Algas são convertidas em novo combustível

Publicado em 18.03.2011

Engenheiros químicos americanos desenvolveram um método para a conversão de algas comuns em butanol, um combustível renovável que pode ser usado em motores existentes.

A nova descoberta pode certamente fazer carros funcionarem. O processo de conversão é eficiente e barato. Segundo os pesquisadores, o butanol tem muitas vantagens em relação ao etanol.

O butanol libera mais energia por unidade de massa e pode ser misturado em concentrações superiores. É menos corrosivo e pode ser enviado através dos gasodutos existentes. Além disso, há a vantagem de sua fonte primária: diferentemente do milho, as algas não são demanda da indústria de alimentos, e podem ser cultivadas em praticamente qualquer lugar, não necessitando, portanto, de grandes extensões das valiosas terras agrárias.

Mas a melhor qualidade do novo processo é que ele pode ser usado para tornar os rios e lagos mais saudáveis.

A tecnologia pró-ambiente se beneficia e agrega maior valor a um processo que está sendo muito utilizado para limpar e oxigenar canais aquáticos dos EUA, removendo o excesso de azoto e fósforo provenientes de fertilizantes.

A equipe cultivou algas em locais parecidos com “pistas” – depressões com normalmente 61 cm de largura e variando de 1,50 a 25 metros de comprimento, dependendo da escala da operação. As depressões são feitas de telas ou carpete, embora os cientistas afirmem que as algas crescem em praticamente qualquer superfície.

As algas sobrevivem com nitrogênio, fósforo, dióxido de carbono e luz solar natural. Assim, os pesquisadores cultivaram as algas com o nitrogênio e a água dos riachos ricos em fósforo sobre a superfície de calhas. Eles tornaram esse crescimento ainda mais próspero fornecendo altas concentrações de dióxido de carbono.

Governos municipais e estaduais, principalmente na costa leste, têm implementado em larga escala processos semelhantes a este nas chamadas “zonas mortas”, onde o excesso de azoto e fósforo tem matado peixes e plantas.

Os pesquisadores colhem as algas a cada 5 a 8 dias. Depois que elas secam, são moídas em um pó fino, como meio para extrair carboidratos a partir das células vegetais.

Carboidratos são feitos de açúcares e amidos. No projeto atual, a equipe trabalha com amidos. Eles tratam os hidratos de carbono com ácido e, em seguida, os aquecem para quebrar o amido e transformá-los em simples açúcares naturais.

A partir daí, começa um processo de fermentação exclusivo, em duas etapas, no qual os organismos transformam os açúcares em ácidos orgânicos: butírico, lático e ácido acético.

A segunda etapa do processo de fermentação se concentra no ácido butírico e sua conversão em butanol. Os pesquisadores utilizam um processo único chamado eletrodeionização, uma técnica desenvolvida por um doutorando.

A técnica envolve a utilização de uma membrana especial que separa rapidamente e eficientemente os ácidos durante a aplicação das cargas elétricas. Ao isolar rapidamente o ácido butírico, o processo aumenta a produtividade, o que torna a conversão mais fácil e menos dispendiosa. [ScienceDaily]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

3 Comentários

  1. Apesar de muito interessante e importante o artigo faz algumas alusões que devem ser decutidas melhor. Primeiro as algas são sim demandas da indústria de alimento, farmacêutica e cosmética, ou seja existe um grande mercado em torno delas. O seu cultivo depende de muitos fatores ambientais, os cultivos comerciais existentes exigem um laboraório de produção de esporos, estes esporos são cultivados em tanques que demandam terra. Outro fator de relevância que não está esclarecido no texto é o tipo de alga ao qual ele se refere se são marinhas ou doucículas.
    As algas marinhas podem produzir combustíveis de exceletne qualidade, sabe-se disso desde a segunda guerra mundial, contudo o rendimento é baixo e o processo de produção ainda é caro. Para a produção de biocombustível viável é necessário que o valor do litro do combustível alternativo seja menor do que o litro do combustível produzido pelo petróleo. No texto ele menciona que o cultivo foi realizado em valas, o que demanda terra, contudo as algas podem ser cultivadas no seu próprio ambiente, seja em rios ou em mares.
    De fato as algas podem absorver nutrientes de ambientes aquaticos, chegando em alguns casos a zerar compostos nitrogenados e fosfatados, assim como metais pesados. Por outro lado, depois de sofrerem o processo de beneficiamento para a produção do combustível a biomassa restante contem metais pesados tornando necessário medidas que evitem que o metal retorne ao meio ambiente. Outro sim é o fato de que da mesma forma que elas oxigenam o ambiente durante a fotossintese elas absorvem o oxigênio durante a respiração podendo até mesmo zerar o oxigênio prejudicando o ambiente.
    De qualquer forma a utilização de algas na produção de combustíveis em um setor que tende a crescer.

    Thumb up 7
  2. São projetos assim, que o governo deve investir pesado! Poupa o petróleo retirado, sendo que o mesmo pode servir para exportação ou outras áreas, diminui o indice de poluição dos automóveis, diminui a poluição de rios e riachos, etc.
    Imagina este projeto aliado aos carros hibridos. Poluição próxima de zero. O que falta nos governos é acabar com a politicagem, ganância e egoísmo para aplicarem tecnologias que são inovadoras, economicamente viáveis e ecologicamente corretas em prol da sociedade e não dos interesses deles mesmos.

    Thumb up 1
  3. Pela complexidade do processo acho que e consumida muitíssima mais energia na produção da que pode ser gerada pelo produto final.

    Thumb up 1

Envie um comentário

Leia o post anterior:
vomitovo
Bizarro: síndrome do vômito cíclico

A síndrome do vômito...

Fechar