Após derrame, paciente tem orgasmo ao ouvir música tema de James Bond

Publicado em 5.08.2013

article-2381882-1B14AF31000005DC-519_634x286

Um canadense desenvolveu uma rara e curiosa sinestesia, condição neurológica que faz com que o cérebro confunda os sentidos, vários meses depois de sofrer um acidente vascular cerebral (AVC). Isso lhe ocasiona uma ainda mais inusitada situação: todas as vezes que o paciente ouve a música tema de James Bond, tem um orgasmo.

Os instrumentos de sopro estridente presentes nas canções dos filmes de James Bond desencadeiam uma experiência automática no organismo do canadense e lhe causam um bem-estar sexual. Além disso, o canadense agora sente o gosto dos alimentos por meio de suas cores – ele sente repulsa da cor azul, mas adora comer framboesas porque possui um sabor gostoso de um tom diferente de azul.

Este é apenas o segundo caso conhecido de um paciente que desenvolveu sinestesia após um AVC. A condição neurológica faz com que o estímulo de um sentido, como ouvir música, leve a experiências automáticas e involuntárias em um sentido diferente, como ver cores ou saborear um alimento.

Depois de um acidente vascular cerebral em 2007, o homem de 45 anos de idade, de Toronto, Canadá, notou as palavras impressas em um determinado tom de azul lhe ocasionou nojo, de acordo com o jornal local “National Post”.

Ele, então, tomou conhecimento de que o som de vozes estridentes e instrumentos de sopro – especificamente, os da música tema de filmes de James Bond – desencadeava sensações de orgasmo e flashes de luzes azuis em sua visão.

A sinestesia é uma condição na qual um sentido é percebido simultaneamente com um ou mais sentidos complementares, tais como visão. Outra forma de sinestesia junta objetos como letras, formas, números ou nomes de pessoas com a percepção sensorial, como cheiro, cor ou sabor.

Acredita-se que cerca de 4% das pessoas possuem essa condição, que é oito vezes mais comum em mulheres. A maioria dos sinestésicos tendem a ser canhotos. Não existem efeitos colaterais perigosos. Sinestésicos famosos incluem Marilyn Monroe, Mary J Blige, bem como os artistas Kandinsky e Hockney.

No Hospital St. Michael, em Toronto, ele se lembrou especificamente de um momento: a cerimônia de abertura das Olimpíadas de Pequim, em agosto de 2008. Ele disse que o canto da apresentadora da cerimônia lhe provocou uma reação impressionante e assustadora.

“Eu tive a sensação de entrar na TV e estar no estádio, flutuando acima da multidão. Eu podia sentir o calor e a umidade saindo das pessoas. Eu podia sentir isso na minha pele”, relata. “Isso me assustou demais! Pensei ‘estou ficando maluco’. Eu estava convencido de que estava enlouquecendo”.

O homem depois relatou o episódio ao seu médico, Luis Fornazarri, neurologista comportamental, que o diagnosticou instantaneamente com sinestesia. Outros sintomas apresentados pelo canadense incluem uma fome insaciável de framboesas porque elas “têm um gosto delicioso de azul”.

O AVC do paciente ocorreu em seu tálamo – a área do cérebro responsável pelo processamento de informações sensoriais. Especialistas dizem que o processo de reparo após o acidente vascular cerebral pode ter levado o cérebro a realizar uma “ligação incorreta”, conectando as áreas do órgão que nunca haviam entrado em contato uma com a outra antes.

O único outro caso relatado de sinestesia como consequência de um derrame foi o de uma mulher de 35 anos, nos Estados Unidos, que experimentava formigamento em seu corpo quando ouvia alguns sons. [Daily Mail]

Autor: Bruno Calzavara

Bruno Calzavara é recém-formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e está de volta à equipe do Hype após dois anos. Adora todos os esportes, exceto futebol. Gosta de chocolate e de sorvete, mas não de sorvete de chocolate.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

Envie um comentário