Susto pode curar soluços?

Publicado em 10.10.2012

A bem-intencionada ideia de que assustar alguém pode fazer com que a pessoa pare de soluçar foi recentemente levada ao extremo: um soldado dos Estados Unidos atirou em um colega, achando que o barulho (ele pensava que a arma estava carregada com cartuchos vazios, conforme depoimento dado à agência Reuters) iria curar o soluço do outro.

Soluções mais pacíficas (e menos letais) não foram cientificamente comprovadas, mas algumas evidências levam a crer que elas podem, de fato, ajudar – e não apenas por causa do efeito placebo, que leva uma pessoa a ser curada simplesmente por acreditar na eficácia do tratamento.

As causas do soluço permanecem um mistério, mas seu mecanismo já é conhecido: espasmos ritmados do diafragma (músculo essencial para a respiração) fazem com que as cordas vocais se contraiam e produzam barulho. Interferir nesse mecanismo pode ser o segredo.

Armas contra o soluço

Normalmente, as pessoas procuram curar um soluço de duas formas: fazendo com que o cérebro pare de mandar estímulos para nervos responsáveis pelo soluço (distraindo a pessoa com perguntas, por exemplo); ou estimulando partes do corpo envolvidas com o fenômeno (massageando a garganta, tomando água).

Existem métodos que usam as duas aproximações – como prender a respiração. Além de aumentar o nível de dióxido de carbono no corpo, o método pode fazer com que o cérebro pare de focar no soluço e direcione sua atenção à falta de oxigênio, conforme informações divulgadas pelo Centro Médico da Universidade de Nova York (EUA).

Um susto também pode ser “duplamente eficaz”, pois altera o ritmo respiratório da pessoa e gera um estímulo nervoso de “luta ou fuga”, que pode superar o do soluço.

Em artigo publicado há mais de dez anos, os pesquisadores Arya e Roni Peleg relataram um caso curioso, em que um homem de 40 anos foi subitamente curado de um soluço (que o estava incomodando há quatro dias) enquanto fazia sexo com a esposa. Para os autores, o estímulo gerado na ejaculação poderia estar por trás da “cura”.

Eles encerraram o artigo com uma sugestão: “Em circunstâncias nas quais uma relação sexual com um parceiro não é possível, a masturbação pode ser usada como tentativa de parar soluços intratáveis”.

Mais seguro do que um tiro, pelo menos.[LiveScience] [Reuters]

Autor: Guilherme de Souza

É jornalista empenhado e ilustrador em treinamento. Curte ciência, cultura japonesa, literatura, seriados, jogos de videogame e outras nerdices. Tem alergia a música sertaneja e acha uma pena que a Disco Music tenha caído no esquecimento.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

3 Comentários

  1. Comigo fucniona tomar algo amargo como café sem acúcar ou beber um refrigerante bem rápido.

    Thumb up 0

Envie um comentário