leis da Ciência Clássica) e vc não terá mais “teorias” pós-clássica ou mesmo qualquer coisa parecida com “Ciência”. A Ciência não se faz destruindo os passos anteriores, mas acopla o que foi constituido como “lei” para engendrar novas teorias!

      P.: “…Você parece mistificado pela palavra “lei”…”

      Comentário: sim, quem me mistificou antes de tudo foi a série “Universo Mecânico”, produzida pelo Caltech e transmitida pela TV Cultura na década de 1980. Quem me mistificou foram 5 obras de Richard Feynmam nas quais esta série está baseada. Fui mistificado, também, no curso de História da Ciência, da PUC (com pós-doutores formados na Universidade de Chicago) na qual minha esposa se fez especialista (lato sensu). Cara, estou perplexo consigo!

      Ok, então tá, sou mistico…fazer o quê?

      P.: “…aposta à frente do trabalho de Newton em uma época em que os cientistas esperavem encontrar “leis da natureza”, de entender “a mente do legislador” e outras relíquias filosóficas da época…”

      Comentário: na wikipédia, verbete “Lei (científica)” pode-se ler a seguinte barbaridade: “…Ademais do seu status de “lei”, esta, como qualquer outra hipótese, deve ser e o é necessariamente falseável, no sentido de que pode ser refutada, tanto logica como experimentalmente, apesar de, como o próprio status a qual faz jus indica, esperar-se que isto seja muito improvável ou mesmo, por limite, impossível de ocorrer…”

      Nessa base, “falsear” as Leis da Ciência (qualquer uma) implica, de fato, que qualquer coisa pode acontecer e “Jeannie é um Gênio” ou “A Feiticeira” deixam de ser ficção para entretenimento e podem ser realidades qualquer dia desses!

      Nesse verbete da wikipedia há referências a obra de Stephen Hawking “O Grande Projeto”. Ridículo, pois nunca Hawking propôs defenestrar as leis da Ciência clássica em nome das teorias da Nova Física pós Einstein.

      Parece-me, diante do que vc disse, que há no “núcleo duro” do fisicalismo ateu a possibilidade de reaparecerem, remodeladas e aprofundadas ainda mais, o espiritualismo religioso em todas as suas formas.

      Eu me coloco ao lado das fontes de informação do Caltech e da Universidade de Chicago, camarada.

      Mas não deixo de ficar contente por observar, através de vc, que realmente o fisicalismo está “picaretando” os próprios fundamentos em que se diz basear…em nome da Ciência!!!…rsrsrsrs…

    • Cesar Grossmann:

      Você é bom em construir espantalhos e então derrotar eles… Transforma “mistificado” em “místico”, mistura e confunde tudo. Acho que a discussão aqui já superou a sua capacidade de compreender alguma coisa.

    • aguiarubra:

      Cesar Grossmann / 9.10.2013

      P.: “…Você é bom em construir espantalhos e então derrotar eles…”

      Comentário: mas eu preciso melhorar muito isso!

      P.: “…Transforma “mistificado” em “místico”, mistura e confunde tudo…”

      Comentário: para não perder tempo em discussões inúteis, recomendo-lhe ler “O NOME SECRETO”, de Lin Yutang, que traz uma reflexão sobre a “novilingua” que começou a se instalar na U.R.S.S. ao tempo de Stalin.

      Se quiser encurtar a leitura, assista ao filme “1984” (baseada no livro “1984” de George Orwell), que traz na ficção a realidade vivida por Lin Yutang.

      Achar que a Ciência não tem mais fundamentos firmes (leis) em que se apoiar, e mesmo assim continuar chamando-a de “Ciência”, isso sim é confundir tudo: dá razão aos religiosos que enxergam “fé” na Ciência dos niilistas ateus.

      Não recomendo-lhe ler “A Lógica da Pesquisa Científica”, de Karl Popper, pois se vc não o leu, não conhece o significado do termo “Ciência” em geral ou em particular.
      Se leu, então vc é que está mistificado com a vertente neo-ateista, capitaneada por Richard Dawking & quejandos (incluindo Stephen Hawking) engajados numa estapafúrdia empreitada niilista à serviço da ideologia neoliberal. Vide: artigo de 07/10/2013: “Materialismo torna mais difícil lidar com traumas” – Quando as coisas ficam difíceis, os materialistas vão às compras. Leia mais.

      P.: “…Acho que a discussão aqui já superou a sua capacidade de compreender alguma coisa…”

      Comentário: deixo-lhe a seguinte frase de Lin Yutang

      “…O mundo hoje é dividido em fumantes e não fumantes. É certo que os fumantes causam alguns incômodos aos não-fumantes, mas tal incômodo é físico, ao passo que o incômodo que os não-fumantes causam aos fumadores é espiritual…”.

  • marcelo:

    hum, mesmo se o casco da nave fosse de titanium teria esse problema?

  • Ciro:

    alguem leu Miguel Alcubierre então ja sabe que no campo da teoria e possivel, se não sabem os Drs. Gerald Cleaver e Richard Obousy da universidade de Baylor, no Reino Unido ja aceitam essa hipótese.

    agora não me vem com Albert Einstein, quando ele teorizou sua relativiadade se que exitia um modelo atomico, Max Plack foi muito mais inportate para fisica que Alfred, seu modelo de quantans e a base para a fisica de particula agora tente explicar um quark e o hipotetico boson de higs pela teoria de Einstein.

  • Evaldo Saraiva:

    ERRATA: – Publicação 15.
    Segundo parágrafo, flexão da palavra “pensamento” para “pensamentos”

  • Evaldo Saraiva:

    Este assunto de Dobra Espacial me fascina, antes de começar a me aprofundar no tema
    o meu conhecimento apenas me levala para as reais possibilidades de alcançarmos os limites
    do nosso Sistema solar, enquanto vivéssemos e por mais que vivéssemos, dadas as limitações físicas
    e tecnológicas sob as quais vivemos.

    O universo quando imaginado atravez do conhecimento de um simples mortal traz a angústia do
    infinito e do imensurável, deixando a nossa mente girando no vazio de fundamento cujas respostas
    imaginamos virem somente do Criador.

    Sabemos ainda que se não houvesse limitações físicas para viajarmos até a velocidade da luz, ainda
    assim levariámos um século para sairmos da nossa galáxia.

    Se outros seres viajantes do espaço nos alcançam de fato, com toda a certeza,
    dominam uma tecnologia semelhante a essa que agora ficcionamos.

    Se não existem seres dotados dessa tecnologia, capaz de dobrar o espaço/tempo
    e tendemos a dominar a ciência que irá criá-la, muito em breve
    poderemos afirmar que outros seres serão encontrados de fato, por nós terremos, terminando ai
    a nossa angústia, ultrapassando as fronteiras do conhecimento, esquecendo a física, alcançando
    a paz absoluta, muito perto de Deus.

    Evaldo Saraiva.

  • Paulo:

    O rafael esta certo, se a nave dobrar o tecido do espaço naum vai sofrer nenhuma radiação.

  • Fernando:

    Não pude evitar de comentar. esta matéria esta um tanto incompleta

    Primeiramente a nave em questão durante o seriado utiliza dois componentes para evitar tais problemas

    1 Campos de compensação inerciais. Compensação gravimetrica para evitar danos recorrentes por grandes acelerações.

    2 Defletor de navegação. Campo projetado com uso especifico de repelir particulas e campos nocivos à navegação e manuseio da nave durante o uso da propulsão de dobra.

    E quanto ao conceito de dobra.Na verdade a dobra é a torção do espaço, ou seja, a nave mantém sua velocidade e o espaço se dobra, assim encurtando efetivamente a duração da viagem.

    • aguiarubra:

      Este artigo ignora peremptóriamente a consultoria do M.I.T. perpassando as versões de Star Trek que se sucederam à série clássica.

      Escrevem que: “…Alguns trekkers protestam, dizendo que a Enterprise teria escudos para prevenir essa radiação, mas essa é outra história…”

      Isso de “outra história” pertence à dimensão dos físicos que ainda não largaram da concepção newtoniana da realidade, apesar de estarmos em tempos quântico-relativistas!!!

  • marcos:

    “É tenue a linha que separa a ficção da ciência”

    …pra que vou tentar convencer você se posso estar errado.

  • julio:

    É tudo ciência. Veja o celular, por exemplo. Não é, por acaso, o comunicador deles? E o teletransporte? Na Europa já fazem teste com moléculas. E o no último Star Trek o russo Chekov descreve uma “singularidade”,ou seja, um buraco negro.
    Portanto, este também é um lugar de se discutir Star Trek (Jornada nas Estrelas), meu caro, Davi Dalben.

  • xxx:

    Velocidade de dobra é mortal. putz

    Vou pensar nisto da proxima vez que for de férias a Andromeda…

  • Ruben Zevallos Jr.:

    Muito que as ficção cria tem motivado cientistas a fazerem igual… é claro que Star Trek foi algo concebido totalmente na mente do Gene Rodenberry com o foco em reduzir os custos… tudo foi criado com esta justificativa, Dobra, Teletransporte, Tradutores, forma humanoide etc. O engraçado é que milhões de pessoas, fãs ou não, tem procurado fazer tais coisas verdade… vejam os computadores, discos de 3 1/4″ etc.

    Penso que antes da dobra temos ai outras possibilidades, como o hiperespaço e os buracos de milhoca.

    Entendam… Julio Verne escreveu várias estórias impossíveis para a época, mas poucas foram as que ainda não fazem parte do nosso dia-a-dia.

    • aguiarubra:

      “…A Imaginação é mais importante que o conhecimento…” (Albert Einstein)

    • Cesar Grossmann:

      É curioso citarem Einstein neste contexto: Einstein usou a imaginação e os conhecimentos que tinha para chegar à conclusão que um corpo material não pode ser acelerado até a velocidade da luz, e a partir disto ele criou toda uma teoria da relatividade, superando a Relatividade de Galileu.

      Einstein usou a imaginação para encontrar um limite que a Realidade Física impõe sobre o Universo. E encontrou uma série de implicações que deixam embasbacados todos que se dão conta das consequências das mesmas: não há um sistema de referências absoluto, o Universo não tem bordas nem centro (não há ponto de referência privilegiado), tempo e espaço são relativos e dependem da energia, a energia pode se comportar como matéria e causar distorção do tecido do espaço-tempo, e dois gêmeos terão idades diferentes ao se encontrarem novamente se um deles for viajar por alguns anos em altas velocidades.

      Agora, todo mundo que tece elogios à imaginação einsteniana consegue rejeitar sem nem pensar muito todas as conquistas desta imaginação.

    • aguiarubra:

      Cesar Groissman

      P.: “…Agora, todo mundo que tece elogios à imaginação einsteniana consegue rejeitar sem nem pensar muito todas as conquistas desta imaginação…”

      Destaco: “…TODAS as conquistas desta imaginação…”
      Comentário: se vc está fazendo referência a “TODAS”, não deveria ter se esquecido que:

      —> Einstein não acreditava na Mecânica Quântica e SUSTENTOU grandes debates com NIELS BOHR, criando o PARADOXO EPR para demonstrar a impossibilidade dela (e o GATO DE SCHROEDINGER apareceu para “ajudar” Einstein a derrubar a chamada “Interpretação de Copenhagen” da Mecânica Quântica, entendida como “mística”. Por “Copenhagen” entenda-se a cooperação entre Nierls Bohr e Werner Heisenberg que trabalharam nessa interpretação na cidade de Copenhagen).

      —> Einstein, aplicando a Relatividade Geral ao Universo, concluiu que pelo “Estado Estacionário” e contrapõem-se à Teoria do Big-Bang introduzindo uma “constante cosmológica” para sustentar matematicamente sua ideia. Foi um erro que ele lamentou, mas não estava vivo na década de 1990 para vê-la aplicado na “Energia Escura”.

      —> Para Einstein, os “Buracos Negros” eram incríveis demais para serem levados a sério. Aliás, bombas atômicas (e usinas nucleares!) eram também outros exemplos de impossibilidades para ele.

      Mas esses “erros” de Einstein não se devem a sua imaginação, mas a seus “conhecimentos”!!! Talvez por isso ele tenha dito:

      “…Minhas ideias levaram as pessoas a reexaminar a física de Newton. Naturalmente alguém um dia irá reexaminar minhas próprias ideias. Se isto não acontecer haverá uma falha grosseira em algum lugar…”

      Quanto a imaginação, ele experimentou o que disse em:

      “…A imaginação é mais importante que o conhecimento. O conhecimento é limitado. A imaginação envolve o mundo…”

      Pois é, o conhecimento é limitado e provoca limitações no individuo. Einstein morreu horrorizado com a hecatombe causada por armas de destruição de massa que se basearam na sua equação de equivalencia entre massa e energia.

      Einstein nunca reconheceu as possibilidades da Mecânica Quantica e deve ter ficado muita acabrunhado quando Werner Heinsenberg ganhou o Premio Nobel de Física de 1932 pela criação dela!

      Einstein teve que reconhecer publicamente seu grande erro a respeito da real expansão do Universo!

      O “conhecimento de Einstein” não lhe trouxe os dividendos merecidos, pois ele ganhou um Nobel de Física pela sua descoberta do “efeito fotoelétrico”, pois não poderia tê-la ganhado diretamente pela elaboração das Teorias da Relatividade. Ironicamento, o “Efeito Fotoelétrico” foi o impulsionador que inaugurou o PESADELO DE EINSTEIN, que foi o aparecimento da Física Quântica no mundo acadêmico.

      Quem sabe se isso o fez escrever que: “…”Não existe nenhum caminho lógico para a descoberta das leis elementares do universo – o único caminho é o da intuição…”.

      INTUIÇÃO e IMAGINAÇÃO: com essas capacidades ele fez surgir uma NOVA FÍSICA no mundo contemporâneo. Com o crescimento do “conhecimento”, Einstein foi percebendo o aumento de obstáculos a suas possibilidades de inovar as ideias. Tanto que, até a sua morte, ele não conseguiu elaborar uma “Teoria do Campo Unificado” que acabasse com as celeumas por ele vividas. Assim, ele concluiu que:

      “…”No campo daqueles que procuram a verdade, não existe nenhuma autoridade humana. Todo aquele que se fizer de magistrado encontrará imediatamente a risada dos deuses…”

      “…No esforço para compreender a realidade, somos como um homem tentando entender o mecanismo de um relógio fechado. Ele vê o mostrador e os ponteiros, ouve o seu tique-taque mas não tem meios para abrir a caixa. Se esse homem for habilidoso, poderá imaginar um mecanismo responsável pelos fatos que observa, mas nunca poderá ficar completamente seguro de que sua hipótese seja a única possível…”

    • Cesar Grossmann:

      Continua sendo impossível um corpo material ser acelerado até a velocidade da luz.

  • Davi Dalben:

    Putz! Num site que tem “science” no nome, uma discussão sobre Star Trek! Tô pensando em remover meu e-mail da newsletter, se é que isso é possível…

    É claro que Kirk pularia para a velocidade de dobra. Se ele faz isso no seriado, é porque a proteção contra essa radiação já foi conseguida há muito tempo. Para ser mais exato, o primeiro salto para velocidade de dobra foi dado por Zefram Cochrane pilotando a nave Phoenix em 2063. Ou seja, os cientistas têm 50 anos para criar o campo de força que protegeria a nave das fatais partículas de hidrogênio.

    Ah! E para quem espera pela visita dos ETs, saiba que foi só a partir do sucesso de Cochrane que os vulcanos se interessaram por nós. Antes disso, éramos considerados uma raça pouco avançada para merecermos atenção.

    Mas decidam se vão assistir Star Trek ou comentar notícias sobre ciência antes de colocarem alguma coisa no site, ok?

    • Luan:

      Mas cara, o foco aqui não foi star trek, ele foi meio que um “exemplo”. O tema foi a velocidade de dobra e o motor de dobra que realmente são estudados pela ciência, mais especificamente, pelos físicos teóricos.

    • aguiarubra:

      Davi Dalben

      Vc deveria escrever para Stephen Hawking censurando por ter participado de dois episódios de Star Trek.

      Aproveita prá criticar Lawrence Krauss por ter “perdido tempo e latim” escrevendo “A Física de Jornada nas Estrelas” para os trekkers de todo o mundo!

      E peça prá NASA e para o MIT EXPULSAREM TODOS OS CONSULTORES que ousaram “dar palpites” nas várias versões dessa série “nada séria” prá vc, ok?

      Garanto-lhe que não sobrará quase ninguém da nova geração de cientístas que trabalham por lá, onde vários deles dizem ter adoração por Star Trek.

  • Gargwlas:

    onde vc leu isso que a 1 dobra é igual 1 ano luz??

    de jeito nenhum, esta sabendo muito pouco de star trek meu amigo

    quanto ao post.. se existe uma raça por ae que consegue fazer o WARP porque não conseguiria resolver um problema menor de radiação??

  • julio:

    Numa viagem de dobra espacial a nave não percorre a distância entre os dois pontos. As forças físicas empregadas por ela para esta viagem fazem com que o espaço seja curvado fazendo com que o ponto A (ou inicial) “encoste” no ponto B (final), daí o nome “Dobra”. O espaço é dobrado ou curvado pelas forças físicas da astronave…
    entenderam?

  • Julio:

    A pouco tempo atrás a possibilidade de um computador quantico era viagem na maionese de uns poucos aficcionados por ficção cientifica, hoje já testam prototipos.
    A ciencia avança quando encontra obstaculos, cientistas gostam de desafios. E pode-se dizer que se a teoria permitir velocidade de dobra os obstaculos para sua realização serão superados.

  • Gabriel:

    acho que numa série de FICÇÃO-científica isso nem faz tanta diferença 🙂

  • ERICSON PUIKOW:

    corrigindo , o tempo passa mais rápido na terra.

  • ERICSON PUIKOW:

    Boas, a palavra “DOBRA” para a velocidade, é apenas um recurso do dublador que na época (anos 60) ao dublar os episódios, tinha que dublar, a palavra “WARP” dita pelos personagens, e a palavra que coube na dublagem foi dobra para coincidir com os movimentos da boca, (curiosodade trek) não confundir com dobra do espaço/tempo (buraco de minhoca no popular), que em tese, “cortaria caminho entre um ponto e outro.
    A matemática já provou se possivel a viagem no tempo, porém somente para o futuro, sendo que deve-se viajar por um determinado tempo na velocidade da luz ou mais, e ao voltar para a terra o tempo aqui teria passado com uma velocidade 3 vezes menor, por fatores gravitacionais, Exemplo, 10 anos no espaço a velocidade da luz, 30 anos na terra.
    abraços

    • Ludley Neto:

      Desculpe mais voce esta equivocado.
      A equação de Dobra é v / c = Warp ^ (10 / 3) + (10 – Warp) ^ (-11 / 3)

      Dobra 9,5 é bem mais que umas 3.000 vezes a velocidade da luz.

    • aguiarubra:

      E na série “VOYAGER”, o Tenente Perris avisa que esta nave pode atingir dobra 9,975 que equivale a 6 bilhões de km/s, ou seja, percorre um ano-luz em pouco menos que 1/2 hora!!!

      Deve-se considerar que acima da dobra 9 essa equação não vale mais, pois a dobra 10 significaria que a velocidade é infinita. Tem-se, então, o conceito de “Transdobra”, onde a USS VOYAGER atingiria transdobra 47.

      Veja mais no verbete da wikipédia: Dobra Espacial – as observações sobre “O Limite de Warp 10” http://pt.wikipedia.org/wiki/Dobra_espacial#O_Limite_de_Warp_10

      Vale lembrar que os series da dimensão “Q” utilizam-se de um efeito “não-local” ou “entrelaçamento quântico” para seus deslocamentos instantâneos pelo Universo (vide na wikipédia: Paradoxo EPR ).

  • websurffer:

    Foi engraçado ler os comentários.
    Velocidade de dobra, warp, é coisa do mundo ficcional de star trek, só isso.

    Do ponto de vista da série star trek, velocidade de dobra é igual 1x velocidade da luz. A Enterprise da série The Next Generation pode chegar a Warp 9.5 ( quase estourando os motores ), ou seja, 9.5 x a velocidade da luz.

    • aguiarubra:

      websurffer

      Dá uma “surfada” no verbete da wikipédia: “Dobra Espacial”, para ler o seguinte:

      Cálculo do Warp Drive[editar]

      Em todo o enredo de TOS (The Original Serie – A Série Original), a velocidade de Warp é regida pela equação: v = c x Warp ^ (10/3), v é a velocidade da nave e c a Constante, velocidade da luz e Warp é a velocidade de dobra desejada. Ou seja, quando o capitão Kirk ordena dobra 6, significa que a nave viajará a cerca de 392 vezes a velocidade da luz:

      Velocidade Warp—-Vezes Velocidade da Luz—-km/h
      1 1 1.080.000.000
      2 10 10.800.000.000
      3 39 42.120.000.000
      4 102 110.160.000.000
      5 214 231.120.000.000
      6 392 423.360.000.000
      7 656 708.480.000.000
      8 1024 1.105.920.000.000
      9 1516 1.637.280.000.000
      Nota: c = 300.000 km/s

      P.: “…Foi engraçado ler os comentários.
      Velocidade de dobra, warp, é coisa do mundo ficcional de star trek, só isso…”

      Comentário: os marinheiros do século XIV deveriam ter essa ideia quando ouviam comentários de que Colombo pretendia chegar à India indo para o oeste! Afinal, ele iria cair nas bordas de uma “Terra Plana”, um local chamado de “fim de mundo”, não é mesmo?

      Enquanto se pensar que velocidades acima da constante “c” não são possíveis, pois Einstein achou a verdade “absoluta” em suas teorias da relatividade, jamais conseguiremos sair do Sistema Solar e explorar o Universo no tempo permissível à existência da raça humana.

      Mas Einstein mesmo já avisou que “…Minhas ideias levaram as pessoas a reexaminar a física de Newton. Naturalmente alguém um dia irá reexaminar minhas próprias ideias. Se isto não acontecer haverá uma falha grosseira em algum lugar…”.

    • aguiarubra:

      de 392 vezes a velocidade da luz:
      Velocidade Warp…….. Vezes Velocidade da Luz…….. km/h
      1………………………… 1…………………. 1.080.000.000
      2………………………… 10………………… 10.800.000.000
      3………………………… 39………………… 42.120.000.000
      4………………………… 102………………..110.160.000.000
      5………………………… 214………………..231.120.000.000
      6………………………… 392………………..423.360.000.000
      7………………………… 656………………..708.480.000.000
      8…………………………1024………………1.105.920.000.000
      9…………………………1516………………1.637.280.000.000

      Nota: c = 300.000 km/s

  • Carolina Gastao:

    Não acredito que isso seja um motivo para não termos recebido ainda uma visita alienígena, pois quem garante que a radiação seria prejudicial para seres de outros planetas? Não podemos compará-los conosco, e muito menos achar que nunca fizeram uma visita a nós.

  • Oráculo:

    Então né…..

    ahahahha

    seria mais fácil viajar multiplos de “C”, velocidade da luz, em um tunel de minhoca.. quem sabe assim, poderíamos cmonhecer não só esta bolha espacial em que vivemos, mas outros “espaços”, já que existem “multiversos”….

  • Ruben Zevallos Jr.:

    O motor de dobra cria um envelope ao redor da nave e o que a movimenta é o motor e impulso… o motor de impulso move a nave rapidamente, mas não tão rápido ao ponto de chegar a velocidade da luz… a dobra faz que a nave chegue rapidamente ao destino sem passar pelos problemas que temos quando nos movimentamos perto da velocidade da luz… quando acontece a distorção temporal.

    Penso que tais discussões deveriam na realidade levar em conta a física normal… uma nave para se movimentar no espaço precisa detalhes como:
    – Proteção contra os raios cósmicos que são letais;
    – Proteção contra a aceleração e desaceleração repentina (se acontecer)
    – Proteção contra moléculas, poeira e até grandes corpos que possam estar fluando a frente da nave…

    As naves de Star Trek como outras tem ítens para tais proteções… como escudos de força, abafadores de inercia, bem como reforçadores de integridade da estrutura.

    Acredito quando o homem conseguir entender bem tais coisas, como no livro do Isaac Isimov, quando eles pediram para um robô finalizar a equação do hiper espaço….

  • Reginaldo:

    Não sei se algum leitor deste site, ja teve contato com o simulador Captain Chair, la é recriada a situação dentro das pontes das varias Enterprises, e nos controles de voo, a velocidade de dobra so é ativada apos ativar um campo anti radiação, logo Kirk iria sim saltar para dobra varias e varias vezes, pois seu pessoal estaria em segurança

    vida longa a todso

  • dankas:

    Sim, a viagem de dobra não coloca a enterprise nem sequer próxima a velocidade da luz… qualquer viagem proxima a velocidade da luz é impossivel, a menos que não haja inercia…

  • Rafael:

    Realmente, a dobra espacial é uma curvatura do espaço-tempo ao redor da nave, onde o próprio espaço-tempo é que se desloca. É formada uma especie de bolha ao redor da nave. É essa bolha que se desloca e não a nave. Sendo assim, S.M.J. a nave não estaria sequer próxima da velocidade da luz quando observada interna à bolha, mas para alguem fora da bolha, a nave estaria em velocidades bem altas (quem sabe acima da velocidade da luz). Creio que o hidrogênio seria desviado da nave pela própria bolha em vista da curvatura do espaço-tempo formada.

  • Denommus:

    Bem, isso seria hiperespaço ou viagem por buraco de minhoca, até onde sei.

    Velocidade de dobra é, realmente, viagem acima da velocidade da luz.

  • Fabius:

    Eu acredito que tudo na natureza existe como se prevenir

    Assim como todo veneno tem seu antídoto, deve haver algum tipo de tecnologia ou elemento que quebre esse efeito do hidrogenio. Só é um questão de tempo (e sorte) para alguém descobrir algum tipo de escudo =)

  • Douglas:

    eu sou leigo nesta materia
    mais
    em uma viagem de dobra nao se chega a velocidade da luz
    na verdade vc faz um buraco no espaço, nao é?
    o ponto mais curto entre um ponto e outro nao é uma reta é o proprio ponto
    seria iqual dobrar um papel

    porem nao seria muito dificil criar um escudo anti-radiaçao

Deixe seu comentário!