Ultrassom realmente repele mosquitos?

Publicado em 11.12.2012

Esse ano, uma campanha bastante inusitada rendeu o primeiro Grand Prix brasileiro em Cannes na categoria Rádio.

A idealizadora da campanha foi a agência Talent, que criou um case para a edição nacional da revista Go Outside, direcionada ao público que gosta de esportes ao ar livre. A campanha focou em um dos principais problemas para tal público: os mosquitos.

Durante todos os fins de semana do verão 2012, entre 17 horas e 19 horas, a rádio Band FM de São Paulo transmitiu um sinal de alta frequência (15 kHz), a mesma emitida por libélulas, uma predadora natural dos mosquitos. O sinal é praticamente inaudível ao ouvido humano, mas percebido por esses insetos.

A ideia era que, ao ouvir o sinal, os mosquitos se afastassem da fonte de emissão. Em 15 dias de transmissão, três milhões de aparelhos sintonizaram o sinal. O trabalho ganhou destaque na premiação pela criatividade de uso do meio.

O único problema é que os cientistas o chamaram de “completa baboseira”.

Ultrassom não repele mosquito nenhum

Como golpe publicitário, é muito convincente, de fato. Nada de repelentes, sprays, raquetes: tudo o que você precisa fazer é ouvir a Band FM.

O problema aqui, de acordo com o entomologista Bart Knols, é que não há “nenhuma evidência científica” de que o ultrassom repele mosquitos.

O equívoco de que mosquitos podem ser detidos por ultrassom tem rodado por quase 40 anos: pelo menos uma revisão científica de um repelente eletrônico foi publicada em 1974.

Uma revisão de 10 estudos feita em 2010 concluiu que dispositivos ultrassônicos “não têm efeito na prevenção de picadas de mosquito”, e “não devem ser recomendados ou usados”. Isso porque podem levar a uma falsa ideia de proteção, e, em países onde mosquitos transmitem malária, dengue, entre outras doenças, pode ser potencialmente perigoso para aqueles que estão achando que ouvir tal programa na rádio os deixa seguros.

A revisão feita por diversos cientistas ainda alerta que sequer vale a pena estudar mais o assunto. É definitivo: ultrassom não repele mosquito.

Inutilidade pública

A campanha da Band FM foi baseada em um sinal de alta frequência de 15 kHz, emitido por libélulas, predadoras dos mosquitos. Na verdade, diz Knols, libélulas têm uma frequência de batimento de asa de entre 20 e 170 Hz, muito mais baixa do que 15 kHz. Ainda assim, esta frequência mais baixa é igualmente inútil em afastar mosquitos ou impedi-los de lhe morder.

A Band FM não foi a primeira estação a transmitir frequências supostamente repelentes de mosquito, mas a ideia (felizmente) não pegou. Muito mais comuns, no entanto, são aparelhos eletrônicos de ultrassom, comercializados como repelentes em muitos países.

Em 2005, a revista britânica “Holiday Which?” testou uma série de repelentes eletrônicos de mosquitos. Os quatro gadgets testados foram descritos como “um desperdício de dinheiro” e foi dito que “deveriam ser retirados” das prateleiras.

Um deles, o Lovebug, um gadget em forma de joaninha projetado para ser posto no berço de um bebê ou cadeirinha de criança, foi apontado como uma causa de preocupação, porque a probabilidade de que os pais confiem nele para manter os mosquitos afastados pode acabar por prejudicar seus filhos.

O Lovebug ainda está disponível para venda na Europa, apesar de ter sido retirado do mercado dos EUA após o fabricante Prince Lionheart ser repreendido pela Comissão de Comércio Federal.

Os fabricantes desses dispositivos dizem que acreditam na palavra dos consumidores de que o produto funciona. No entanto, alguns alertam que contar apenas com os gadgets para manter mosquitos transmissores de doenças afastados não é recomendado.

Um dos mais recentes produtos lançados equipado com ultrassom e comercializado como repelente de mosquito é um ar-condicionado da LG. O produto entrou no mercado na Indonésia em 2009 e acaba de ser lançado na Nigéria, após a realização testes de laboratório em ambos os países.

A empresa alega que os testes mostraram que o ar-condicionado repele “em média 64% dos mosquitos transmissores de malária dentro de 24 horas”, mas não recomenda que a máquina seja utilizada como uma medida preventiva única contra a malária.

Um porta-voz da LG disse à BBC que o ar-condicionado utiliza uma faixa de frequência muito grande, entre 30 kHz e 100 kHz, muito maior do que os 15 kHz da “rádio repelente”.

Bart Knols diz que é impossível saber se o produto funciona sem informações adicionais sobre os testes realizados. “É bem sabido que o ar condicionado, por causa do fluxo de ar que produz, seca os insetos e os mata”, afirma. “Então, qual será o efeito ‘extra’ do som? Existe mesmo algum?”.

Aplicativos de celular repelentes também já foram lançados. Mais uma vez, especialistas dizem que são inúteis. Apesar de serem amplamente disponíveis para download, não funcionam.

Knols testou um aplicativo para iPhone que gera um sinal de ultrassom em 15 kHz. Ele se aproximou de mosquitos da dengue com o celular, e, adivinhe você, eles foram direto para a mão de Knols, sem se incomodar com o “sinal repelente de ultrassom”.

Prêmio injusto?

Knols argumenta que depender de tecnologia ultrassom para repelir mosquitos é uma loucura. As pessoas precisam se proteger com mosquiteiras, loções repelentes, etc. Ele sugeriu que o Cannes Lions rescindisse o prêmio dado a campanha da “rádio repelente” e o desse para o vice-campeão em seu lugar.

Em um comunicado, Terry Savage, presidente executivo do Cannes Lions, disse que, se a campanha era precisa ou não, era um assunto para a agência de publicidade vencedora, Talent, e para a agência reguladora de publicidade no Brasil.

A agência Talent, que faz parte do Publicis Groupe, empresa controladora da Publicis EUA, na qual um dos juízes do Cannes, Bob Moore, é diretor de criação, se recusou a comentar. A agência reguladora brasileira, o Conar, disse à BBC que seus membros estão atualmente analisando se a campanha violou o código de prática da indústria.

Um porta-voz da Band FM, por sua vez, disse que não tinha qualquer responsabilidade de verificar se o sinal transmitido pela rádio realmente teve algum efeito sobre mosquitos.

De qualquer maneira, a ciência acredita que a campanha foi um desserviço para a população, especialmente a brasileira.[BBC, Abert]

Autor: Natasha Romanzoti

tem 24 anos, é jornalista, apaixonada por esportes, livros de suspense, séries de todos os tipos e doces de todos os gostos.

Quer copiar nosso texto? Siga estas simples instruções e evite transtornos.
Compartilhe este artigo

3 Comentários

  1. Por favor!!!!!
    Não se deixem levar por propagandas. Procure saber a frequencia que o aparelho funciona. Em casas com animais como cachorros, corre-se serio risco de deixar o “amiguinho” doente e com sérios problemas. Imagine vc com um som agudo nos ouvidos a noite toda. Conheço eletronica o suficiente para saber que vc nao vai ouvir o ultrasom mas seu cão vai. Nao somente cães podem ouvir ultrasom. Outros animais tb podem e vc não. Quer um motorzinho de dentista zunindo no seu ouvido? Contrui 3 modelos difrentes e trabalhei com varias frequencias. O único que funcionou nao espantou pernilongos mas deixou as moscas meio loucas. Porém, minha cachorra chorava sempre que eu ligava o transdutor. Cuidado!

    Thumb up 4
  2. A matéria é questionadora e esclarecedora. Esse é o papel de toda pessoa formadora de opinião. Levar a verdadeira informação aos leitores.

    É exatamente isso, segundo a literatura médica, repelentes ultrassônicos são considerados ineficazes para a proteção contra picadas de insetos.

    Quem viu a campanha criada pela Talent e, pior, acreditou na campanha feita pela rádio Band FM de São Paulo, corre um enorme risco de contrair doenças como dengue, febre amarela, leishmaniose, febre maculosa, entre outras.

    Isso é muito sério e não podemos simplesmente distorcer informações sobre doenças que matam milhares de pessoas anualmente pelo mundo todo.

    O uso de repelente é a melhor forma de proteção que existe. Eu mesmo só uso produtos com Icaridina, um potente princípio ativo, e único recomendado pela Organização Mundial da Saúde.

    Aplicado corretamente na pele, a pessoa garante proteção de até 10 horas. Usar roupas compridas, mosquiteiros, todos eles impregnados com repelente, aumenta a proteção afastando ainda mais os insetos.

    Nos tecidos, a proteção é de até 72 horas ou uma lavagem. Já nos mosquiteiros a proteção é de 7 dias ou uma lavagem.

    Thumb up 2
  3. reportagem cheia de erros a respeito do que é ultra som e infrasom. sugiro consultar um físico, engenheiro, fonoaudiólogo ou otorrino e verificar as frequências….

    Thumb up 7

Envie um comentário

Leia o post anterior:
522531_385181574901591_1706543373_n
As primeiras estrelas que existiram no universo

A origem, formação, ...

Fechar