Mau hálito: causas, sintomas e tratamento

Publicado em 23.07.2012

Mau hálito é algo que praticamente todo mundo sofre pelo menos uma vez vida (ou regularmente, se contarmos todo dia quando acordamos de manhã). Mas o que muitos não sabem é que mau hálito tem tratamento: você não precisa morrer de vergonha e tentar não abrir a boca nunca, mas sim buscar corrigir a condição.

Saiba quais são as causas do sintoma mau hálito, e conheça os tratamentos possíveis.

Causas

O mau hálito, ou halitose, no termo médico, é definido como qualquer cheiro (odor) desagradável que vem da boca.

Geralmente, o que causa esse cheiro são bactérias que estão na nossa boca. A forma mais comum de mau hálito é resultado de má higiene oral: o excesso de bactérias na boca emite compostos sulfurosos que causam o mau cheiro.

Normalmente, centenas de espécies de bactérias com diferentes necessidades nutricionais vivem na nossa boca. Quando essa flora digere proteínas, elas liberam substâncias com mau cheiro, como o gás sulfídrico e o escatol, uma substância que também é encontrada nas fezes, por exemplo. É por isso que devemos higienizar nossas bocas com frequência.

Embora 90% dos casos de halitose se originem na boca, como má higiene bucal e infecções de gengiva, outras condições também podem causar mau hálito. Ele pode ser até sinal de uma condição potencialmente fatal. A cetoacidose diabética, uma complicação que ameaça a vida de pacientes com diabetes mellitus, pode deixar o hálito com um cheiro frutado e adocicado.
Já insuficiência renal crônica pode resultar em respiração com odor adstringente, com cheiro de peixe ou de amônia.

Entre algumas causas comuns de mau hálito, estão saburra lingual (placa bacteriana esbranquiçada ou amarelada localizada no fundo da língua, que se forma quando produzimos pouca saliva ou temos descamação epitelial acima dos limites normais), doenças da gengiva (gengivite e periodontite) e os cáseos amigdalianos (estes últimos são de origem nas vias aéreas superiores; a alteração no odor do hálito se manifesta através do ar expirado pela boca).

Outras causas do mau hálito são pedaços de alimentos retidos entre os dentes, abscessos, ressecamento da boca decorrente de jejum prolongado, desidratação, exposição ao ar condicionado, estresse, uso de certos medicamentos, respirar pela boca e falar por muito tempo, consumo excessivo de álcool, infecções como amidalites, sinusites, etc.

Já um mito muito difundido é de que o mau hálito vem do estomago. Isso não é verdade, exceto em raros casos de diverticulose esofágica, uma doença que pode deixar o hálito do paciente com um odor caracteristicamente ácido, mas de forma passageira.

E se você é daquelas pessoas que não come alho ou cebola antes de sair de casa porque “dá bafo”, você está certo(a). Esses alimentos contêm óleos que são absorvidos pela corrente sanguínea, levados para os pulmões e expulsos em sua respiração. Mas o cheiro é temporário!

Sintomas e tratamento

A halitose não é uma doença, mas sim um sintoma de que algo está errado com seu organismo. Se for resultado de má conservação dos dentes, o mau hálito indica que você precisa ter melhor higiene bucal. Se for por conta de pouca produção de saliva (até por isso nosso hálito é pior de manhã), pode indicar algum tipo de condição como saburra bucal, e assim por diante.

Geralmente, as pessoas não conseguem sentir seu próprio “bafo”. Por isso, é legal ter um amigo em quem você confie ou tenha intimidade para lhe avisar do mau cheiro. Boca seca também pode indicar mau hálito.

A curto prazo, goma de hortelã e salsa podem melhorar o mau hálito. Para tratamento a longo prazo, é preciso ter uma boa higiene oral, com frequentes escovações após as refeições, além de raspagem da língua e uso de fio dental. Um dentista pode recomendar enxagues bucais e cremes dentais contra mau hálito. Uma limpeza bucal profissional também pode ajudar.

Mas sempre é interessante procurar um médico, porque, como vimos acima, o mau hálito pode indicar um problema de saúde maior. Nesse caso, para tratar o mau hálito, é preciso tratar o problema de saúde subjacente.[LiveScience, MauHalito, DrauzioVarella]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 25 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

Envie um comentário