Veja onde estas 18 crianças dormem ao redor do mundo

Publicado em 28.07.2013

O ensaio fotográfico a seguir chamado “Onde as crianças dormem” apresenta imagens produzidas pelo fotógrafo britânico James Mollison. As fotografias de quartos infantis foram realizadas em países muito diferentes entre si: como México, Brasil, Estados Unidos, Escócia, Itália, Israel, Cisjordânia, Quênia, Senegal, Lesoto, Nepal, China e Índia. Mollison também registrou as crianças que dormem nesses locais.

Fica bem perceptível as diferenças entre cada criança e seu quarto ao redor do mundo. Como exemplo temos a jovem Kaya, que mora em Tóquio, capital do Japão, cuja mãe orgulhosa gasta mil dólares por mês com seus vestidos, em contraste com o garoto Bilal, um pequeno pastor beduíno da Cisjordânia, que dorme ao ar livre junto com o rebanho de cabras do seu pai. Indira, por sua vez, uma menina nepalesa, trabalha em uma pedreira de granito desde que tinha três anos. Hoje ela tem sete.

James Mollison conta qual foi o objetivo de seu trabalho, que se transformou em um livro: “Onde as crianças dormem” (“Where children sleep”, publicado pela editora Chris Boot em 2010). “Espero que as pessoas percebam, com este livro, como algumas crianças vivem em situações muito diversas em todo o mundo. É uma oportunidade de refletir sobre a desigualdade que existe, e perceber o quão sortudo a maioria de nós é no mundo desenvolvido”, diz Mollison.

O livro ainda não foi editado no Brasil. Se você quiser saber mais sobre a obra do autor, visite seu site oficial. [The Bored Panda]

Dong, 9 anos, Yunnan, China

1

2

Indira, 7 anos, Kathmandu, Nepal

3

4

Bilal, 6 anos, Wadi Abu Hindi, Cisjordânia

5

6

Ahkohxet, 8 anos, Amazônia, Brasil

7

8

Alex, 9 anos, Rio de Janeiro, Brasil

9

10

Bikram, 9 anos, Melamchi, Nepal

11

12

Tzvika, 9 anos, Beitar Illit, Cisjordânia

13

14

Douha, 10 anos, Hebron, Cisjordânia

15

16

Joey, 11 anos, Kentucky, Estados Unidos

17

18

Lamine, 12 anos, Vila de Bounkiling, Senegal

19

20

Prena, 14 anos, Kathmandu, Nepal

21

22

Anônimo, 9 anos, Costa do Marfim

23

24

Rhiannon, 14 anos, Darvel, Escócia

25

26

Nantio, 15 anos, Lisamis, Quênia

27

28

Risa, 15 anos, Kyoto, Japão

29

30

Netu, 11 anos, Kathmandu, Nepal

31

32

Roathy, 8 anos, Phnom Penh, Camboja

33

34

Jasmine (Jazzy), 4, Kentucky, Estados Unidos

35

36

Autor: Bruno Calzavara

Bruno Calzavara é recém-formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná e está de volta à equipe do Hype após dois anos. Adora todos os esportes, exceto futebol. Gosta de chocolate e de sorvete, mas não de sorvete de chocolate.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

29 Comentários

  1. Para mim este ensaio não tem sentido nenhum. Qual o critério usado pelo fotografo para selecionar as crianças. Pelo que ele mostrou, parece que não há crianças pobres no Japão, na Escócia, na Cisjordânia e nos EUA. No Brasil as crianças dormem sob céu aberto!? Em todos os países existem crianças que dormem em quartos miseráveis ou luxuosos. A denuncia sobre o fato não se resume simplesmente a selecionar países, como se todas as crianças deles morassem da mesma forma, mas a diferença das moradias em uma determinada faixa social. Esse é um trabalho tendencioso e preconceituoso. Não consigo compreender o que o autor quer demonstrar com este ensaio.

    Thumb up 13
  2. AS crianças herdaram os leitos dos pais. Eles poderiam ter economizados seus filhos desse sofrimento ñ os tendo, e ainda acredito q essas crianças não dormem só mas com vários irmãos.

    O momento de impor o controle de natalidade já passou a décadas e enqnto ñ for adotado essas cenas serão repetidas eternamente.

    Thumb up 3
  3. Só eu que fiquei incomodado com o fato de que mostraram realidades de acordo com o estereótipo do país? Alguém poderia imaginar que um africano qualquer não poderia morar num quarto decorado com couro de veado e marfim. Ou então imaginar que um americano não poderia morar num trailer velho (sem quarto), etc. Achei que fosse mais imparcial a mostra das fotografias. Sei lá, uma impressão minha.

    Thumb up 7
  4. Olhei as primeiras fotos imaginando essas crianças deitadas, imaginando como elas dormem com chuva ou vento, imaginando os insetos entrando nas casas que tinham os tetos com grandes buracos, imaginando Bilau ou Alex dormindo ao ar livre, tomando chuva, vento, frio… Vi que algumas crianças carregavam ferramentas de trabalho, o menino suado que parecia ter acabado de trabalhar em um serviço pesado, como muita gente grande nunca fez. Ai cheguei na imagem de um quarto aparentemente normal, parecido com os quartos que normalmente crescemos, com um armário, uma cama e um teto. Nesse momento parei pra pensar que praticamente todo mundo que conheço cresceu em uma casa fechada, com um teto, com um chão que não fosse de terra. Quantos de nós, quando criança não ficamos tristes por estar chovendo e não poder brincar lá fora? Nestas fotos vi muitas crianças que agradecem quando não chove. Ao chegar na ultima criança, imaginei ela ganhando montes de brinquedos e pensei: será que o filhote de cabra é o único amigo daquele garotinho que dorme num tapete pra fora de casa? Será que o machado (ou sei lá que outra ferramenta) é o único brinquedo do garotinho suado? Quantas vezes reclamei da minha casa ter insetos, mas e o garotinho que dorme nos pneus? Estas fotos não estão aqui só pra mostrar a diferença entre culturas, elas nos mostram o quanto reclamamos sem motivo, devemos é ficar felizes pelo que temos e ajudar quem precise, devemos desejar coisas boas pra essas crianças. Acredito que elas podem ser muito mais felizes do que muita gente que tem tudo e vive reclamando.

    Thumb up 135
  5. Para o urbano burguês muita coisa aí esta errada, mas não se preocupem, eu sou um deles mas conheço de perto a vida do povo do meio-norte brasil, não é caso de enaltecer a miséria mas não é nada desprezível viver na simplicidade, dentro dos confortos que paradoxalmente para nós civilizados isto traz, eu tenho pavor à ostentação do inútil, e nada mais com a cara disso do queos quartos dos americaninhos

    Thumb up 13
    • concordo, tem muita pobreza aí que ralmente não deveria existir…

      mas por exemplo a Ahkohxet , ela provavelmenete é mais feliz que qualuquer criança da cidade, só porque a cultura dela parece estranha e feia por fora não quer dizer que ela é inferior ou infeliz… ela vive a vida simples , junto da natureza, na cultura dela …

      Thumb up 1
  6. Na foto inicial…. O contraste do visual da “habitação” e a foto do imperador ou sei lá o que é este sujeito.

    Dong, 9 anos, Yunnan, China

    Thumb up 3
    • JCarlos Dias

      Aquele é Mao Tsé Tung, o Primeiro Presidente Comunista da China e também o maior assassino da história, em torno de 70 milhões morreram entre o golpe de estado e o seu governo, nosso presidente, João Goulart, que foi deposto pelos militares tinha esse homem e sua ideologia como exemplo, o Partido dele é responsável pela Grande miséria no Interior da China e também responsável pelos trabalhos escravos naquele país.
      A Ideologia politica dele, é responsável pela morte de milhões ao redor do mundo e também da miséria e da falência de muitos países.

      Thumb up 1
  7. achei estranho porque o alex do brasil dorme no sofá fora do barraco ?????
    não tem muito a ver pode ser num sofá velho mas com certeza estaria dentro do barraco…

    Thumb up 10
    • Pode ser que aquele não seja o barraco dele e ele seja um morador de rua

      Thumb up 24
  8. O judeu e o norte americano. Luxo esnobe. O primeiro pela exploração aos palestinos, e o segundo metido na cultura do armamento que tanto mata no império do mal.

    Thumb up 22
  9. Belíssimo trabalho, estampando apenas a realidade.
    Realidade que muitos preferem fingir que não existe, é muito triste ver que enquanto uns tem um quarto exuberante e uma vida coberta de luxo outros sofrem e vivem em condições tão precárias…

    Thumb up 11
  10. Dormir não é bem o termo; em sua maioria, elas mal tem um teto sobre a cabeça. Mesmo que isso seja considerado normal em muitas culturas, é lamentável que uma criança tenha que sobreviver dessa maneira. Parabéns ao fotógrafo pelo trabalho, mas que é triste, isso é. E fiquei em dúvida sobre o “anônimo”: ele não quis dizer seu nome ou nem tem um?

    Thumb up 7
  11. Olhando as condições precárias em que sobrevivem a maioria das crianças mostradas aqui nesse post, é tanto questionamento e indignação que me vem à cabeça, que é até complicado ordenar ou enumerar. Mas um dos que mais me perturba é a desumanidade da grande maioria dos governantes; não se importam com as pessoas, o interesse mesmo é acumular riquezas sabendo que isso tudo é às custas da desgraça alheia… dos que morrem na fila dos hospitais por falta de todo tipo de recurso, dos que não tem acesso à educação, dos que não tem moradia, água limpa pra beber, dos que não tem acesso à uma vida digna. É absurdo ver crianças em situações como essa. Mas isso só irá mudar quando todos começarmos a nos empenhar pelos menos favorecidos…pq a solução não vai cair do céu. Quando aprendermos a olhar pro outro como se estivéssemos olhando pra nós mesmos, e ter pelo outro o mesmo respeito, acolhimento e solidariedade que gostamos de receber.

    Thumb up 12
  12. como você pode ver Bruno Calzavara essas crianças vivem ao redor do mundo sob regimes políticos diferentes. Cocluimos assim que nenhuma forma de governar deu certo até hoje. Vem governante vai governante e a situação a nível mundial continua na mesma…resultado da má distribuição das riquezas do nosso planeta, isso a milhares de anos. .a solução seria uma cooperação internacional conjunta, por isso acho que vai continuar assim….sem solução….por enquanto.

    Thumb up 9
  13. E pensar que nós que temos condições de dormir em quartos arejados durante o verão, aquecidos durante o inverno, reclamamos de nossa cama espaçosa, do travesseiro macio…Olhem a foto daquela menina de 7 anos do Nepal!Se não lançarmos um olhar para a realidade do mundo, ficaremos presos no castelo chamado fantasia do ego…

    Thumb up 18

Envie um comentário

Leia o post anterior:
k-bigpic
Como cientistas “congelaram” um feixe de luz por um minuto

Para você, um minuto...

Fechar