Angelina Jolie e a dupla mastectomia: porque a atriz removeu seios saudáveis

Por , em 14.05.2013

A atriz Angelina Jolie anunciou, em artigo publicado no jornal The New York Times desta terça-feira , 14, que passou por uma mastectomia dupla (retirada dos dois seios), para tentar prevenir o desenvolvimento de câncer de mama.

Por que Angelina Jolie optou por esse procedimento tão radical?

A atriz contou que, após exames, os médicos haviam estimado que ela possuia 87% de chances de desenvolver câncer de mama 50% de risco de câncer de ovário. A mãe de Jolie morreu em 2007, aos 56 anos, em decorrência de câncer no ovário, o que aumentou sua preocupação com a doença. “Apenas uma fração de mama é resultado de uma mutação genética herdada. Aqueles com um defeito no gene BRCA1 têm 65% de risco de desenvolvê-lo, em média. Uma vez que eu sabia que esta era a minha realidade, eu decidi ser proativa e minimizar o risco, dentro do possível. Eu tomei uma decisão e então fiz a dupla mastectomia preventiva”.

Ela comentou que a decisão teve muita influência dos filhos, “pois queria poder dizer a eles que não precisam ter medo de me perder”. “Muitas vezes falamos da ‘mamãe da mamãe’, e eu me vejo tentando explicar a doença que a levou para longe de nós. Eles perguntaram se o mesmo poderia acontecer comigo”, escreveu Jolie, de 37 anos.

O marido de Jolie, Brad Pitt, afirma que atitude de sua esposa foi um ato de heroísmo. “Agradeço a equipe médica por todos os cuidados. Tudo que eu quero é para que ela tenha uma vida longa e saudável, comigo e com nossos filhos. Este é um dia feliz para a nossa família”, descreveu. Jolie agradece o apoio de Pitt e de seus filhos Maddox, 11, Pax, 9 anos, Zahara, de 8 anos, Shiloh, de 6 e os gêmeos Knox e Vivienne, de quatro anos de idade.

“Tenho a sorte de ter um parceiro, Brad Pitt, que é tão amoroso e solidário. Então, para quem tem uma esposa ou namorada passando por isso, saiba que você é uma parte muito importante do processo de transição. Brad estava no Pink Lotus Breast Center, onde fui tratada, em cada minuto das cirurgias”.

Angelina Jolie também ressaltou que, com a sua atitude, espera encorajar outras mulheres a serem informadas sobre a propensão de desenvolverem algum tipo de câncer e a considerarem as opções. “Estou escrevendo sobre isso agora porque espero que outras mulheres possam se beneficiar da minha experiência. Câncer ainda é uma palavra que provoca medo nos corações das pessoas, produzindo um profundo sentimento de impotência. Mas hoje é possível descobrir, por meio de um exame de sangue, se você é altamente suscetível ao câncer de mama e ovário, e, em seguida, tomar uma atitude”, explica.

Ela ainda garantiu que a cirurgia não mudou a forma como ela se sente sobre si mesma e sobre sua feminilidade, e acrescentou que os resultados da cirurgia reconstrutiva podem ser belos. “Eu não me sinto menos de uma mulher. Eu me sinto feliz e orgulhosa por ter feito uma escolha difícil, mas que não diminui em nada a minha feminilidade”. E ainda destaca: “A vida vem com muitos desafios. Os que não devem nos assustar são os únicos que podemos tomar o controle”.

Como um simples exame de sangue pode salva a vida de mais mulheres

Dezenas de milhares de mulheres no mundo desenvolvem câncer de mama a cada ano e, embora as causas sejam diversas, histórico familiar e os genes desempenham o maior papel no desencadeamento da doença.

Um dos maiores avanços no tratamento preventivo de câncer de mama foi a descoberta dos genes BRCA1 e BRCA2 – siglas para ‘gene do câncer de mama susceptibilidade 1’ e ‘gene do câncer de mama susceptibilidade 2’ – que foram descobertos em 1994 e 1995, respectivamente.

Os testes para eles tornaram-se disponíveis em 1996 e são atualmente os dois genes mais importantes utilizados para prever a probabilidade de uma mulher desenvolver câncer. Outros genes, como o gene TP53 e PTEN, também sugerem a probabilidade de desenvolver a doença, mas nenhum é tão fortemente ligado ao cancro como os genes BRCA.

BRCA1 e BRCA2 são muito importantes na prevenção do crescimento do tumor, mas, se um deles estiver avariado, existe uma elevada probabilidade de que, de fato, exista o crescimento do tumor.

Não há um tipo de gene BRCA defeituoso – os cientistas descobriram mais de 100 formas diferentes de que os genes podem sofrer mutação para aumentar o risco de uma pessoa desenvolver cancro.

Apesar da publicidade, genes BRCA defeituosos são de fato raros e afetam menos de uma em cada 500 pessoas. Também é importante notar que nem todas as pessoas que têm um gene BRCA defeituoso vão continuar a desenvolver o câncer.

No entanto, eles colocam as mulheres em maior risco de desenvolver câncer de mama e de ovário em particular. Homens com um gene defeituoso BRCA2 também estão em maior risco de desenvolver câncer de mama e, segundo alguns estudos, possivelmente, pâncreas, testículos e próstata.

A chance de uma mulher desenvolver câncer de mama é de 10%, mas esse valor sobe para 80% se eles possuem um gene BRCA2 mutado. O gene também aumenta o risco de desenvolvimento de cancro do ovário a partir de 1,4% a até 40%.

As mulheres podem reduzir o risco de desenvolver câncer por manter um peso saudável, comer uma dieta equilibrada e praticar exercício regularmente. Mas, mesmo com uma vida regrada, as mulheres com teste positivo para um gene BRCA defeituoso não serão capazes de reduzir o risco de câncer para abaixo de 50%.

Se uma mulher é diagnosticada com câncer e tem um forte histórico familiar de câncer de mama ou câncer de ovário, ela geralmente será submetida a um exame de sangue para ver se possui um gene defeituoso.

Para mulheres que não têm câncer pode ser realizado o teste para conferir se estão em um risco elevado de ter um gene defeituoso, como se possuir um forte histórico familiar de canceres específicos. Se o resultado der positivo, ela tem várias opções. A cirurgia nem sempre é necessária e, em alguns casos, vigilância usando a mamografia e ressonância magnética, bem como tomar medicamentos preventivos são opções.

Mas, como o risco de desenvolver um cancro é tão elevada, muitas mulheres optam pela cirurgia preventiva, seja a mastectomia dupla – a remoção de ambos os seios -, ou remoção dos ovários.

A mastectomia dupla reduz o risco de desenvolver câncer de mama em até 95%. No entanto, mesmo se uma mulher sofre uma dupla mastectomia, ainda é importante monitorar, pois sobras de tecido mamário que não podem ser removidos tem chances de se tornarem cancerosos.

Muitas mulheres que se submetem a uma mastectomia dupla optam pela cirurgia reconstrutiva ao mesmo tempo que a remoção dos seus seios reais. Isso ajuda psicologicamente – não acordar com um peito liso – e pode ajudar a reduzir a quantidade de trauma causado ao corpo, fazendo os dois procedimentos em uma única operação. [Reuters, DailyMail]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

23 comentários

  • David Quirino:

    Tudo bem! …o artigo é informativo, porém, tão distante para quem não tem condições financeiras para bancar tal intervenção, pois garanto que tá assim de estabelecimentos que nem se importariam com o se seria mesmo necessário tal procedimento, conquanto o faturamento fosse garantido, enquanto outros, mais honestos, apenas o adotariam em última instância, mas, não tem gente gente louca o suficiente para encher-se de silicone, apenas para mudar sua forma física, sendo tal desnecessário, quando quem assim o decide já é suficientemente bonito(a) sem isso? Agora, e quem depende da saúde pública, quando o mal já está diagnosticado e em estado avançado? o S.U.S. bancaria tal cirurgia, pelo menos em tempo hábil, para salvar a vida da paciente? …e mais, disponibilizaria para estas pessoas uma cirurgia reconstrutora… ao menos, de qualidade… para que elas se sentissem menos mutiladas? …Claro que não! As pessoas morrem de velhice em uma fila de espera por uma cirurgia simples; e, do próprio mal em questão, simplesmente por não terem sido chamadas a tempo… quase sempre. Portanto, artigos como este, são de vital importância e devem ser divulgados sempre que possível, para que as pessoas conscientizem-se da necessidade de reivindicarem, junto às autoridades competentes, maior atenção às suas necessidades.

  • Heitor Giacomini:

    Até agora eu não entendi o que o post tem haver com religião.

  • Paulo Sergio Tometich:

    Não confunda-se crença com ignorância!

  • grasisuperstar:

    Que mulher corajosa….eu a respeito por isso..uma decisão difícil mas acertada.

    • Lobopai:

      Corajosa?? Ta é com um medo danado!!! Acreditar mais em Deus é muito melhor.
      Ademais, e quem não tem o dinheiro dela para fazer o mesmo??
      E nossas avós, como ficaram??
      Sigam os médicos que eles estão mesmo a fim de pegar o teu dinheiro para pagar as pingas deles.
      Abraços

    • monica.bandecchi:

      Então isso quer dizer que você nunca vai ao médico e nem toma medicamento algum, pois acredita em Deus?
      Se ela tem esse dinheiro, que faça, qual o problema? Está previnindo um mal para si.
      Ao invés de criticar os outros e, supostamente, não fazer prevenção de doenças, vá fazer bem aos pobres que não têm esse dinheiro..Deus ficará muito mais satisfeito, acredite.

  • Patricia Ruiz:

    Talvez se ela soubesse lidar com a sua força interior apesar dos prognósticos dos médicos e soubesse um pouco do conceito de autopoiese e da força da palavra e do pensamento… Talvez se acreditasse em um Jesus que CURA… não teria feito isso.
    Mas a decisão dela é seu direito, então respeito, admiração não.

    • Alexandre Arantes:

      Um amigo acaba de perder a mãe (devota) a qual foi totalmente tomada pelos vários cancêres que se alastraram por todo seu corpo, se ela tivesse dinheiro e tivesse tido a atitude corajosa da Jolie, estaria viva e feliz! Admiração Total de minha parte!!! Mas cada um cada um!

    • Eduardo da Silva:

      Eu vi uma mulher, mão de uma amiga minha, porque achava que deus ia curá-la. Ela decidiu abrir mão do tratamento porque acreditava nisso. Um mês depois morreu, sofreu muito antes disso. Enfim, uma morte horrível porque a ignorância tomou sua mente.

    • Nara Letícia Vieira Rocha:

      Acreditar em algo é importante. Nem importa qual seja o Deus em que você acredita, isso dá força e apoio espirutual. Precisamos fazer nossa parte também.

    • Paulo Sergio Tometich:

      Se ela fosse uma india talvez preferisse um pajé. Agora, mesmo que ela acreditasse em tudo que você diz Patricia, não tem motivo algum para não tomar uma atitude por si mesma, não há mal em resolver aquilo que podemos resolver, mesmo que acreditemos que uma força superior possa resolver por nós. Ou será que você acredita que se tiver a chance de salvar a vida de alguém não deve fazê-lo acreditando que Jesus poderia fazer por você?
      Ademais, não acho que ela espera admiração pelo seu ato, ou respeito (mesmo que recheado de hipocrisia), ela provavelmenteb fez isso por ela mesma.
      Abraçlo

    • MariannaG:

      Patricia, eu também sou religiosa. Mas entenda: Ciência também ajuda a vida das pessoas. Não é só ir na coragem e esperar Deus fazer alguma coisa. Temos que ter atitude e provar que podemos ser inteligentes a ponto de cuidarmos de nós mesmos, claro, sabendo que Deus está olhando por nós.
      Se eu tivesse condições, detectasse este problema, e tivesse filhos pra criar, não hesitaria em fazer o mesmo;

      Você também gosta hein! Nós que somos religiosos lutamos para ser respeitados neste site maravilhoso, com o argumento de que podemos mesclar ciência e religião… vem você e diz isso!

  • Mario81:

    Decisão correta,a partir do momento que passa dos 50% de chance , melhor decisão a tomar é essa mesmo.

  • Daniel Basso:

    Pela primeira vez o Brasil ouviu uma orientação sobre o câncer que antes nunca tinha sido discutido pela mídia, bastou Angelina retirar as duas mamas para que o assunto viesse a tona, mitas pessoas por aqui ja retiraram seios, úteros etc… devido ao mesmo problema genético e nunca falaram nada.

  • Eduardo Alves:

    Ela removeu os dois seios preventivamente. Muita coragem.

  • Dayse Villares:

    Faltou dizer q esse exame não é para as simples mortais. Quem tiver uns 9 mil já pode aventurar-se. Como a mais mortal das simples continuarei com minha alimentação equilibrada.

  • Marianna Goret:

    Isso é um exemplo né.
    Diante de tanta mulher preocupada com a beleza, a mulher mais sexy do mundo toma essa decisão por amor ao próximo!
    Muito lindo… fiquei emocionada.
    E ainda cobrou do governo, pois um exame tão importante deveria ser acessível. (3 mil dólares!)

  • Cesar Grossmann:

    Uma decisão corajosa. E existem mulheres, como a Uta Melle, que não colocam prótese. A Uta Melle continuou buscando sua feminilidade e sensualidade, mesmo sem ter os seios.

  • O Contrato Social:

    quem procura acha !!!

    • Paulo Rosas Moreira:

      É válido, quando se deseja afastar o fantasma do câncer de sua vida.
      Um homem com problemas prostáticos, ainda que benigno, pode perfeitamente, nas mesmas condições, desejar extirpar sua próstata pelos mesmos motivos de Angelina Jolie.

    • kid redman:

      Será mesmo ? Depois de um comentário desses, sugiro procurar algo de bom dentro de vc…
      e, claro, pedir um pouco de ajuda ao Criador pra melhorar essa sua mente dodói, né não ?

    • Frederico Augustos:

      “quem procura acha !!!”

      Explique-se melhor, não entendi seu comentário.

    • Lobopai:

      Desculpe, acredito que o senhor não saiba que ao extirpar a próstata corre o risco de ficar impotente?
      E o câncer ir para outro lugar?
      Mais fé em Deus, alimentação saudavel, não querer o que é dos outros e pensamentos elevados e nem DaVince, Newton, Lavosiere e outros não tiveram o mesmo problema.
      MEDO vende tudo. Medo vende muito.
      Mais fé e menos dinheiro.
      Abraços

Deixe seu comentário!