5 figuras históricas mais aterrorizantes do que QUALQUER vilão da ficção

Se o mundo parece ser um lugar mais violento e brutal nos dias de hoje, bem, isso é porque seu professor de história jogou um monte de sujeira pra debaixo do tapete.

Ah, claro, você sabe que a história está cheia de guerras e opressão e essa coisa toda. Mas nós não estamos falando sobre isso – estamos falando de certas pessoas ricas e poderosas que fizeram coisas tão apavorantes que, se você já viu algo parecido em um filme, você provavelmente achou que o roteirista tinha sérios problemas.

5. Fálares, o tirano de Agrigento, que assou pessoas vivas dentro de uma estátua oca


Fálares, o tirano de Agrigento, era um líder e tanto. Ele construiu a sua cidade-estado em um lugar próspero e bem equipado para criar uma família. Em teoria, isso fez de seu domínio um dos melhores lugares para se viver. Na prática, a história muda um pouco de figura. Dizem que levaria cerca de 0,2 segundo para Fálares dar a cruel ordem para assar uma pessoa viva em uma câmara de tortura de metal em forma de um touro.

Eu, hein

Fálares, o ditador eleito de Agrigento, Sicília entre 570 e 554 aC, é um exemplo perfeito do dilema mais antigo da humanidade: conseguimos tolerar um líder que é capaz, mesmo se esse líder também gosta de distribuir uma dose de tortura sádica de vez em quando?

O famoso touro de bronze

Seu método de tortura favorito era conhecido como o “touro de bronze”. Era uma estátua oca em forma de touro feita por um artista grego chamado Perillos. O touro tinha um alçapão instalado na barriga, de modo que o condenado poderia ser fechado dentro da estátua, e uma lareira seria acesa por baixo. Conforme o metal aquecia, a pessoa presa dentro seria gradualmente torrada até a morte.

A boca do touro contava com um dispositivo acústico que converteria os gritos da vítima em um som baixo e prolongado, parecido com o mugido do próprio animal.

O destino do artista

Infelizmente, Perillos não percebeu o grau de loucura e crueldade do ditador quando o entregou essa estátua terrível. Assim que recebeu seu brinquedo de matar, Fálares exigiu uma demonstração do artista, para provar que ia funcionar a contento. Logo, o próprio artista foi trancado dentro da estátua, e eternizado como sua primeira vítima.

Até quando?

Felizmente, esta situação desagradável não estava destinada a durar por muito tempo, e Fálares eventualmente descobriu que assar seus cidadãos teria um preço terrível. O tirano acabou sendo derrubado pela revolta inevitável das pessoas, e de acordo com alguns historiadores, o seu sucessor não viu melhor punição que prender Fálares em sua própria criação.

4. O imperador Tibério curtia execuções


O Imperador Tibério governou Roma antes de seu sobrinho-neto, o famoso Calígula, assumir o trono. Como resultado, o tempo de Tibério no poder é geralmente ofuscado pelo reinado que se seguiu. É injusto, realmente, porque Tibério foi um supervilão e merecia um espaço maior nas aulas de história (mesmo que só por curiosidade/diversão).

A fim de conceber o espaço merecido a essa figura terrível, vamos começar com o melhor (ou pior, você julga) item do currículo dele: uma técnica de tortura em que ele foi pioneiro.

Ele amarrava os pênis dos torturados com uma corda, de forma que a pessoa não conseguisse fazer xixi. Então, ele os obrigava a beber grandes quantidades de vinho, até a bexiga eventualmente estourar.

Sim, Tibério era esse tipo de cara

E qualquer um poderia se tornar seu inimigo. Quando Tibério notou que seus netos Nero (não aquele Nero – os romanos só tinham, tipo, quatro possíveis nomes masculinos) e Druso estavam ganhando popularidade, Tibério começou uma campanha de difamação que culminou com ele declarando-os inimigos do Estado. Segundo alguns historiadores, ele então começou a deixar na janela do Nero cordas e um monte de ganchos assustadores, até que o neto entendeu a mensagem e se suicidou para evitar que seu pipi fosse amarrado daquele jeito cruel. Bem, foi isso ou eles acabaram o executando mesmo. De qualquer maneira, podemos dizer que Tibério não era um candidato muito forte a avô do ano.

Druso teve ainda menos sorte

Depois de uma longa pena de prisão, Tibério simplesmente parou de alimentá-lo, até que ele foi forçado a comer a sua própria cama para afastar a morte por mais algumas horas. Ele durou nove dias. Coitado.

Alguém estava seguro?

Se o cara é capaz de fazer essas coisas com gente do próprio sangue, claro que nada o impedia de ser cruel com outras pessoas. Segundo os historiadores, nem mesmo seus “amigos” mais próximos estavam seguros.

Uma vez, Tibério convidou um amigo de Rhodes para dar um passeio, só que ele esqueceu completamente o convite quando o cara apareceu na data e hora marcada. Não sendo o tipo de homem que se preocupa em lembrar rostos, a reação de Tibério foi confundir o amigo para um informante aleatório e, adivinha, colocá-lo à tortura.

Atos de crueldade devassa eram meio que o passatempo preferido dele.

Durante uma das visitas de Tibério ao campo, um humilde pescador teve a PÉSSIMA ideia de mostrar sua afeição por seu líder, apresentando-lhe uma grande carpa, recém-pescada. O imperador respondeu a gentileza ordenando que seus guardas pegassem o pobre homem e esfregassem as escamas afiadas do peixe na cara dele. Talvez o imperador Tibério não tenha nunca sido apresentado a um “muito obrigado” na vida.

Quando o pescador agredido comentou que estava feliz por não ter oferecido ao imperador um caranguejo gigante que havia pescado, Tibério prontamente ordenou a seus guardas para irem buscar o tal caranguejo na casa do homem. Gente boa, não?

3. O Rei Goujian de Yue forçava seu povo a cortar as próprias gargantas

Espada de Goujian

O Rei Goujian era um estadista chinês com provavelmente a maneira mais heterodoxa de ganhar lutas na história da guerra: a vitória por meio de seus próprios homens cortando suas gargantas em frente ao inimigo.

Como é que é?

Vamos contextualizar: quando seu pai morreu, no ano de 496 aC, Goujian ganhou de presente uma desagradável coroação, quando o reino vizinho de Wu estava atacando as terras de Yue. Yue foi derrotado e Goujian foi levado para Wu, onde permaneceu em cativeiro até que tivesse idade o suficiente para convencer o rei de Wu de sua subserviência.

Eventualmente, ele foi autorizado a regressar a sua terra, o que provou ser a pior coisa que as pessoas de Wu jamais iriam desejar. Goujian passou dez malditos anos reunindo suas forças, pacientemente elaborando estratégias e esperando o momento oportuno para atacar. Quando a fome induzida eventualmente atingiu Wu, o Rei Goujian também atacou.

Goujian levou para o campo de batalha dez anos de fantasias de vingança ricocheteando em sua cabeça. Você deve imaginar que as coisas ficariam um pouco estranhas, como de fato ficaram.

Antes de uma batalha particularmente importante, os dois exércitos estavam fazendo aquela coisa onde eles se alinham e se olham por um tempo antes de partir para o ataque e cortar o outro em pedaços. Mas os homens de Goujian tinham um elemento surpresa: eles marcharam em uma linha de homens desarmados e, quando chegaram na frente do inimigo, esses homens, então, sacaram suas facas, gritaram e cortaram a própria garganta.

Depois disso, ele enviou outra onda de soldados suicidas. E mais outra.

Como?

Se você está se perguntando como ele convenceu parte de seu próprio exército a fazer isso, vai fazer mais sentido quando você perceber que eles eram criminosos em Yue, condenados a acabar com suas vidas para confundir momentaneamente o inimigo.

Tinha um certo método por trás de toda essa loucura. A ideia era a seguinte: as tropas inimigas ficavam olhando de queixo caído para os suicidas em massa, já que estavam esperando uma boa luta, esse é um verdadeiro elemento surpresa. Então, eles ficraam ali sem entender nada enquanto o resto das forças de Goujian se deslocava por trás para aniquilá-los.

2. O Papa Inocêncio VIII bebeu o sangue de crianças


Mais cruel que todos os vampiros da saga Crepúsculo JUNTOS.

Só que antes de começar a contar essa história, precisamos fazer um aviso: os registros históricos de certos períodos históricos podem ser complicados. Eles muitas vezes foram escritos e/ou revisados muito tempo depois dos acontecimentos que descrevem, e às vezes, quem está fazendo a revisão tem algum tipo de interesse em apresentar os temas do registro de uma forma mais ou menos dramática.

Nós não temos imagens em vídeo dessas pessoas fazendo essas atrocidades, mas temos um desconfiômetro bastante calibrado. E tudo o que podemos fazer é alertar você para o fato de que os relatórios dos historiadores nem sempre são 100% confiáveis. Dito isso, nós gostaríamos de falar sobre um conto de um Papa que bebeu o sangue de crianças de 10 anos de idade.

Haja estômago!

O Papa Inocêncio VIII foi exatamente como você imagina um líder religioso importante do século 16, o que significa que ele passava os dias travando cruzadas, incentivando a conversão forçada e colocando a culpa de todos os problemas do mundo nas bruxas.

Durante seus últimos dias, sua saúde começou a falhar misteriosamente. Este era um problema, porque a medicina da época se resumia em “aplicar sanguessugas e mercúrio” para quaisquer sintomas, e ninguém parecia saber que tipo de doença estava atormentado o Papa.
Inocêncio estava com febre alta, e entrava e saia de um coma. Para os médicos, era questão de esperar até que ele fosse dessa para uma melhor.

Não tão cedo, meus caros…

Em um golpe de ironia, o médico pessoal do Papa, que (nem preciso dizer, preciso?) era estritamente anti-feitiçaria, anti-magia, e anti-qualquercoisaquenãofossededeus tomou a decisão de ignorar as formas mais correntes de tratamento e tentar alguma coisa mais “mística”: beber sangue humano. O médico tinha três meninos de dez anos de idade, trazidos para o Vaticano para servir como doadores.

Aparentemente, o bom médico nunca havia aprendido a fazer isso, porque tirou tanto sangue dos meninos que o procedimento matou todos. A ideia era que o Papa bebesse tudo. Depois do coquetel de sangue, até surgiram rumores de um “Papa Vampiro”.

Inocêncio VIII morreu alguns dias depois, presumivelmente com um sabor horrível na boca. A humanidade levou mais 100 anos para descobrir que essas coisas funcionam melhor quando o sangue realmente passa pela corrente sanguínea do paciente. Vivendo e aprendendo, não é mesmo?

1. James Jameson alimentou canibais com uma garotinha inocente


James Jameson era um jovem herdeiro da fortuna da companhia Jameson Irish Whiskey no final do século 19, bem antes do movimento de proibição dos Estados Unidos que quase derrubou o império da família. As coisas eram bem boas para ele, que gozava de sua estereotipada privilegiada educação – bebia chás extravagantes, viajava bastante, caçava por esporte e essas coisas – enquanto esperava que a pilha gigante e inevitável do dinheiro de sua família caísse em cima dele.

O que havia de errado?

Muito tempo livre, como você pode imaginar. Quando a cabeça fica assim desocupada… Ideias ruins geralmente aparecem. No caso de James, ele resolveu comprar uma jovem escrava e servi-la como alimento para canibais.

O QUÊ???

Pois é. Na época, vários países imperialistas da Europa estavam brigando por pedaços da África que desejavam obter para oprimir, e milhares de pessoas negras de todos os cantos do continente se reuniram para lutar suas guerras para eles.

James Jameson aproveitou a oportunidade para visitar o Congo, porque ser rico o suficiente significa que você pode perambular livremente em zonas de guerra e se aproveitar da atmosfera miserável desses locais, ao mesmo tempo em que corre um risco mínimo. Tem gosto para tudo.

Uma noite, durante a sua estada em uma dessas zonas de guerra no Congo, Jameson começou perguntando sobre canibalismo ao seu intérprete. Ele ficou fascinado com a ideia, mas nunca tinha visto isso acontecer. O intérprete, então, acabou perguntando sobre o assunto aos chefes locais, que concordaram em mostrar a Jameson o que era “comer pessoas”.

Só que, em vez de coisas acontecendo do jeito que você esperaria (Jameson sentado em um caldeirão gigante), as coisas tomaram um rumo sinistro. Tudo o que Jameson tinha que fazer era comprar uma pessoa para os canibais comerem, e ele teria o show que tanto queria ver.

O herdeiro da fortuna Whiskey prontamente concordou, e pagou um preço elevado por uma menina inocente de 11 anos de idade.

Depois de comprá-la, ele a entregou a um grupo de moradores, pegou seu caderno e desenhou os eventos conforme os canibais esfaqueavam e desmembravam a pobre garotinha. Segundo algumas fontes, ele estava presente inclusive quando eles prepararam e serviram seus restos mortais. Em seguida, se retirou para sua tenda e terminou seu trabalho com aquarelas.

Sangue frio

Sim, uma jovem perdeu a vida, de modo que um magnata do uísque pudesse criar versões mais sangrentas de pinturas bregas para pendurar em seu banheiro. Em seguida, ele foi para casa e herdou mais dinheiro do que qualquer um de nós nunca vai ver.

Então lá vai, gente – a próxima vez que você ver as manchetes do dia e pensar “onde o mundo vai parar?”, se console com o fato de que o mundo sempre teve muitos psicopatas poderosos a solta. [Cracked]




1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 3,00 de 5)


Curta no Facebook:

2 respostas para “5 figuras históricas mais aterrorizantes do que QUALQUER vilão da ficção”

Deixe uma resposta