Buraco negro ENORME é encontrado em galáxia pequena demais para seu tamanho

Por , em 10.04.2016

Astrônomos descobriram um buraco negro supermassivo contendo 17 bilhões de vezes a massa do nosso sol no centro da galáxia NGC 1600.

Isso é uma surpresa porque a NGC 1600, que fica a 200 milhões de anos-luz da Terra, na constelação Eridanus, pertence a um grupo de galáxias de tamanho médio, e os buracos negros monstruosos encontrados até agora tendem a ser vistos em aglomerados mais densos.

Logo, os pesquisadores podem ter de repensar onde buracos negros gigantescos residem, e quantos deles podem preencher o universo.

“O buraco negro é muito maior do que esperávamos para o tamanho da galáxia”, disse uma das autoras do estudo, Chung-Pei Ma, astrônoma da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA) ao site Space.com.

A surpresa

NGC 1600 apareceu pela primeira vez durante uma pesquisa por buracos negros supermassivos, com dados do Observatório McDonald no Texas.

Embora as observações iniciais não fossem detalhadas o suficiente para ver o espectro de luz do centro da galáxia claramente, Ma e seus colegas já podiam dizer que estavam olhando para algo extraordinário.

Assim, investigaram melhor a galáxia usando o Observatório Gemini, telescópios gêmeos situados no Havaí e no Chile. Eles também usaram dados do Telescópio Espacial Hubble, da NASA.

As estrelas “estavam indo tão rápido que a única maneira que poderiam estar viajando a esta velocidade é se você tivesse um buraco negro de 17 bilhões de massas solares no centro”, disse Ma.

Grande demais

O maior buraco negro supermassivo já descoberto até hoje contém até 21 bilhões de vezes a massa do sol, e reside em um local mais apropriado: o Superaglomerado de Coma, que é incrivelmente denso e inclui mais de 1.000 galáxias identificadas.

O buraco negro da NGC 1600 ocupa cerca de 2% da massa da galáxia, o que é cerca de 10 vezes mais do que é esperado de buracos negros no centro das suas galáxias.

Possibilidades

As maiores galáxias muitas vezes são formadas a partir de várias galáxias menores que se fundiram, cujos buracos negros correspondentes fundiram-se também. Um aglomerado de galáxias cria condições favoráveis para buracos negros extremamente grandes se formarem.

“Uma possibilidade é que talvez NGC 1600 tenha comido os seus amigos”, disse Ma. “Se os devorou, durante o processo pode ter adquirido seus buracos negros”. Isso poderia explicar o vazio em torno da NGC 1600.

Alternativamente, o buraco negro pode ter estado em uma região do universo que tinha uma grande quantidade de gás no início de sua vida. Se fosse esse o caso, ele poderia ter crescido ao seu tamanho atual sem nunca residir em uma área mais densamente povoada.

Observações dos pesquisadores ainda sugerem que o buraco negro no centro de NGC 1600 pode realmente ser dois em processo de fusão, ou um que se fundiu muito recentemente.

A busca se expande

“Seria interessante encontrar mais buracos negros desta gama de massas e verificar se este é um caso isolado ou típico”, disse Avi Loeb, da Universidade Harvard (EUA), que não esteve envolvido no estudo.

“A questão fundamental é, que condições ambientais estimulam o crescimento dos buracos negros de maior massa? Nós gostaríamos de saber a resposta a essa pergunta através de futuros estudos como este”, complementou.

Partes pouco povoadas do universo são muito mais comuns do que as áreas superdensas onde os maiores buracos negros foram encontrados até agora. Assim, se buracos negros grandes como este são comuns em tais áreas também, NGC 1600 pode ser apenas “a ponta do iceberg”, segundo Ma.

O próximo passo deve ser estudar o quão comum esses enormes corpos são, e expandir a nossa compreensão desses monstros. [Space]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

2 comentários

  • Alberto Carvalhal Campos:

    Existem dois tipos de buracos negros. Os galácticos e os formados por corpos mortos e frios que vagam pelo espaço. Estes buracos negros são massivos. Absorvem magma de estrelas, corpos celestes, aumentam sua atmosfera, seus envólucros galácticos, aumentam sua rotação e explodem lançando muito pó para o espaço. São de tamanho pequeno.
    Os buracos negros galácticos atingem tamanhos maiores sem explodir. Não existe buracos negros de tamanhos intermediários.

    • Cesar Grossmann:

      Estrela não tem magma. E “envólucro galáctico” refere-se à galáxias, não à estrelas.

Deixe seu comentário!