Detonando as teorias da conspiração do homem na lua

Publicado em 19.07.2009

homem na lua

O recente aniversário de 40 anos do homem na lua lembra que ainda há céticos sobre este assunto que não acreditam que termos visitado nosso satélite natural, e alegam que tem provas disso.

As seguintes razões foram oferecidas como provas de que os pousos na Lua, que começaram com a aterrissagem da Apollo 11 em 20 de Julho de 1969, foram falsos. Veja como elas foram detonadas.

1. Quando os astronautas estão colocando a bandeira dos EUA, ela ondula. Mas não há vento na Lua.

A bandeira está sendo segurada por uma barra horizontal para permanecer estendida e simplesmente se move quando é desdobrada e enquanto o mastro está sendo fixado na posição correta pelos astronautas. O mastro da bandeira é leve, de alumínio flexível e continua a vibrar depois que os astronautas o soltam, dando a impressão de estar sendo soprado pelo vento.

2. Nenhuma estrela é visível nas fotos tiradas pelos astronautas da Apollo da superfície da Lua.

O pouso da Apollo aconteceu durante a manhã lunar, com o Sol brilhando intensamente. O tempo de exposição das câmeras é configurado para ser muito rápido não deixando que muita luz entre e ofusque detalhes. As estrelas, embora sejam visíveis a olho nu na Lua, não são brilhantes o bastante para serem capturadas nas fotografias na manhã lunar.

3. Nenhuma cratera causada por impacto é vista nas fotos tiradas do módulo de aterrissagem lunar.

O módulo de aterrissagem toca rocha sólida, coberta por uma fina camada de poeira lunar, então não há razão para criar uma cratera com impactos. Mesmo que o chão fosse menos sólido, a quantidade de pressão produzida pelo motor nesse momento da aterrissagem e decolagem é muito pequena comparada a uma aterrissagem na Terra por causa da relativa falta de puxão gravitacional.

4. O módulo de aterrissagem pesa 17 toneladas e mesmo assim pousa sobre areia sem deixar marcas. Perto dele, as pegadas dos astronautas podem ser vistas na areia.

A camada de areia poeira é bem fina, então o módulo de aterrissagem pousa em rocha sólida. A poeira, enquanto soprada para longe pelo impacto da descida, rapidamente retorna ao chão e é pisada pelos astronautas quando eles começam a caminhar na Lua.

5. As pegadas na fina camada de poeira lunar, sem umidade ou atmosfera ou forte gravidade, são inesperadamente bem preservadas, como se feitas em areia molhada.

A falta de vento na Lua significa que as pegada em fina e seca poeira lunar não são sopradas para longe como aconteceria se fossem feitas em substâncias semelhantes na Terra. Além do mais já foi provado que a areia lunar no vácuo se agrega de maneira diferente que a areia da praia.

6. Quando o módulo de aterrissagem decola da superfície da Lua, não há uma chama visível saindo do foguete.

Os foguetes no módulo de aterrissagem são movidos por combustível que contém uma combinação de hidrazina com tetróxido de dinitrogênio, que queima sem chama visível.

7. Se acelerado o filme dos astronautas andando na superfície da Lua, eles parecem ter sido filmados na Terra e então colocados em câmera lenta.

O melhor jeito de responder é: um pouco, mas na verdade não.

8. Os astronautas não poderiam ter sobrevivido à viagem por causa da exposição à radiação do Cinto de Radiação de Van Allen.

Essa afirmação é baseada em grande parte na alegação de um cosmonauta russo. O pequeno tempo que é necessário para cruzar o cinto, combinado com a proteção da espaçonave, significa que a exposição à radiação seria muito baixa.

9. As rochas trazidas da Lua são idênticas às rochas coletadas por cientistas em expedições para a Antártida.

Algumas pedras lunares já foram encontradas na Terra, mas elas estão todas chamuscadas e oxidadas pela sua entrada na atmosfera da Terra e asteróides. Geólogos confirmaram com completa certeza que as rochas da Apollo foram trazidas da Lua pelo homem.

10. Todas as seis aterrissagens na Lua aconteceram durante a administração Nixon. Nenhum outro líder nacional afirmou ter levado astronautas à Lua, apesar dos 40 anos de rápido desenvolvimento tecnológico.

Essa é uma favorita entre os teóricos da conspiração porque não precisa de provas mas acusa a presidência de Richard Nixon, um presidente sabidamente corrupto. O fato é que após as aterrissagens da Apollo, a corrida foi ganha e o dinheiro se acabou. A União Soviética não tinha interesse em chegar em segundo e políticos de ambos os lados perceberam que missões de órbita tinham potencial comercial e militar muito maior.

Bônus: A nova sonda espacial fotografou o equipamento humano deixado na lua

missoes lunares lro

Isso mesmo! Há pouco tempo a sonda LRO fotografou equipamento deixado na lua por várias missões humanas, como você pode ver acima.

[Telegraph]

Autor: Cezar Ribas

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

353 Comentários

  1. Senhor Cesar Grossmann,
    Gostei muito das suas explicações.
    Desculpe se eu fui um chato, mas acho que duvidar é algo saudável na busca da verdade.
    Só uma observação:
    “…O LHC acelera prótons a energias de 7 TeV. Bem menos que os 10 MeV que o CVA acelera seus prótons,…”
    Se eu não estou enganado, a ordem de grandeza “TERA” é 1.000.000 de vezes maior que a grandeza “MEGA”…
    Acho que o senhor se equivocou na notação científica mencionada.
    É só isso.
    A sua equipe conquistou mais um fã.
    Cordiais abraços a todos.

    Thumb up 2
  2. Sr. Cesar Grossmann,
    Se não foi possível falsificar os vídeos da missão Apollo-11, como você afirma, então VOU TER QUE CONSIDERAR QUE AS IMAGENS DO LINK ABAIXO,SÃO NO MÍNIMO, AUTÊNTICAS.
    Que imagens são essas?
    http://www.youtube.com/watch?v=_ecBbSIdBKI
    Simulação para treinamento dos astronautas?
    O CENÁRIO É O MESMO DAS FILMAGENS ORIGINAIS da NASA, da missão Apollo-11.
    E pra quem não sabe, a NASA simplesmente PERDEU TODOS OS ARQUIVOS ORIGINAIS DA MAIOR CONQUISTA DA HUMANIDADE!!!
    Muito conveniente, não?

    Thumb up 1
    • [quote]a NASA simplesmente PERDEU TODOS OS ARQUIVOS ORIGINAIS DA MAIOR CONQUISTA DA HUMANIDADE!!![/quote]

      Mas que conversa fiada. Os caras têm toneladas de videos/fotos/amostras. O projeto Apollo é, de fato, um dos eventos mais bem documentados da história da humanidade.

      http://www.youtube.com/watch?v=2WgkkYIoaE0

      Thumb up 3
    • É muito fácil encontrar uma pessoa burra. Veja só, você se acha o espertão ao dizer que o pouso na Lua é falso.

      Porém, você é tão burro que usa como prova, um vídeo de comédia sobre o pouso da Apollo. Essa cena de um refletor caindo no set de filmagem saiu recentemente na internet. O autor do seu vídeo ainda fez questão de editar o vídeo e fazer um efeito de envelhecimento para parecer datado de 1969.

      Ou seja, no final das contas você está sendo enganado! Assim como todos os conspiracionistas que caem nessa historinha de farsa.

      Thumb up 3
    • Por que você “tem que considerar” as imagens autênticas? Em 1:27 começa um trecho de um vídeo que foi feito por uma empresa de marketing que estava experimentando o conceito de “marketing viral”. Só por este simples motivo dá para saber que todo o vídeo é fajuto. Como o “moontruth” foi feito em 2002, o vídeo acima foi montado depois.

      Alguns instantes antes aparece um cenário com a bandeira flutuando no vento. Aí aparece outra dica claríssima que se trata de um vídeo fajuto, basta você pegar as fotos em que aparece a bandeira no site ApolloArchive.com e comparar com o trecho de vídeo em questão. A bandeira que aparece nas fotos TEM A MESMA RUGA NO MESMO LUGAR O TEMPO TODO. A bandeira do vídeo está lisinha, balançando de um jeito que só uma bandeira no vento balança (na Lua, sem atmosfera, a bandeira executa um movimento pendular quando é balançada pelo astronauta).

      Depois aparecem um monte de imagens, algumas que eu identifiquei como sendo da missão Apollo, e a última é alguma coisa sobre “não ter exaustão de foguete”. O que é uma prova de tremenda ignorância. Por que deveria haver “exaustão” visível, se a queima era completa e a chama azul-claro?

      Quanto a haver simulações dos pousos e atividades que foram feitas na Lua, nada mais normal, a NASA não manda astronautas para o espaço sem que eles tenham treinado exaustivamente todos os procedimentos possíveis e imagináveis em Terra, usando simuladores e cenários o mais realistas possíveis. São horas e horas treinando acoplamentos, desacoplamentos, partidas, pousos, procedimentos de emergência, rotação, manutenção de equipamento no espaço, verificações de controles, e por aí vai. O treinamento dos astronautas que vão trabalhar em microgravidade é feito em tanques de água para simular a imponderabilidade. E eles também treinaram a coleta de amostras usando os trajes espaciais e o equipamento que foi utilizado na Lua.

      Eles pensaram em quase tudo, haviam toneladas de manuais com roteiros para fazer as coisas dentro da nave que eles tinham que estudar e praticar. E mesmo assim, quando aconteceu o acidente com a Apolo 13 eles verificaram que algumas situações não haviam sido cobertas.

      Thumb up 1
    • Uma observação, você está comparando dois vídeos feitos em condições diferentes. O vídeo da missão para a Lua foi feito em 1969, e, com a tecnologia de 1969, não se poderia forjar os vídeos e fotos da missão. Hoje seria simples forjar um vídeo usando tecnologias disponíveis HOJE, mas como você faria para um filme feito HOJE ser apresentado em 1969? Só se a viagem no tempo já existisse…

      Thumb up 0
  3. Engraçado que a sonda lunar LRO enviou recentemente fotos em alta resolução da Lua, mas quando é foto da bandeira e das pegadas dos astronautas a resolução é ultra-baixa.
    Por que será?
    A resposta é simples:
    Como tirar uma fotografia de alta resolução de algo que nunca esteve na Lua mas somente em estúdio?

    Thumb up 0
    • Falcão, quem disse que a fotografia em que aparecem as pegadas, e os trilhos de pegadas dos astronautas, é de resolução ultra-baixa? Você conhece o equipamento utilizado para fazer as fotos?

      Da Wikipedia em inglês: A LROC (Lunar Reconnaissance Orbiter Camera) é capaz de fazer medidas para a certificação de locais de pouso e iluminação polar. São duas câmeras de ângulo pequeno (NAC) e uma câmera de ângulo grande (WAC). A LROC voou várias vezes sobre os locais históricos de pouso das Apolo a 50 km de altitude. Com a alta resolução da câmera, os rovers e módulos de decida, bem como respectivas sombras, são claramente visíveis, junto com outros equipamentos deixados na Lua. A missão está retornando entre 70 e 100 terabytes de imagens.

      Ou seja, as fotos são feitas com câmeras de alta resolução a 50 km de altitude.

      Thumb up 1
  4. A sonda espacial LRO foi lançada em 2009.
    Há apenas 04 anos atrás.
    Já a qualidade da foto é da década de 1950, he he he.
    Não entendo essas diferenças.
    A tecnologia envolvida pra construir um satélite artificial é atual, mas a tecnologia das máquinas fotográficas utilizadas nas missões espaciais (tripuladas ou não) parece que é da década de 40.
    Como é que pode?

    Thumb up 0
    • De qual máquina fotográfica você está falando?

      Thumb up 0
  5. Alguém por acaso conseguiu distinguir alguma coisa na foto da Apollo 14?
    Distingui algumas setas apontando para algumas manchas.
    E só.
    Não é possivel ver nada nessa foto.
    E quer que tomemos esta foto como comprovação irrefutável da ida do homem à Lua.

    Thumb up 0
    • Bom, Falcão, acho que você precisa fazer um curso de identificação de artefatos em fotos. De qualquer forma, é claramente visível a trilha de pegadas dos astronautas e a sombra do módulo lunar.

      Mas para quem tem má vontade, uma foto assim é uma foto impossível de entender, e uma foto com a resolução pedida vai ser descartada como “obviamente foi photoshop”.

      Uma coisa é ser cético, outra coisa bem diferente é não aceitar os fatos de jeito nenhum.

      Thumb up 1
  6. sr. Cesar Grossman,
    Quando o senhor não consegue refutar um argumento ou você não responde ou coloca em dúvida quem questionou.
    Será que pelo fato do senhor ser um Iniciado, não acaba influenciando em suas argumentações?

    Thumb up 0
  7. “Cara, a temperatura no solo lunar tem quase nada a ver com a temperatura do filme dentro da câmera. Sem atmosfera para fazer a transferência térmica por convecção, sem a câmara se colocada no solo para faze a transferência por transmissão, a câmera só pode receber ou perder calor por irradiação, e neste caso é mais fácil ela aquecer no sol do que esfriar na sombra, e para tanto, bastou pintar de uma cor clara a câmera.
    Puxa, isto é termodinâmica que se aprende no ensino básico (transferência de calor, e fatores que influem esta transferência), por que é tão difícil compreender que o filme nunca foi submetido às temperaturas extremas do solo lunar?”

    O Sr. Cesar Grossman falou sobre termodinâmica, mas esqueceu de citar a diferença de coeficiente térmico dos materiais utilizados. A diferença na velocidade de transmissão do calor nos materiais varia de acordo com o coeficiente térmico do material.

    Thumb up 0
    • Falcão, para haver CONDUÇÃO de calor, tem que haver CONTATO. Em outras palavras, tem que esfregar a câmera no chão quente (ou gelado) e deixar ela lá por um tempo para que ocorra transferência de calor por CONDUÇÃO. É assim que o calor se transmite diretamente. Se não tem contato, não se fala em transmissão de calor, pelo menos não por condução. E se não há atmosfera, também não se fala em convecção.

      O que sobra?

      Transmissão de calor por radiação. E, neste caso, o coeficiente térmico se submete a outro coeficiente, o de absorção da radiação. E este depende do acabamento e da cor do objeto. Objetos claros refletem mais do que absorvem, objetos escuros absorvem mais do que refletem. Para proteger a câmera no ambiente lunar, o primeiro passo é pintar de branco ou pratear a mesma. E foi o que fizeram. Não fizeram mais do que isso por que não seria necessário. Não precisariam ter mais cuidado com a câmera do que teriam aqui na Terra: não deixar exposta ao Sol por longos períodos de tempo.

      Lembrando que a troca de calor por radiação é a mais lenta que tem.

      Mas se você acha que eu estou errado, por favor, corrija-me. Mostre onde entra o coeficiente térmico neste esquema.

      Thumb up 0
  8. Sr. Cesar Grossman,
    o senhor disse, em um comentário, que a variação térmica no solo lunar vai de -153 °C a +170°C, correto?
    Mas se não há atmosfera para reter ou dissipar a temperatura ambiente, como o senhor garante que os equipamentos levados pra Lua não atingiram essas temperaturas?
    E quando eu digo equipamentos, inclua a máquina fotográfica e os filmes fotográficos.

    Thumb up 0
    • Você convenientemente amputou a minha explicação.

      O calor se transmite por condução, convecção e por radiação. Eu não falei nada sobre reter ou dissipar temperatura ambiente, e a expressão “temperatura ambiente” é invenção sua. Estamos falando de temperatura do solo.

      Sem atmosfera, o calor não se transmite por convecção. Ou seja, não tem atmosfera para absorver calor do solo mais quente e levar para a câmera mais fria, ou o contrário, para roubar calor da câmera e perder ele no solo.

      Sem contato direto do equipamento com o solo lunar, o calor não se transmite por condução. Ou seja, se não colocar a câmera no chão, ela não vai entrar em contato com o solo e não vai atingir o equilíbrio térmico por transmissão.

      Sobra radiação. E para diminuir a absorção de calor por radiação é necessário apenas pintar a câmera de branco ou deixar ela prateada.

      Eventualmente a câmera atinge o equilíbrio térmico com o solo, mesmo que seja apenas por radiação, mas isto leva bem mais tempo do que por condução ou convecção, que já vimos que não acontece. Tanto tempo que dá para fazer as fotos e levar a câmera para dentro da nave, que está protegida por mylar e por isto tem a temperatura mais estável.

      Thumb up 0
  9. Em 12 de abril de 1961, o cosmonauta Yuri Gagarin dava uma volta completa ao redor do planeta Terra, em órbita terrestre.
    A antiga União Soviética gravou o feito com câmeras de boa resolução.
    Pra que ninguém no mundo duvidasse dessa conquista.
    Em 1961 a qualidade das filmagens já era considerável.
    Bem nítidas por sinal. (Pra quem duvida, é só ver os vídeos que a antiga URSS fez em 1961, do primeiro vôo em órbita terrestre.)
    Então apenas 08 anos depois, os Estados Unidos da América conseguiram realizar uma missão, no mínimo, 100 vezes mais difícil e perigosa que essa.
    O Projeto da Maior Conquista da Humanidade.
    Enviar o homem para a Lua.
    Se esta conquista americana (a mais importante da humanidade) foi 100 ou 1000 vezes mais importante, porque as filmagens da missão Apollo-11 tem uma qualidade de imagem tão baixa?
    A tecnologia americana não era superior a dos soviéticos?
    O cuidado e esmero que os soviéticos/russos tiveram com as filmagens do vôo pioneiro do cosmonauta Yuri Gagarin é perceptível.
    Já a NASA, pra quem não sabe, CONVENIENTEMENTE PERDEU TODAS AS FILMAGENS ORIGINAIS DA MAIOR CONQUISTA DA HUMANIDADE!!!

    Thumb up 0
    • E onde estão as imagens da missão Vostok-1 de ‘alta resolução’?

      Outra coisa, transmitir um sinal de TV da superfície da Lua é uma coisa bem diferente de transmitir da órbita baixa da Terra. Usaram radiotelescópios da Austrália e da Espanha para ajudar a manter a Apollo sempre em contato.

      Finalmente, tirando o fato que a gente perdeu as imagens de melhor resolução, as imagens que foram transmitidas para o resto do mundo não foram perdidas. Você pode acessar elas em vários sites, como o YouTube, ou então o ApolloArchive.

      A propósito, você sabe quais os modelos de câmeras fotográficas e de vídeo usadas nas missões Apollo? Sabe como foi transmitido o sinal da Lua para a Terra? Faz alguma ideia do pesadelo de engenharia que foi garantir estas transmissões ao vivo?

      Thumb up 0
  10. O Cinturão de Van Allen é uma região onde ocorrem vários fenômenos atmosféricos devido a concentrações de partículas no campo magnético terrestre, descobertas em 1958 por James Van Allen.
    As radiações de Van Allen não ocorrem, salvo em raras exceções, nos pólos, e sim na região equatorial. Estas formam dois cinturões em forma de anéis, com centro no equador.
    O mais interno se estende entre as altitudes de mil e cinco mil quilômetros, sua intensidade máxima ocorrendo em média aos três mil quilômetros. CONSISTE DE PRÓTONS ALTAMENTE ENERGÉTICOS, que se originam pelo decaimento de nêutrons produzidos quando raios cósmicos vindos do espaço exterior colidem com átomos e moléculas da atmosfera terrestre. Parte dos nêutrons é ejetada para fora da atmosfera e se desintegra em prótons e elétrons ao atravessar esta região do cinturão. Essas partículas se movem em trajetórias espirais ao longo de linhas de força do campo magnético terrestre.
    O segundo cinturão, que fica situado entre 15.000 e 25.000 km, contém partículas eletricamente carregadas de origem tanto atmosférica quanto solar. São principalmente ÍONS HÉLIO trazidos pelo vento solar. AS PARTÍCULAS MAIS ENERGÉTICAS DESTE SEGUNDO CINTURÃO SÃO ELÉTRONS CUJA ENERGIA ATINGE VÁRIAS CENTENAS DE MILHARES DE ELÉTRONS-VOLT. Os prótons são muito menos energéticos do que os do primeiro cinturão, porém seu fluxo é mais intenso.
    Via de regra, não existe entre os dois cinturões uma delimitação; eles fundem-se em altitudes variáveis. Durante os períodos de intensa atividade solar, grande parte das partículas eletricamente carregadas vindas do Sol consegue romper a barreira formada pelos cinturões de radiação de Van Allen. Ao atingir a alta atmosfera produzem os fenômenos de auroras polares e as tempestades magnéticas.

    E recentemente descobriu-se que esses Cinturões de Radiação aceleram partículas (prótons, elétrons, nêutrons e íons) a mais de 99% da velocidade da luz.

    Minha dúvida é a seguinte (tem outras também):
    Se o LHC (Grande Colisor de Hádrons) do CERN (Comitê Europeu de Pesquisas Nucleares) acelerou APENAS DOIS átomos de ouro à 99% da velocidade da luz e foi necessário uma blindagem de alguns metros de espessura para conter a radiação produzida, qual a espessura da blindagem necessária para proteger um astronauta num local onde zilhões de partículas são aceleradas ao mesmo tempo e mais rápido que no LHC?

    Thumb up 0
    • Se o LHC (Grande Colisor de Hádrons) do CERN (Comitê Europeu de Pesquisas Nucleares) acelerou APENAS DOIS átomos de ouro à 99% da velocidade da luz e foi necessário uma blindagem de alguns metros de espessura para conter a radiação produzida, qual a espessura da blindagem necessária para proteger um astronauta num local onde zilhões de partículas são aceleradas ao mesmo tempo e mais rápido que no LHC?

      Dois átomos de ouro? Pensei que o LHC tinha dois feixes de prótons. E que ele tinha a blindagem para manter o vácuo e a baixa temperatura, além dos fortíssimos campos magnéticos para guiar os feixes de prótons. Será que eu estou tão errado assim sobre o LHC? Ou será que você não sabe do que está falando?

      Comparando o LHC com o CVA (Cinturão de Van Allen). O LHC acelera prótons a energias de 7 TeV. Bem menos que os 10 MeV que o CVA acelera seus prótons, ou os 10 a 100 MeV dos elétrons do cinturão externo.

      Sobre a radiação do CVA, um raio-X normal representa uma dose de 20 mili Rem ou 20 mRem (tem uma explicação sobre isso no link acima). Viver perto da costa implica em uma dose de 300 mRem. Os astronautas das Apolo cruzaram os CVA em meia hora, sendo submetidos à dose semelhante à dos astronautas da Estação Espacial Internacional, em uma semana passando periodicamente pela Anomalia do Atlântico Sul, ou 230 mRem, menos do que a dose a que é submetido quem mora na praia. Uma dose letal é de 300 Rads/hora.

      Eu descobri isto tudo em 10 minutos de Google. Quer que eu te ensine a usar o Google?

      Thumb up 0
  11. Uma outra questão que ainda não vi sendo abordada…
    É que: Na época de 1969 nós tínhamos recursos tecnológicos necessários para simular um feito histórico desses? Era possível cinematograficamente falando?

    Thumb up 2
  12. O gente, rapaziada… professores e etc…
    Pelo amor de Deus… algum de vocês foram à lua?
    então amigos… não falem de coisas que vocês não sabem… tem vendo ou não… cinturão ou não… não são livros que vao nos dizer… se alguem já foi lá… tem o direito de falar alguma coisa… se não foi… não fica falando pelo c*! arruma dinheiro, faz um foguete e vai la… volta aqui e comenta… sá parada, eh noix!

    Thumb up 0
    • O-Certo

      Não precisamos ir para a Lua para saber se os americanos foram ou não. Não precisamos ir até o Sol para saber sua composição. Não precisamos sequer ir para outros planetas para calcular sua massa e analisar a composição atmosférica. Não precisamos voltar no passado para saber que plantas e que animais viviam em determinado local e determinada época. Não precisamos ver um animal comendo para saber o que ele come.

      Tudo isto se consegue com a ciência, métodos dedutivos e indutivos, premissas comprovadas, coleta remota de dados, e outras coisas.

      Por exemplo, temos as amostras de solo e rochas lunares, e temos os geólogos, que apontam que não se trata de meteorito, e que é da Lua. Também temos fotos dos locais de pouso. E mais vários milhares de evidências diretas.

      Thumb up 8
  13. Prezados. Segue no link o documentário completo – Moon Machines [2008] – mostrando passo a passo, o esforço conjunto e monumental, de algumas das centenas de milhares de pessoas comprometidas (em alguns casos ao custo das próprias vidas) em tornar o feito possível:

    http://goo.gl/0VUV5X
    (Legendas em inglês)

    Thumb up 1
    • Só para quem sabe ver. Olhar é botar os olhos, ver é interpretar a imagem e compreender a mesma.

      Thumb up 9
    • vdd, além do mais nunca afirmamos que o homem nao deixou algo na lua, mas se ele foi é dificil acreditar, como um cinturao de radiação extremamente forte nao atravessaria uma nave, fora o fato de que eles podem ficar sem a roupa protetora dentro da nave, o homem pode enviar tranquilamente objets pra lua mas ir, acho meio dificil, e pq hoje em dia se perdeu o interesse de ir la com tanta tecnologia avançada?

      Thumb up 3
    • Tem gente que gosta de ser ignorante. Todos os cientistas sérios do mundo nunca duvidaram da ida do homem à Lua. Mas um monte de espertinhos que nem terminaram o ensino médio direito, tem todas as suas teorias pra duvidar dos programas Apollo. Os caras ainda dizem: Eu acho isso, eu acho aquilo.

      Cara, o que você acha pouco importa! O que importa de verdade são as evidências e todos os cientistas do mundo comprovando!

      Thumb up 7
    • Herbert, não há um “cinturão de radiação extremamente forte” em torno da Terra. Existem vários cinturões, eles não são “extremamente fortes”, não tem a mesma intensidade na extensão total mas são mais densos no Equador, e dá para passar por eles rapidamente, e não se acumula uma dose letal de radiação no corpo humano.

      É fácil ficar repetindo as coisas que leu ou ouviu, difícil é ir atrás das informações. Esta história de “cinturão de radiação letal” é furada.

      Mas não precisa acreditar em mim. Procura um livro de cosmologia.

      Thumb up 4
  14. “Acima de 50 ºC a temperatura provoca modificações químicas nas emulsões fotográficas. As partes mecânicas se expandem, e afrouxam as lentes. Em frio extremo, inutilizaria as baterias e o fotômetro. Em duas horas a temperatura passou de 130 ºC para menos de 150 ºC na Lua.”

    http://youtu.be/3fTJ59jA5Mc

    Aos 32 minutos mais ou menos.

    Thumb up 6
    • 34:30 Uma foto de Stanley Kubrick, no chão da Lua… Montagem?

      Thumb up 5
    • Donaldo Rumsfeld – Gabinete Nixon
      Henry Kissinger Conselheiro de Segurança de Nixon, ministro das Relações Exteriores, Ministro dos Negócios Estrangeiros, conselheiro político e confidente de Richard Nixon.
      Lawrence Eagleburger – Conselheiro de Nixon
      Richard Helms – Diretor da Cia 1966-73
      Alexander Haig – Chefe de Gabinete de Nixon

      Todos falando da montagem que Nixon “pretendeu” fazer da viagem do homem à Lua, e que, ao final, ele mesmo desistiu, mas já era tarde. No vídeo.

      Thumb up 2
    • Tem que ser afirmações tiradas fora do contexto, por que Nixon não poderia ter tomado esta decisão, a decisão já havia sido tomada em 1961, com o famoso discurso de Kennedy. Ele pode ter pensado em cancelar, mas não poderia decidir mandar alguém para a Lua.

      Não só isto, em 1961 já haviam dois projetos para desenvolver uma nave espacial e testar equipamentos e procedimentos, e treinar homens, o projeto Gemini e o projeto Mercury.

      Como é que o Nixon poderia fazer este projetos antes de entrar na Casa Branca?

      Thumb up 3
    • Cara, a temperatura no solo lunar tem quase nada a ver com a temperatura do filme dentro da câmera. Sem atmosfera para fazer a transferência térmica por convecção, sem a câmara se colocada no solo para faze a transferência por transmissão, a câmera só pode receber ou perder calor por irradiação, e neste caso é mais fácil ela aquecer no sol do que esfriar na sombra, e para tanto, bastou pintar de uma cor clara a câmera.

      Puxa, isto é termodinâmica que se aprende no ensino básico (transferência de calor, e fatores que influem esta transferência), por que é tão difícil compreender que o filme nunca foi submetido às temperaturas extremas do solo lunar?

      Thumb up 9
    • Cesar esqueça. Tive uma vez uma “pega” com um ceptico do programa espacial americano, claro est, porque o homem insistia que a Lua tinha atmosfera. Obviamente que a sua referencia era a fiavel wikipedia…. pois.
      Lá lhe expliquei que a “atmosfera” lunar são gases despreziveis e que se encontram também noutros corpos celeste, tais como cometas e asteroides. Infelizmente há pessoas que, ou por razões politicas ou por porque andaram a passear os livros na escola, não entendem ou não querem entender um dos maiores feitos do engenho humano. Quem sendo dificil não foi impossivel. As pessoas não imaginam que muita da tecnologia de hoje, como os touchscreens e os hologramas remontam aos finais de 60 e década de 70. ;-)

      Thumb up 7
    • Amigo, o maior feito foi a primeira ida de um homem (Gagarin)ao espaço, como bem o lançamento dos primeiro satélite. Até porque estas coisas continuam se repetindo já a ida alua, não tem hoje interesse comercial. Acho uma falta de erspeito chamar todos os que duvidam da ida dfo homem a lua de conspiracionistas. A ciência de semppre ser contestada pois, quando a acharmos dogmática ou imaculada seremos fantoches para qualquer interesse. Independente de se o homem foi ou não a lua, a contestação abre espaço para a afirmação e, se esta é verdadeira, a descrença em nada a desvaloriza.

      Thumb up 6
    • Romão, uma coisa é o ceticismo saudável, que examina as evidências e verifica as conclusões. Outra coisa bem diferente é a simples descrenças, sem qualquer evidência de fraude.

      As supostas evidências de fraude foram contestadas e demonstradas falsas. Não há espaço mais para dúvidas. Não há mais ceticismo em negar a viagem à Lua, é só mais uma religião inventada depois da década de 1970. É irracional, e nega os fatos, como toda religião.

      CRITIC, um guia simples para o pensamento crítico.

      Quando um assunto for analisado de forma crítica, estes itens devem ser verificados:

      C- Claim (alegação) – qual alegação está sendo feita?
      R- Role of the claimant (papel de quem faz a alegação) – quem está fazendo a alegação e por que?
      I- Information backing the claim (informação apoiando a alegação) – qual é a informação?
      T- Test (teste) – como a alegação pode ser testada?
      I- Independent testing (testes independentes) – a alegação foi testada por outras pessoas?
      C- Cause (causa) – qual a explicação proposta, se há alguma explicação sendo proposta?

      A alegação de fraude falha na informação, que está errada ou incompleta, falha nos testes, por que quem faz a alegação nunca testou elas, falha no teste feito por terceiros, por que quando foram testadas, foram achadas falsas, e não apresenta uma causa concreta, apenas alegações vagas.

      Thumb up 6
    • O senhor Cesar disse que desconhecia os filmes especiais fornecidos pela Kodak.
      Reparei que ele não respondeu o seu comentário…

      Thumb up 0

Envie um comentário

Leia o post anterior:
Nothronychus graffami
Dinossauro com garras de foice é descoberto

Autor do estudo afir...

Fechar