4 mentiras que nos contam sobre o mau hálito

Por , em 8.10.2017

O mau hálito é um problema bastante comum e bastante difícil de lidar. Geralmente, colegas no trabalho ou até mesmo familiares não se sentem confortáveis para avisar alguém que a pessoa tem mau hálito, o que acaba atrasando o diagnóstico e o tratamento. Além disso, alguns mitos rodeiam o mau hálito, o que também pode ser um empecilho. Conheça quatro deles e saiba o que fazer ou não fazer caso este problema esteja afetando sua vida.

5 maneiras surpreendentes de se livrar do mau hálito

Mito 4: É possível dizer se você tem mau hálito respirando nas suas mãos em concha

O problema com este método é que a respiração em suas mãos não impulsiona a respiração da parte de trás da boca da mesma maneira que acontece quando você fala. Então, quando você respira em sua mão, você pode perder os cheiros dos gases produzidos na parte traseira da língua, o principal lugar onde o mau hálito se origina.

Os médicos têm três métodos para testar o mau hálito. Eles podem fazer isso cheirando um dos seguintes sintomas: a respiração do paciente apenas a 5 cm do nariz do médico, o conteúdo de uma colher que foi raspada no topo da língua da pessoa, fio dental que foi passado entre os dentes traseiros ou uma placa de Petri contendo a saliva do paciente que foi deixada em uma incubadora a 37 ° C por cinco minutos.

Há também pequenos monitores disponíveis que podem detectar certos gases, mas eles são limitados – incluem apenas alguns gases e não outros. Finalmente, a “cromatografia gasosa” – uma técnica para separar misturas complexas de gases – pode medir a quantidade de enxofre no ar, mas envolve equipamentos especializados mais raros de se encontrar em consultórios médicos.

Nem todas as pessoas que pensam que têm mau hálito, realmente têm. Pessoas recuando ou se afastando enquanto alguém fala podem ser atitudes mal interpretadas – em casos reais de halitose, essa não é a maneira como as pessoas tendem a reagir. Um estudo colocou essa proporção em 27%.

Não há um consenso sobre a proporção de toda a população que realmente têm halitose. As taxas variam de 22 a 50%.

Mito 3: Se você tem mau hálito, você provavelmente tem uma doença oculta por trás disso

A maior parte do cheiro ruim provém de compostos de enxofre voláteis, gases com odores distintivos. O sulfureto de hidrogênio, com seu cheiro clássico de ovos podres, é um dos principais infratores, mas pior ainda é uma substância chamada etil mercaptano, que tende a ser descrita como cheiro de repolho em decomposição. É o composto que deixa a urina de algumas pessoas com um cheiro particularmente acre depois delas terem comido aspargos.

Mau hálito pode ser uma coisa boa

Estes compostos são distribuídos quando os alimentos e as bactérias se acumulam nos sulcos na parte de trás da língua. A boa notícia é que isso pode ser temporário, como resultado de comer alho ou cebolas, beber café ou fumar cigarros. Mas em três quartos dos casos, algum tipo de problema dentário é encontrado junto da halitose. Os pacientes podem ter gengivas inchadas, doloridas ou infectadas ou terem uma espécie de revestimento na língua.

É verdade que, em uma pequena porcentagem de casos, o mau hálito é causado por um problema em outros lugares do corpo, como a orelha, nariz e garganta, rins, pulmões ou intestinos, mas quando isso acontece, é incomum que a halitose seja o único sintoma.

Mito 2: Lavar a boca sempre resolve o mau hálito

A primeira coisa que muitas pessoas fazem se suspeitam que têm mau hálito é usar um enxaguante bucal. O aromatizante de hortelã ou cravo, é claro, disfarça o cheiro por pouco tempo, e muitos enxaguantes bucais também contêm anti-séptico. A ideia é eliminar as bactérias que levam a compostos de mau cheiro. Por um tempo, isso pode funcionar. Mas há um debate sobre o fato de enxaguantes bucais conterem álcool e se isso aumenta ou não a desidratação. Uma boca muito seca pode fazer com que o hálito cheire ainda pior.

Beber mais água durante o dia pode ajudar, tanto por enxaguar os alimentos quanto na prevenção da secura na boca.

O corpo de pesquisa de saúde Cochrane, do Reino Unido, está atualmente reunindo uma revisão da literatura científica sobre intervenções para o mau hálito. Em sua revisão anterior de enxaguantes bucais, em 2008, os cinco melhores ensaios mostraram que, se contiverem antibacterianos como clorhexidina e cloreto de cetilpiridínio, dióxido de cloro ou zinco, eles podem reduzir cheiros desagradáveis ​​até certo ponto. Mas os autores pediram que fossem feitos mais testes. Espera-se que esta próxima revisão seja capaz de fornecer mais informações sobre quais enxaguantes escolher.

Usando o “bafo” para identificar doenças

A alternativa é raspar sua língua com um limpador de língua especial. Este método também está sendo avaliado na revisão Cochrane mais recente. O último relatório encontrou apenas dois pequenos ensaios sobre esse método. Eles mostraram que pode funcionar, mas que o efeito é de curta duração. Eles também destacam o risco de danificar a língua pressionando demais e a importância de garantir que, se você quiser usar uma escova de dentes para limpar a língua, ela seja suave.

Mito 1: Bactérias na boca são uma coisa ruim

Todos nós temos uma comunidade ligeiramente diferente de entre 100 e 200 micróbios na boca. À medida que estamos aprendendo a apreciar o microbioma humano e o papel positivo que os milhões de bactérias presentes nos nossos corpos podem desempenhar, em vez de eliminar completamente as bactérias da boca, os cientistas estão tentando descobrir como obter a combinação certa, visando a eliminação de bactérias específicas ou o uso de probióticos para incentivar certas bactérias na boca.

Os ensaios de Fase I e II já foram conduzidos para matar as bactérias mais frequentemente envolvidas na cárie dentária. A substância foi testada como um gel aplicado em uma clínica e, em seguida, será testado como um verniz, novamente aplicado em uma clínica, mas acompanhado por tiras que as pessoas podem levar para casa e aplicar aos dentes como um prolongamento do tratamento. Isso abre a possibilidade no futuro de usar métodos semelhantes para atingir as bactérias mais frequentemente envolvidas no mau hálito.

Mas estes testes ainda estão no início. Por enquanto, o conselho médico é escovar os dentes e usar o fio dental com cuidado, beber muita água, não fumar, comer uma dieta balanceada e visitar o dentista caso você encontre sinais iniciais do mau hálito. [BBC]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (9 votos, média: 4,56 de 5)

Deixe seu comentário!