6 pessoas normais que tiveram uma reação incrível ao enfrentar pessoas perigosas

Por , em 17.07.2017

Você se lembra daquelas imagens do tsunami de 2004 que atingiu a Indonésia? Muita gente se perguntou por que tantas pessoas que estavam nas praias ficaram simplesmente observando a parede de água se aproximar ao invés de tentar correr para terreno mais alto.

A verdade é que apesar de gostarmos de imaginar que nós agiríamos de forma oposta, o nosso cérebro age de forma que em situações de perigo a maioria das pessoas fica congelada no lugar.

Este comportamento tem sido estudado mais atentamente pelos psicólogos e neurologistas e o termo Fight-or-flight (lutar ou fugir) empregado para a reação a situações de perigo têm sido substituído pelo termo Fight-flight-or-freeze (lutar, fugir ou congelar).

Durante o ataque com faca na London Bridge em junho de 2017, o policial que derrubou e imobilizou um dos terroristas descreveu que o público que via o ataque estava parado como veados que ficam congelados pelos faróis dos carros quando estão atravessando rodovias.

Isso acontece porque o “pequeno cérebro” na base da nossa nuca manda sinais para nos manter parados no lugar. O mesmo mecanismo acontece com todos os animais, de ratos a coelhos, como uma última tentativa de impedir um predador de enxergá-los. Mas uma situação de desastre ou ataque exige reação rápida, então este instinto não nos ajuda muito.

As seis pessoas da lista abaixo conseguiram superar este instinto e reagiram a um ataque ou situação de perigo extremo e se salvaram ou salvaram outras pessoas. Confira:

6. Vítima esfaqueada tira a faca do próprio pescoço e ataca terrorista


Yonatan Azarihab estava coletando dinheiro para caridade em lojas na cidade israelense de Petah Tikva quando, ao entrar em uma loja de vinhos, foi atacado por trás por um completo desconhecido.

O agressor esfaqueou Yonatan várias vezes com uma enorme faca de cozinha e virou sua atenção para o dono da loja. Neste momento a vítima poderia ter se fingido de morta ou aproveitado para escapar, mas tirou a faca do próprio pescoço e atacou o homem que na verdade era um terrorista participando de um ataque coordenado em vários pontos da cidade.

A polícia então chegou e o terrorista foi morto por tiros.

Os 10 empreendimentos mais antigos do mundo ainda em funcionamento

5. Agente penitenciária impede tentativa de fuga com joelhada entre as pernas


A agente penitenciária do estado norte-americano da Flórida estava fazendo uma patrulha nos corredores da prisão Osceola County quando um colega desapareceu repentinamente do contato por rádio. Taylor procurou por ele e o encontrou inconsciente. Isso a surpreendeu, mas não tanto quanto a arma repentinamente colocada contra sua cabeça.

A pessoa do outro lado da arma era Angel Santiago, um criminoso violento que havia sido condenado a três penas de prisão perpétua e que estava tentando escapar da prisão. Quem o ajudou a conseguir a arma foi outra agente penitenciária, Michelle Hung, que estava perdidamente apaixonada por ele.

O plano era que ele roubasse o uniforme de um agente enquanto ela cuidava da saída da penitenciária, para que ele pudesse sair sem chamar muita atenção.

Mas Taylor agarrou a arma dele e deu uma bela joelhada entre as pernas do criminoso, que caiu sem ar e foi imobilizado. Santiago e Hung foram condenados pela tentativa de fuga, e Taylor recebeu uma medalha de honra pela reação rápida.

4. Aluno de faculdade impede atiradora de matar mais alunos


Quando Brendon Malovrh ouviu estouros e viu alunos correndo em pânico no campus da Universidade do Estado da Pensilvânia (EUA), ele acreditou que se tratava de alguns alunos estourando rojões atrás de alguns arbustos. Curioso, ele foi investigar, e deu de cara com um rifle nas mãos de Jullian Robbins, uma jovem de 19 anos que não estudava na universidade.

Uma aluna já havia sido morta por ela e outro estava ferido quando ela parou para recarregar a arma. Nesse momento, Brendon arrancou a arma das mãos dela, mas ela tirou uma faca de caça e mirou no aluno de engenharia aeroespacial.

“Eu pulei para trás. Sou treinado em artes marciais, mas não sabia a defesa exata de quando alguém te esfaqueia por cima. Pensei: ‘uau, essa é a primeira e provavelmente última vez que vou usar isso;”, relembrou o estudante na época do ataque, em 1996.

No final Brendon conseguiu se esquivar e a atiradora acabou esfaqueando a própria perna, se ferindo gravemente. Ele usou seu cinto para fazer um torniquete na perna dela até que a ambulância chegasse.

3. Líder de grupo de escoteiros diz a terroristas: “você gostaria de me dar isso que está em suas mãos?”


No dia 22 de maio de 2013, Ingrid Kennett estava andando de ônibus no distrito Woolwich, em Londres, quando viu um homem caído na rua. Ela correu para ajudá-lo e descobriu que ele havia sido decapitado. Ela então percebeu que os assassinos ainda estavam ali, com um revólver, um machado e facas ensanguentadas.

Ingrid é líder de um grupo de escoteiros, e ensina jovens a lidar com situações de emergência. Por isso, não se assustou e se recusou a sair de perto do corpo para que eles pudessem continuar mutilando-o.

Ela perguntou a um deles qual era o objetivo dele com aquilo. “Queremos começar uma guerra em Londres”, respondeu ele. Os assassinos eram Michael Adebolajo e Michael Abedowale, nascidos na Inglaterra. Eles haviam se tornaram radicais islâmicos e estavam furiosos com ataques ao Afeganistão.

A essa altura, um grupo de curiosos começou a se juntar perto do trio e do corpo. “Neste momento é apenas você contra toda essa gente, você vai perder, o que você gostaria de fazer?”, questionou ela. O assassino se recusou a se render. Ela se virou para o segundo homem e perguntou com calma: “e você? Gostaria de me dar isso que tem em suas mãos?”.

Mesmo armados até os dentes, eles não a atacaram, e ela conseguiu controlar a situação até a chegada da polícia.

Pessoas criativas veem o que os outros não enxergam. Quer testar?

2. Um voluntário agarra atirador em torre de relógio


Em 1966, Charles Whitman escalou a torre do relógio no meio da Universidade do Texas e abriu fogo contra os estudantes e professores que circulavam abaixo. 17 pessoas morreram e 30 ficaram feridas, e este número poderia ter sido ainda pior se um herói pouco provável não tivesse conseguido entrar na torre e segurá-lo.

O salvador do dia foi Allen Crum, um vendedor de livros e super-herói nas horas vagas. Ele estava trabalhando em sua loja quando viu um adolescente de 17 anos ensanguentado correndo para se proteger. Pensando que era uma briga, ele correu para fora para dispersar os hooligans, e se deparou com uma cena de guerra.

Ele prontamente correu para a base da torre e conseguiu um rifle com muita facilidade: bastou pedir a um policial pela arma. Os anos 60 eram mesmo uma loucura. Ele também pediu para entrar na torre, e foi autorizado.

O grupo então subiu e impediu o atirador de continuar com a matança. O problema, porém, foi que eles quase foram atingidos por tiros de outros voluntários que estavam no chão e não sabiam que a polícia estava lá em cima. Um dos policiais quase foi atingido na cabeça. Crum acabou com o tiroteio ao se pendurar para fora e balançar um lenço.

1. Homem salva cidade ao conduzir trem cheio de TNT para longe


Esse caso parece saído diretamente de um filme de velho oeste. Tudo aconteceu no México, em 1907. Jesus Garcia tinha apenas 23 anos e trabalhava em um centro de carga e descarga de trens na cidade de Nacozari, com população de 5 mil habitantes.

Na hora da pausa para descanso, ele percebeu que um incêndio havia começado em um aglomerado de feno no trem. Essa era a última coisa que ele queria ter visto, já que dois outros vagões estavam carregados com TNT. Para piorar a situação, o trem estava cercado por tanques de combustível e lojas de dinamite.

Ele tinha várias opções: correr, gritar, se proteger. Ao invés disso, ele pulou no trem e o fez começar a andar. Ninguém sabe ao certo se ele achava que haveria tempo para tirar o trem dali e então escapar, mas o fato é que o trem percorreu apenas 1,5 km antes de explodir, matando 13 pessoas, entre elas Jesus.

Se tivesse corrido para se proteger e deixado o trem onde estava, é provável que dezenas de pessoas tivessem morrido. [BBC, NYTimes, Cracked]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (16 votos, média: 5,00 de 5)

Deixe seu comentário!