Átomo de antimatéria medido pela primeira vez

Cientistas fizeram a primeira medição de um átomo de antimatéria. Apesar de não ser muito precisa, essa medição representa o primeiro passo para estudar esse tipo de átomo em detalhes, o que é necessário para entender porque o universo é feito de opostos, matéria e antimatéria.

Pensa-se que todas as partículas de matéria têm parceiras de antimatéria, com a mesma massa, mas carga oposta. Quando os pares se encontram, eles se aniquilam e viram energia pura.

Os cientistas pensam que o universo era composto por partes iguais de matéria e antimatéria quando ocorreu o Big Bang, há aproximadamente 13,7 bilhões de anos. Mas conforme o tempo passou, a maior parte dessas partículas se aniquilou, deixando para trás uma base de matéria que virou as estrelas e as galáxias de hoje. Mas porque a matéria venceu esse duelo cósmico ainda é um mistério.

Armadilha da antimatéria

Em um estudo anterior, físicos do laboratório CERN conseguiram prender átomos de anti-hidrogênio por vários minutos, usando campos magnéticos para mantê-los suspensos.

Um átomo de anti-hidrogênio é análogo ao hidrogênio, o mais simples entre os elementos. Assim como o hidrogênio é composto de um próton e um elétron, o anti é composto de um antipróton e um pósitron (o parceiro de antimatéria do elétron).

Na nova pesquisa, os físicos descobriram que podiam aplicar raios de luzes microondas em uma frequência específica nos átomos de anti-hidrogênio, modificando seu spin (seu giro). Isso faz com que a orientação magnética da partícula mude, e sua “prisão magnética” dela deixa de existir.

Ou seja, o anti-átomo fica livre para voar e acertar as paredes da armadilha, que é feita de matéria. Quando ele colide com um átomo, é aniquilado, criando um evento que os cientistas conseguem detectar.

“Nós fizemos uma medição”, comenta Jeffrey Hangst, cientista do experimento. “Em matéria de precisão, não é tão perfeita, mas é única já feita com a antimatéria”.

O experimento prova que é possível mudar as propriedades internas do anti-átomo ao aplicar luz nele. Esse é o primeiro passo para aplicar um método de medição chamado espectroscopia, que envolve canalizar a luz em uma frequência muito específica para que ela excite os pósitrons do anti-átomo até um nível maior de energia.

Após essa passagem, o pósitron vai voltar à sua posição e emitir a energia extra, permitindo aos cientistas fazer a medição.

Espectro do átomo de antimatéria

A teoria mais aceita sobre as partículas é o Modelo Padrão. “Nós sabemos que algo está faltando. Nós sabemos que não entendemos tudo sobre a antimatéria porque não podemos explicar o que aconteceu com ela depois do Big Bang”, explica Hangst.

A melhor hipótese dos cientistas é de que as duas partículas se comportam de maneira diferente, por exemplo, decaindo em níveis diferentes. A medição pode ajudar nisso. [MSN]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars
Curta no Facebook:

32 respostas para “Átomo de antimatéria medido pela primeira vez”

  1. Infelizmente estamos errados por acreditar nas teorias atuais sobre o universo. Quantas dúvidas ainda existem sobre o universo? Canso de ver programas e leituras sobre o universo em que se comentam muitas dúvidas. Veja como é analisado todas as duvidas no blog: “Olhando o Universo”.

    • Já ouviu a expressão: “Só sei que nada sei”?! Então, a medida que evoluimos mais descobrimos que não sabemos de nada. É complicado cara!

    • cara não são as respostas que movem o mundo mais sim as perguntas 😀

  2. Epaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa…
    Mas pera aew… Como assim? Voltamos ao Heliocentrismo novamente???????
    Desde quando somos o centro do universo??? Porque independentemente do lado que você apontar seu radiotelescópio, a margem primordial do Universo estará em media a 13.6 Bilhões de anos luz da Terra.
    Princípio cosmológico(… todos os pontos no espaço devem experimentar o mesmo desenvolvimento físico, correlacionado no tempo de forma que todos os pontos a uma certa distância de um observador pareçam estar no mesmo estágio de desenvolvimento. Neste sentido, todas as condições espaciais no Universo devem parecer homogêneas e isotrópicas para um observador a qualquer momento no futuro e no passado) Será que esse é o caminho a ser seguido?????

    • “independentemente do lado que você apontar seu radiotelescópio, a margem primordial do Universo estará em media a 13.6 Bilhões de anos luz da Terra”
      Isso não nos torna o centro do universo, ColdZeiss, isso é semelhante a uma mesa redonda com pessoas sentadas ao redor: cada uma olhará de frente uma para a outra (sem posição privilegiada) e independentemente da cadeira que sentar verá a mesa por igual.
      O exemplo está em 2D, o Universo está em 4D (ou 11D, heheheh).

    • Se em todas as direções que voce apontar seu telescópia voce está a 13.7 bilhões de anos luz, então nós somos o centro do universo? Afinal, alguem sabe em que direção iniciou o “big bang” e para onde o universo está espandindo, se está espandindo em todas as direções o momento singular do big bang foi aqui??????

  3. ColdZeiss
    Não existiu o big bang. Esta teoria tem nos enganado por décadas. Seria a desintegração de um átomo que se transformaria em energia e teria que se transformar novamente em matéria (como é possível). Teríamos que ter matéria nos primórdios (como é possível). Desintegrar um átomo é uma coisa impossível de acontecer naturalmente. Hoje usamos um colisor de partículas. O universo não nasceu de dentro para fora e sim de fora para dentro. É muito mais lógico. Veja detalhes em “Olhando o Universo” ou em “www.bigbangneverhappened.org

    • Eu também acho que não existiu, fato que até mencionei em uma outra matéria da semana passada. Se o Big Bang foi a origem de tudo, como podem ter no espaço Pulsares mais velhos que o próprio Universo excedendo em quase 2 bilhões de anos. Eu sou mais da teoria de que esse universo resultou em massa/energia repelida num choque de outros universos. Como se fosse bolhas de sabão. O choque de 2 universos distintos criaria esse em que vivemos. Isto explicaria a gigantesca mancha de radiação no fundo do universo.
      Quanto a Antimatéria vs Matéria, talvez possam existir no Universo, alguns fenômenos desconhecidos para nós. Algo que prevaleceu as partículas como conhecemos. Talvez não… certamente existem esses fenômenos. Não é novidade que a cada dia acontecem descobertas que poem em xeque dogmas antigos sobre o Universo. O que deveríamos ter hoje era uma teoria unificadora quântica/relativística. Quem sabe, poderíamos compreender alguns fenômenos “simples”. Nem o movimentos de átomos descrito no Princípio da Incerteza de Heisemberg nós compreendemos, quanto mais a relação matéria/antimatéria na criação do Universo. Especulações existem e sempre existirão. Mas provas concretas… acredito que morrerei, e meus filhos; e talvez os filhos de meus filhos, ai quem sabe alguma luz há de aparecer. Fraca, ofuscada, mas talvez indique um caminho certo a ser seguido…

  4. Uma coisa que eu não entendo… No meu ponto de vista, o Universo nem deveria existir. Nos primeiros instantes o universo nao era constituído por matéria, mas sim por energia sob forma de radiação. O universo então passou a expandir-se e, esfriar. Entao pares de partícula-antipartícula eram criados e aniquilados. Com a queda de temperatura a matéria pôde começar a formar hádrons, assim como a antimatéria a formar antihádrons, pois matéria e antimatéria foram geradas em quantidades iguais. quando a matéria e a antimatéria se encontram, o processo inverso da criação ocorre, ou seja, elas se anulam gerando apenas energia nesse processo. Entao nessa linha de raciocinio, logo após terem sido criadas, partículas e antipartículas se anulavam, impedindo que corpos mais complexos como hádrons, átomos, moléculas, minerais e seres vivos pudessem formar-se.
    Entao porque vivemos num Universo constituido de Materia????

    E por favor….. Isso é um debate cientifico e nao religioso.

    • Essa é uma das questões que tiram o sono dos Físicos. Em nosso limitado conhecimento disso, vamos pensar um pouco:
      Matéria em essência nada mais é do que energia estabilizada, basta decompôr mais e mais um átomo para chegar a essa conclusão. A diferença entre matéria e anti matéria está apenas na estrutura de posição das cargas, no anti-átomo a eletrosfera é positiva e o núcleo negativo, até onde sei não existe um anti-nêutron. No entanto, se matéria e anti-matéria coexistiram iguais no início do Universo é óbvio pensar que foi um frenesi de colisões e anulações gerando altas doses de energia, muito provavelmente o Universo teria voltado a ser a mesma sopa super-fluída até que as colisões acabassem, voltando a se esfriar. O segredo deve estar no passo seguinte ao frenesi de anulações, e o segredo deve estar nas próprias propriedades do átomo e do anti-átomo, o átomo se forma mais facilmente do que o anti-átomo, por isso que é tão difícil se criar anti-matéria em laboratório.
      Ao meu ver, foi nesse segundo passo do Universo que a matéria superou a antimatéria, tem algum segredo em que a matéria parece ser mais estável que a antimatéria, agora qual é essa propriedade é a questão.

    • Uma nova arma esta por vir, os famosos raios desintegradores alienígenas vistos apenas na ficção, kkkkkk.

  5. A antimatéria propriamente dita não pode ser percebida por nenhum arranjo material;a fase predominante que antecede a formação da massa não é a antimatéria mas sim um estado no qual a matéria inerte está ainda desvinculada do éter.

  6. Futuramente, o estudo do domínio sobre a antimatéria será um dos mais importantes. Isso porque a produção de energia nesse processo é a mais bem sucedida do Universo, as estrelas o adotaram.

    • As estrelas não “adotaram”, e isso não justifica ser o mais eficiente. E pelo que me consta, acontece principalmente fusão de elementos, principalmente Hidrogênio no início da estrela.

    • E de onde acha que vem a energia? cara, tive um monte de respostas de gente desinformada. Procure por um artigo sério pra ti não pagar mico. A transformação elementar é uma coisa, é o pósitron, elétron da anti-matéria residual da fusão, que se anula com um elétron liberando a energia.

    • Jonatas, eu não entendi a relação da antimatéria com as estrelas.
      As estrelas produzem energia pela fusão nuclear e não existe antimatéria no processo, ao que eu saiba.

    • É claro que existe. A reação nuclear é 4 átomos de hidrogênio fundem-se para formar um de Hélio, liberando um pósitron e um neutrino. Livre, o neutrino escapa da estrela, por isso tem tantos deles por aí. O pósitron existe por um pequeno espaço de tempo, até encontrar um elétron e se anular. É daí que vem a energia formidável que equilibra a estrela por bilhões de anos, e vai ao espaço n forma de radiação eletromagnética, luz, calor…

    • Ei na estrela não tem nada de antimatéria… O que se sabe é de fusão atômica, a energia liberada pela fusão é a chamada “energia de gota” por estarem-se unindo 2 átomos que ocupavam um espaço e uma vez fundidos ocupam somados um espaço menor embora mantenham a massa, este diferença de área entre os 2 átomos anteriores e o novo formado pela fusão é a energia liberada . . .

    • Bem, se nas estrelas nao tiverem antimateria entao ela iria se sobrecarregar beeeeem rapido, preste mais atencao ao comentario do cara acima

    • Não são dois átomos de H que formam um He, são quatro, parte da massa se transforma em energia pura, outra parte se transforma em He. A estrela não tem antimatéria, ela produz, mas existe por um pequeno espaço de tempo na forma de pósitrons, que ao encontrarem elétrons se anulam, liberando grande energia. Como dizia Einstein:

      “Massa se transforma em Energia”

      , na relação universal entre a energia e a massa.
      O processo da fusão nuclear pode ser vista em detalhe aqui:

      http://www.quimlab.com.br/guiadoselementos/img/reacao_fusao.jpg

      São duas duplas de núcleos de Hidrogênio para resultar em um átomo de Hélio e Energia.

  7. A metodologia não ficou muito clara. Os números não foram apresentados. Espero que o caminho traçado para tais experimentos esteja correto e a falta de precisão nos resultados, por mais esforços que tenham sido feitos, não me convenceu sobre o ponto de vista ÊXITO EXPERIMENTAL.

  8. Suponho q a decomposição da antimatéria deve produzir alguma efeito no campo gravitacional ao seu redor, processo que uma vez controlado e produzido de maneira contínua e direcionada deve revolucionar nossos meios de transporte. Não mais retroprojeção, mas projeção de campo antigravitacional flutuação e deslocamentos a acelerações e velocidades nunca vistas antes. Neste princípio todo o conteúdo da nave deve sofrer aceleração simultânea, possibilitando efeito zero nos ocupantes mesmo dando “arrancadas” “freiadas” e “curvas” que suplantes 200 300 1000 G’s .

Deixe uma resposta