Beleza cósmica: A nova foto da Nebulosa da Tarântula

Por , em 23.03.2011

O Telescópio Espacial Hubble capturou recentemente uma imagem do famoso objeto estelar conhecido como Nebulosa da Tarântula.

A Tarântula é o exemplo mais luminoso do tipo que os astrônomos têm observado no universo. Alguns acreditam que seus braços se parecem com pernas de aranha, dando ao objeto seu nome.

A nebulosa é uma vasta nuvem de gás e poeira formadora de estrelas, que fica em nossa galáxia vizinha, a Grande Nuvem de Magalhães. Na nova foto, é possível checar um close da região central da Tarântula, brilhando intensamente com gases carregados e estrelas jovens.

As estrelas, recentemente formadas a partir do abastecimento de gás hidrogênio, brilham com luz ultravioleta intensa, que energiza o gás, tornando-o uma luz vermelha.

A luz é tão intensa que, embora esteja há cerca de 170.000 anos-luz de distância da Terra, fora da Via Láctea, a Nebulosa da Tarântula é visível sem telescópio em uma noite escura para observadores nas fronteiras do planeta.

A parte da nebulosa visível nesta imagem está entrecruzada com poeira e gás agitados pelas recentes explosões de estrelas, as supernovas. Estes restos de supernova incluem NGC 2060, visível acima e à esquerda do centro da imagem, que contém a estrela pulsante, ou “pulsar”, mais brilhante conhecida.

Perto da borda da nebulosa, abaixo e à direita, também repousam os restos da supernova SN 1987a, a supernova mais próxima da Terra, que é observada desde a invenção do telescópio no século 17. Desde que ela explodiu em 1987, uma onda de choque se expande em torno da estrela, criando uma “pérola”, como um colar de brilhantes de bolsas de gás ao redor dos restos da supernova.

Além disso, um aglomerado de estrelas compactas e extremamente brilhantes, chamado RMC 136, encontra-se acima e à esquerda do campo de visão da imagem, proporcionando grande parte da radiação que alimenta o brilho multi-colorido.

Até recentemente, os astrônomos debatiam se a fonte de luz intensa era um aglomerado de estrelas estritamente vinculado, ou um tipo desconhecido de super-estrela muito maior que o sol. Somente nos últimos 20 anos, com pequenos detalhes revelados pelo Hubble e pela última geração de telescópios terrestres, que os astrônomos foram capazes de provar que o objeto era, de fato, um aglomerado de estrelas. [LiveScience]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

1 comentário

  • Juliano:

    A Grande Nuvem de Magalhães é facilmente vista aqui no sul do Brasil, num noite sem nuvens. Não é possível vê-la declaradamente, somente uma mancha clara no céu, mas é muito fácil identificá-la.

Deixe seu comentário!