Cientistas criam microscópio com resolução de 50 nanômetros

Por , em 10.03.2011

Pesquisadores criaram a maior resolução de microscópio óptico auxiliado por grânulos de vidro minúsculos. O microscópio oferece um olhar direto a objetos de apenas 50 bilionésimos de um metro.

A técnica usa “ondas evanescentes”, emitidas muito perto de um objeto. As esferas reúnem essa luz normalmente perdida, e voltam a focá-la, canalizando-a em um microscópio padrão.

Dessa forma, os cientistas podem ver com seus próprios olhos um nível de detalhe que é normalmente restrito a métodos indiretos, tais como a microscopia de força atômica e a microscopia eletrônica de varredura.

Alguns desses métodos indiretos fotografam a uma resolução de um bilionésimo de metro (nanômetro), e até mesmo oferecem vislumbres de uma única molécula. Mas não é a mesma coisa que simplesmente olhar diretamente esse detalhes pelo microscópio.

Usando a luz visível (o tipo que podemos ver) para olhar objetos desta dimensão é, de certa forma, quebrar as regras da luz.
Normalmente, o menor objeto que pode ser visto é definido por uma propriedade física conhecida como limite de difração. As ondas de luz naturais inevitavelmente se “espalham” de tal forma a limitar o grau a que podem ser focadas, ou, equivalentemente, o tamanho do objeto que pode ser trabalhado.

Nas superfícies dos objetos, essas ondas evanescentes são também produzidas. Como o nome indica, ondas evanescentes desaparecem rapidamente com a distância. Mas, fundamentalmente, não estão sujeitas ao limite de difração. Portanto, se puderem ser capturadas, elas mantêm a promessa de resolução muito maior do que os métodos de imagem padrão podem fornecer.

Para por em prática a ideia, os pesquisadores usaram peças de vidro entre dois e nove milionésimos de um metro de diâmetro, posicionadas sobre a superfície de suas amostras.

As peças coletam a luz transmitida através das amostras, recolhendo as ondas evanescentes e centrando-as de tal maneira que uma lente de microscópio padrão poderia pegá-las.

Durante testes, a equipe observou características minúsculas em várias amostras sólidas e até mesmo os sulcos em escala nanométrica de discos Blu-Ray, para mostrar que a abordagem de resolução bate todos os recordes anteriores de microscopia óptica.

Os cientistas acreditam que o método pode ser usado até mesmo para ler vírus individuais. A técnica é uma grande promessa para estudos biológicos, para os quais a ação em nanoescala é importante. Células, bactérias e vírus são normalmente minúsculos.

A tecnologia atual, além de muito demorada, não é muito eficaz. Por exemplo, utilizar microscopia de fluorescência óptica leva dois dias para preparar uma amostra e a taxa de sucesso dessa preparação é de 10 a 20%. Isso demonstra o potencial de ganho através da introdução de um método direto de observação de células. O avanço da tecnologia é muito promissor. [BBC]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 5,00 de 5)

7 comentários

  • Rodrigo Paim:

    Sério, ninguém sabia que vírus, células e bactérias são “normalmente minúsculos” [/ironic] kkkkkkk

    Ta, agora falando sério, é algo revolucionário, é a humanidade cada vez mais avançando em direção à nano-tecnologia

  • Auris Gomes:

    O que me impressiona é o fato de o avanço da Ciência representar o alargamento do “universo” numa progressão geométrica inconcebível.O que, filosoficamente falando, significa não haver um limite entre o que já conhecemos e o que há por se conhecer, levando-nos a pensar que jamais chegaremos ao seu princípio fundamental.

  • eduard:

    “Células, bactérias e vírus são normalmente minúsculos.” no caso nanusculos ^^

  • grace romao:

    É de notícias destas que o mundo espera, para melhoria nas investigações na área da saúde.
    Obrigada HypeScience.

  • Ladislau Neto:

    incrível como algo tão simples é tão revolucionário…
    Agora sim o trem deslancha molçecada! Tenho fé!

  • eduardo:

    Caramba Andrew, vc não sabia q células, bactérias e vírus normalmente são minúsculos?…. kkkkkkkkkkk……

    Isso é o efeito: google tradutor, Ctrl+C, Ctrl+V…

    Notícia bacana… agora os cientistas já podem analisar com mais precisão as células, bactérias e vírus… os quais são “normalmente minúsculos”… kkkkkkkkkk

  • Andrew:

    “Células, bactérias e vírus são normalmente minúsculos.”

    Nossa, não sabia! Mas agora eu sei!

Deixe seu comentário!