Salamandras podem oferecer pistas sobre o envelhecimento

Publicado em 22.07.2010

As salamandras cegas podem viver, pelo menos, tanto quanto a maioria dos humanos. Os adultos desta espécie vivem cerca de 69 anos, com idade máxima prevista de mais de 100 anos – três vezes mais do que espécies relacionadas.

Surpreendentemente, o anfíbio não parece ter um metabolismo baixo, ou qualquer nível de proteção incomum que explique por que vive tanto tempo. Qual poderia ser a explicação, então? Segundo os cientistas, elas podem viver muito tempo por não viver “muito”. Parece estranho? Nós explicamos.

A espécie Proteus anguinus vive nas cavernas do sul da Europa. O anfíbio é por vezes conhecido como “peixe humano”: peixe porque vive toda a sua vida na água, e humano porque sua pele rosada se assemelha a das pessoas. O proteus tem olhos atrofiados e praticamente nenhum pigmento da pele, ambas as adaptações originadas de sua existência longe da luz. Ele atinge a maturidade sexual com 15,6 anos e põe, em média, 35 ovos a cada 12,5 anos.

Zoólogos ficaram intrigados com o proteus durante séculos por causa de sua longevidade, já que muitas vezes vive mais de 70 anos em jardins zoológicos. A longevidade é particularmente invulgar devido ao seu tamanho minúsculo: 25 a 30 cm de comprimento, pesando apenas de 15 a 20 gramas. Pequenas criaturas muitas vezes não vivem tanto quanto grandes animais. Os investigadores suspeitam que possa ser devido ao alto metabolismo em pequenos organismos que geralmente causam uma vida menor.

Embora o proteus não tenha uma taxa metabólica muito baixa, ele é extremamente inativo durante a sua vida. Não tem predadores nas cavernas, por isso não é “estressado”. Só precisa se mover às vezes para se alimentar, e se reproduz uma vez a cada 12 anos.

Segundo os cientistas, esta salamandra pode ser útil para descobrir mecanismos que ajudem a manter os seres humanos jovens. Ela pode representar um novo organismo para entender o envelhecimento. Os investigadores querem analisar novamente os genes comumente associados com o aumento da expectativa de vida para tentar detectar algo novo.

Um tópico a ser investigado são as mitocôndrias das salamandras, que essencialmente geram a energia que impulsiona suas células. as a massa de tecido que seria necessário extrair mataria as criaturas, então os pesquisadores ainda estão pensando em outras formas de estudá-las. [LiveScience]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

4 Comentários

  1. poderiam ao menos por a foto do dito cujo ( o proteus) no lugar da q esta ilustrando pra visualizar as características descritas no texto.

    Thumb up 1
  2. como é fascinantes nosso reino animal a cada dia aparecem novas descobertas isso mim deixa muito radiante

    Thumb up 1

Envie um comentário

Leia o post anterior:
capelasistina1
Michelangelo escondeu um tronco cerebral na garganta de Deus?

Segundo pesquisadore...

Fechar