4 Modos originais (e insanos) de uso de produtos famosos

Por , em 17.01.2012

Muitos produtos que usamos no dia-a-dia têm histórias, no mínimo, interessantes no passado. E o que é engraçado é como algumas invenções incríveis foram feitas para um uso completamente diferente, às vezes até estúpido. Agradecimentos ao Diego Willrich pela dica da matéria!

4 – Plástico-bolha era usado como papel-de-parede

Se o plástico-bolha não tivesse sido inventado, provavelmente a produção mundial seria muito maior. Além de ser uma das melhores embalagens para produtos frágeis, era com certeza o material de maior diversão nos tempos anteriores à internet. Estourar as bolinhas de ar com os dedos é provavelmente um dos maiores prazeres da vida.

A brincadeira é tão viciante que já estão inventando sistemas eletrônicos que simulam a experiência. Por sorte nossa, não se usa mais esse “tecido” para cobrir nossas paredes, porque desse modo todo mundo ficaria em casa estourando as paredes.

Mas, e antigamente?

O uso original:

A primeira coisa a ser dita é que a necessidade não é sempre a mãe das invenções – algumas vezes os criadores realizam algo apenas por parecer legal, sem a mínima ideia do que fazer com isso. Por exemplo, o papel-alumínio foi inventado em 1903, mas ninguém se deu conta de que poderíamos embrulhar comida com isso. Só duas décadas depois a utilidade surgiu. O plástico-bolha é mais ou menos assim – uma dupla inventou o aparato, e depois se perguntou: “Ok, e agora?”.

Foi então que os inventores Alfred W. Fielding e Mark Chavannes decidiram que sua incrível invenção poderia ser vendida como “papel-de-parede bolha”, e fizeram o marketing necessário para que virasse uma moda na decoração de interiores. O mundo olhou para isso e deu risada, sem considerar a hipótese de compra (o que é estranho, já que o sonho de muitos hoje em dia seria um quarto assim).

Sem desistir, a dupla tentou um novo mercado: plástico-bolha para estufas. Novamente o fracasso. E aí o negócio teria terminado, se não fosse pela IBM.

A gigante dos computadores tinha acabado de lançar o modelo 1401, e precisava de uma forma de manter o caro equipamento a salvo durante os transportes. Fielding e Cavannes perceberam que tinham uma quantidade enorme de pequenos airbags, e como não tinham nada a perder, convenceram a IBM a utilizar o produto. As bolhas encontraram seu lugar no mercado e foi um sucesso instantâneo.

3 – “Massinha” era um limpador de papel-de-parede

Talvez nenhum brinquedo conte tanto com a imaginação do que a massinha. Ali está aquela massa colorida, esperando virar qualquer coisa: uma cobra, minhoca, vaso.

E claro, um brinquedo tão abstrato tem que ter um passado no mínimo bizarro.

O uso original:

Removedor de manchas de papel-de-parede. E era um dos bons.

A massinha existia como algo sem nome, vendido por uma companhia chamada Kutol, como um composto para limpar as paredes revestidas. Entretanto, com o advento dos papeis-de-parede de vinil, a limpeza ficou simplificada a um pouco de água e sabão.

A massinha então se tornou obsoleta, e as coisas ficaram “pretas” para a Kutol – até que eles, com muita sorte, descobriram que uma escola de enfermagem estava usando sua gosma de limpeza para fabricar ornamentos de Natal. Percebendo a jogada, a Kutol imediatamente removeu os detergentes da massa, trocaram o nome para Rainbow Craft Company (Companhia Fabricante de Arco-Íris – apesar de o produto continuar vindo apenas na cor branca) e passaram a vender o antigo limpador de parede como brinquedo.

Eventualmente outras cores surgiram e o produto ganhou o nome de Play-Doh. E assim um império dos brinquedos surgiu, dos químicos de limpeza caseira.

2 – Saca-rolhas era ferramenta militar para remover balas

Essa você não imaginava, também! Hoje temos uma ferramenta apenas para as rolhas, mas antigamente, as rolhas eram outras…

O uso original:

Na verdade, não é um saca-rolhas. É uma rosca de arma, o que já nos faz lembrar do exército.

Houve um tempo em que as armas eram muito pouco confiáveis. Balas ficavam presas no cano toda hora, o que era um problema, já que você não podia atirar até que o impedimento fosse removido – e nesse momento provavelmente alguém estaria atirando em você. A rosca de arma foi desenvolvida para remover as balas emperradas e outros bloqueios, e foram essenciais por muito tempo.

Mas como o saca-rolhas entra nessa história?

A resposta é sincronia. As garrafas de rolha seguiram a rota tradicional das invenções humanas, ou seja, as pessoas começaram a usá-las antes de saber exatamente o que estavam fazendo. Nesse caso particular, as rolhas começaram a circular sem que alguém tivesse criado um produto para remover elas, o que forçava a manter a rolha metade para fora, facilitando a retirada.

Como não havia uma forma muito segura de fechar a garrafa, foi uma questão de tempo até as pessoas começarem a selar exageradamente as garrafas de vinho. Eventualmente, alguém com passado militar tomou consciência de que o aparato de retirar balas servia perfeitamente para remover rolhas. A partir do século 17, as antigas roscas de arma se tornaram saca-rolhas, sendo manufaturadas com esse propósito específico.

1 – Spray WD-40 era usado para proteger mísseis nucleares

Uma lata de WD-40 está em toda garagem do mundo ocidental. Usado frequentemente para afrouxar parafusos enferrujados e silenciar dobradiças barulhentas, ele na verdade tem tantos usos que poderia substituir a caixa de ferramentas do MacGyver.

Mas existe um uso que talvez você não costuma se apropriar: Mísseis nucleares Atlas.

O uso original:

Entrando no campo da química: a água faz o metal enferrujar. Então, se você não quer o metal enferrujado, precisa de algo para repelir ou deslocar a água. Em 1953, uma empresa pequena de São Diego, a Rocket Chemical Company, decidiu fazer uma fórmula como nunca antes vista. Na quadragésima tentativa, conseguiram. O nome? A abreviação de “Water displacement, 40th attempt” (Deslocador de água, 40ª tentativa).

Então eles aplicaram seu novo produto no local intencionado: mísseis nucleares intercontinentais.

A primeira utilidade do WD-40 foi prevenir os efeitos catastróficos da água na camada externa de mísseis Atlas SM-65, que não possuíam nenhum tipo de proteção contra a ferrugem. O WD-40 os mantinha funcionando e sem ferrugem – que na casca de mísseis significa problema, já que pode causar transtornos na rota e explodir em lugares não muito esperados.

O WD-40 permaneceu como um segredo até que o fundador da empresa, Norm Larsen, enxergou o dinheiro que poderia ganhar tornando o produto disponível para uso civil. [Cracked]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

41 comentários

  • Artesao:

    Essas brincadeiras sem duvida eram do tempo que se amarrava cachorro com linguica. Bons e velhos tempos!

  • vicente silva:

    Oi, gostei
    Conhecimento é o mestre da sabidoria

    • Ezio Jose:

      Ainda bem que tem muita gente sabida. Até o sabiá que não sabia sobiá, sobiô.

  • Dedo no Bedelho!:

    Aí, não vamo esquecer:

    Bombril pra melhorar o sinal da antena;
    Secador de cabelo pra tirar respingo de vela;
    Sulfite dobrada pra levantar trinco de plástico;
    Pó de xaxim com mel pra curar asma;
    Caixa de ovos pra fazer isolamento de som;
    Coca-Cola para remover chiclete do cabelo;
    Coca-Cola para limpar motor de avião e causar osteoporose;
    Semente de mamão pra matar verme;
    Garrafa pet com areia pra fazer puffs;
    Colocar a roupa no freezer para retirar goma de mascar.
    Usar açúcar caramelado para dourar carnes
    Bicarbonato pra remover agrotóxico
    Laranja cortada pra matar lesma no quintal
    Ai, cansei… Se pararmos pra pensar, tem invenção até pro que ainda não foi inventado, né gente?…

    • Ezio Jose:

      Essa da lesma eu não sabia.
      Pôxa! Morei num lugar onde tinha uma enorme população desses bichos e não tinha como exterminá-los. Eram piores que a Mosca da Sopa do R. Seixas.

    • Fernando:

      DEDO NO BEDELHO!…EITA EU MORO EU NAO VEJO TD…

    • Ezio Jose:

      Bedelho é o ferrolho da porta onde você ou qualquer um MORA. Geralmente fica na parte interna da porta e tem a forma de um L preso sobre braçadeiras abertas. Meter o deno no bedelho é um dito popular que significa intrometer-se onde não é chamado ou permitido.

    • Ezio Jose:

      Meter o bbedelho, significa trancar.

  • Carlos:

    Esqueceram de mencionar a parafusadeira a bateria, que foi inventada pela Nasa para fazer reparos na estação orbital internacional, e depois se tornou um instrumento de grande utilidade na vida das pessoas. Eu não aperto um parafuso se não tiver a minha em mãos.

    • Ezio Jose:

      Deve trabalhar como montador de móveis. Caso contrário, parafusos se apertam esporadicamente no período de um ano. Ah! Mas têm aqueles parafusos da “caixola”! Esses quando faltam alguns os outros ficam folgando demais e daí precisa de uma furadeira com broca para fendas.

  • gloria:

    Uso lixa de unha colada ao pé de móveis em pisos desigual. Cerveja como isca p\ atrair os tatuzinhos e caramujos do jardim. Bucha de lavar louças p\ limpar o ferro d passar roupas. cravo da india macerado no alcoo num pratinho p\ espantar pernilongo no quarto na hora de dormir. galhos de mangericão no ambiente p\ espantar pernilongo. Passar velas de parafina no ferro quente p\ limpar tecidos grudados.Usar xampoo p\ lavar paredes d banheiros e cozinhas p\ limparo mofo e a gordura .Usar a costa de faca em lugar d chave de fendas. Amolar facas no fundo de pratos de louças. Cortar bombril c\ tessouras sem cortes p\ amolar. Fazer um furo no meio de uma toalha de rosto e enfiar no cabo do rodo p fixar e ñ sair na hora do uso.(fica igual ao pano multi uso da bombril q custa 2 vezes mais q a toalha no super mercado)

  • alx:

    EU NEM SABIA DA EXISTENCIA DESSE SPRAY WD-40… VOU PROVIDENCIAR UM PARA AFROXAR UNS PARAFUSOS ENFERRUJADOS AQUI KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  • Flor de Lis:

    Lembrei de minha infância quando estourava plástico-bolha em companhia de meu irmão amado durante horas e horas,,, e ríamos tanto. Tempo bom que não volta mais. Ô saudade!

    • Luís Hideo:

      KKKKKKK. Ainda faço isso. Compro plástico bolha no metro e trago pro trabalho. Stressa ainda mais, pq todo mundo quer. KKKKKKKK

    • Flor de Lis:

      Sugestão: esconda-se no banheiro ou almoxarifado (se houver)… rsrsrs.

    • Ezio Jose:

      Conheci uma garota que tinha essa mania de estourar bolhinhas de plásticos. Quando não as tinha, ela ficava tirando tatus do nariz e fazendo rolinos entre o indicador e o polegar. Eca!

    • Flor de Lis:

      Bleeeeerc! Que nojo!

  • Curioso:

    Se os brasileiros humildes resolvessem patentear todos os “gatos” que inventam….estariam ricos!

    • Mario:

      vc quis falar pobres,humildes?

  • CASTOR:

    tecnologias desenvolvidas pela nasa
    e que agente usa no dia a dia
    seria uma boa matéria

    vai da frauda descartavel até as frigideiras

    • CASTOR:

      pra completar … ótima materia !

    • Maria da Graça:

      Castor
      É Fralda, frauda é do verbo fraudar. Amiiiiiiga!!
      Quanto à matéria, legal!!

  • Antonio Carlos V.Braga:

    O história da massinha de modelar só rola se soubermos que se trata da “Silly Putty” que não é vendida no Brasil. Se alguém tentar limpar paredes com a massa de modelar que se acha por aqui vai ter uma supresa muito desagradável.

  • margaret said:

    O assunto pode ser explorado com mais usos insanos, como por exemplo, grampos de varal selando pacotinhos de alimentos, embalagens de papelão dos ovos virarem massageadores em
    pés descalços da criançada; clara de ovos virando cola
    de última hora, iogurte passado no muro para criar uma pintura de musgo verde… e por aí afora…

    • Elizabeth:

      Falando em clara de ovos virando cola, minha avó sempre dizia que em Praga tem uma ponte de pedras que foram coladas com clara de ovos.
      Pesquisei e achei isso
      http://www.pragaturismo.com/?p=1160

  • Gyver:

    ahaha chamarem “massinha” á plasticina (plasticine) não tem jeito nenhum.

  • Josiscleia:

    Camisinha cheia de ar estilo bexiga, faz o maior sucesso em festas!!!!!Ate infantis!!!!

  • Eduardo Amaral:

    O WD 40 é o melhor removedor de colas e graxas que existe. Remove também respingos de asfalto e óleo da pintura do carro, sem manchar.Mas como lubrificante deixa a desejar, pois na realidade é um removedor/desengripador e não um lubrificante. Uma dobradiça enferrujada será solta facilmente com WD40, porém após a liberação deverá ser lubrificada com óleo normal, pois o WD40 evapora dentro de algumas poucas horas.

  • Lulu:

    Tem que use o WD-40 até como repelente de pombos, aplicado sobre os telhados das casas… Dizem que funciona bem…

    • Eduardo Amaral:

      O melhor repelente de pombos da atualidade é um bom gato faminto, hahahahahaha.

  • Curioso:

    Uso ainda a esponja de lã de aço pra melhorar o sinal de tv.

    EU SOU A LENDA!

    • Eduardo Amaral:

      A lenda deve usar galocha ainda, né?

    • eduardo:

      Valeu guerreiro…..

    • Flor de Lis:

      Então, Curioso, vc deve ser uma daquelas pessoas que tem como uma das histórias de infância pôr fogo no bombril e rodar… tô certa?

    • kayane porto alegre RS:

      meu pai faz isso no natal!!

    • Flor de Lis:

      Legal né?!

    • Brad Ptico:

      Brincadeira perigosa! Conheço o protagonista de um acidente devido a esse uso de esponja de aço que se machucou bastante. Queimaduras!Cuidado redobrado!

    • Flor de Lis:

      É óbvio que a pessoa não pode segurar a lã de aço (o famoso bombril) com a mão né… geralmente se usa algo no qual espetar a lã pra ficar longe do corpo. E ninguém tá incitando as crianças a brincarem disso; são só comentários sobre uma brincadeira antiga.

  • junior:

    Papel de parede de Plastico bolha…

    Mamãe! eu quero!!!!

    • Eduardo Amaral:

      Vc iria passar as noites acordado estourando as bolhas do seu papel de parede.

    • junior:

      e vc não? xD

Deixe seu comentário!