Problemas para dormir podem afetar o relacionamento entre casais

Publicado em 15.06.2011

Nada que uma boa noite de sono não resolva: um novo estudo sugere que, quando as mulheres têm dificuldade em adormecer, a qualidade do seu relacionamento com seu marido sofre.

Quando mais tempo leva para as mulheres dormir, maior a probabilidade de ambos os parceiros relatarem interações negativas no dia seguinte, como sentir-se ignorado ou criticado.

O mesmo não foi verdade para os homens, no entanto. Os pesquisadores não encontraram nenhuma relação entre a quantidade de tempo que o marido leva para dormir e as interações do casal no dia seguinte.

Ao longo de 10 noites, os pesquisadores analisaram a qualidade do sono de 35 casais que usaram um monitor que registra padrões de descanso e atividade. Nenhum dos participantes tinha sido diagnosticado com qualquer transtorno de sono ou outros problemas médicos sérios.

Além de medir a quantidade de tempo que levou para cada um cair no sono, os pesquisadores também analisaram o tempo total de sono e o número de vezes que eles acordaram durante a noite.

Em uma série de breves questionários, os participantes do estudo também relataram se tiveram interações negativas (como sentir-se ignorado) ou interações positivas (como sentir-se apoiado e valorizado) com seu parceiro naquele dia.

Em média, os dois parceiros estavam propensos a relatar mais interações negativas quando a mulher teve problemas para dormir na noite anterior.

Embora os pesquisadores não tenham identificado nenhuma ligação entre o sono dos maridos e as interações conjugais, eles descobriram que os homens tendiam a dormir menos do que o habitual depois de um dia de interação positiva com seus cônjuges.

Nesse caso, dormir pouco não é necessariamente uma coisa ruim; na verdade, poderia até indicar intimidade, ao invés de sono, na cama.

Mas por que será que os homens não reagem negativamente depois de uma má noite de sono? Segundo a pesquisadora-chefe do estudo, Wendy Troxel, há alguns indícios que mostram que as mulheres tendem a ser mais comunicativas e expressivas nos relacionamentos, enquanto os homens podem ser mais repressivos.

“Depois de uma má noite de sono, as mulheres são mais propensas a manifestar irritação ou frustração, enquanto os homens são mais propensos a reter tudo”, palpita.

A pesquisa sobre problemas de sono, como insônia, tende a concentrar-se no indivíduo que é afetado diretamente. Porém, as novas descobertas sugerem que os problemas talvez devam ser vistos e tratados em um contexto mais amplo que leve em conta as relações do paciente e suas interações sociais.

“O sono não ocorre em um vácuo”, diz Lauren Hale, especialista em sono. “É embutido no mundo social, e particularmente relevante para nossos relacionamentos românticos”.

Lauren tem pesquisado o efeito de fatores sociais sobre o sono e afirma que a pessoa com quem alguém partilha a cama toda noite pode ter uma influência significativa na sua qualidade de sono. “Não são só suas próprias escolhas que afetam o seu sono. Se o seu parceiro ronca ou se deita na cama duas horas mais tarde do que você e lhe acorda, isso afeta seu sono”, explica.

Mais pesquisas são necessárias para explicar exatamente como casamento e qualidade do sono estão relacionados, mas o estudo destaca que os problemas do sono podem danificar relacionamentos e precisam ser tratados: o mau humor entre o casal pode ser um indicador muito importante para começar um tratamento para distúrbios do sono.[CNN]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

1 comentário

  1. É uma pesquisa mostrando informações interessantes ,que não damos muita importância mas que está presente no consultório e esquecemos de trabalhar as manifestações na vida do paciente ,serve de alerta porque temos muto á fazer para ajudar estes pacientes e evitar maiores transtornos .

    Thumb up 0

Envie um comentário

Leia o post anterior:
tv_watching
Doenças e morte: o verdadeiro mal que a TV causa

Ninguém nunca afirmo...

Fechar