10 agonizantes tratamentos da Idade Média

Por , em 30.03.2009

10. Cirurgia: cruel, suja e terrivelmente dolorosa

medieval

Os cirurgiões da época tinham pouquíssimo conhecimento sobre a anatomia humana, sobre antissépticos, que fizessem com que as feridas não infeccionassem, e sobre anestésicos. Não era agradável ser um paciente nessas horas, mas não havia muita escolha. Para se livrar da dor, você era submetido a mais dor. Na maioria dos casos, monges se tornavam cirurgiões, já que eles tinham acesso à literatura sobre medicina. No entanto, em 1215, o Papa pediu para que eles não fizessem mais o trabalho. A tarefa sobrou para fazendeiros que tinham experiência tratando animais.

9. “Dwale”: um anestésico cruel que podia ser fatal

medieval

A cirurgia na idade média era usada somente em casos de vida ou morte. Uma razão é que não havia anestésico “confiável” que pudesse aliviar a dor enorme de um procedimento cirúrgico. Algumas poções usadas para amortecer o paciente ou induzir o sono podiam ser letais. Um dos exemplos é o Dwale, uma mistura de suco de alho, suco de cicuta, ópio, vinagre e vinho que era dado ao paciente antes de uma cirurgia. O suco de cicuta sozinho poderia ser fatal – ele é tão forte como anestésico que o paciente para de respirar.

8. Feitiços: rituais pagãos ou penitência religiosa como forma de cura

medieval

Tratamentos medievais, normalmente, eram uma mistura de fatos científicos, crenças pagãs e imposições religiosas. Um exemplo é que, quando alguém contraía a peste bubônica, era determinado que ele passasse por um período de penitência, se confessando com um padre. Como a doença era vista como um castigo de Deus, se o paciente admitisse seus pecados, talvez sua vida fosse poupada.

7. Cirurgia de catarata: dolorido e raramente salvava o olho do paciente

medieval

Uma operação de catarata incluía a inserção de uma faca ou de uma agulha pela córnea, forçando as lentes do olho até o fundo do órgão. Posteriormente, uma seringa era usada para extrair por sucção a catarata.

6. Bexiga bloqueada: um cateter de metal inserido diretamente na bexiga

medieval

O bloqueio da bexiga, devido à sífilis ou a outras doenças venéreas, era comum na época, já que não havia antibiótico. O cateter urinário (um tubo de metal inserido através da uretra até a bexiga) começou a ser usado em meados de 1300. Quando o tubo não conseguia passar pela uretra, outros aparelhos eram usados – provavelmente apresentando um risco tão grande quanto o da própria doença.

5. Cirurgiões em campos de batalha: puxar flechas não é um trabalho fácil

medieval

Como remover flechas dos corpos de soldados? Normalmente a ponta da flecha ficava dentro do corpo do soldado, enquanto só era possível tirar o cabo. Esse problema foi “resolvido” com a colher de flecha, que era inserida na ferida causada pelo disparo e “pescava” a ponta da flecha.

4. Sangria: a cura para quase qualquer doença

medieval

Os médicos da idade média achavam que praticamente todas as doenças eram causadas por excesso de líquido no corpo. Então a solução era tirar o sangue dos pacientes. Havia dois métodos “principais”. O primeiro usava sanguessugas para tirar o sangue. O bicho era colocado sobre o local e sugava uma boa quantidade do líquido. O outro era um tradicional corte na veia, normalmente no braço.

3. Parto: mulheres, quando grávidas, eram preparadas para a própria morte

medieval

Dar a luz na idade média era tão mortal que a Igreja pedia que as grávidas se preparassem para morrer. E teve uma época em que parteiras mais experientes foram perseguidas como bruxas, já que usavam métodos para aliviar a dor de suas pacientes. Quando um bebê estava morto no útero, uma faca era usada para que ele fosse desmembrado ainda na barriga da mãe, para facilitar a “retirada” do feto.

2. Clysters: um método medieval usado para injetar remédios… pelo ânus

medieval

O “clyster” era uma versão medieval do supositório, um aparelho que injetava fluidos no corpo através do ânus. Era um cano ligado a um recipiente. O cano ia “lá” enquanto, no recipiente, estava o remédio.

1. Hemorróidas: a agonia anal tratada com ferro quente

medieval

Você leu direito. O tratamento para hemorróidas era queima-las com ferro quente. Há até uma história sobre um monge que, sofrendo com suas hemorróidas enquanto trabalhava no jardim, sentou se em uma pedra que, milagrosamente, o curou do problema. A pedra existe até hoje, com a marca das hemorróidas do monge, e é visitada por muitos que esperam curar seu “problema” até hoje. [Oddee]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (18 votos, média: 4,11 de 5)

29 comentários

  • Marina Vilas Boas:

    Sem anestésico? Imagine o sofrimento por que passam os animais na vivisecção!

  • Leticia Bispo Silva:

    Foi pra isso que Jesus morreu por nós?Pra ter gente que desrespeita a religião com uma mente tão preconceituosa?Prefiro nem comentar.

    • Vitor Peixoto Canestraro:

      Religião é uma merda msm. Mas quem é este que morreu?

    • Milena Pieczarka:

      Pense,5 séculos atrás.O povo não tinha o mesmo conhecimento que nós!Daqui a 5 séculos também vão nos considerar escrotos mal caráter.

  • Antonio Junior:

    Agradeçam por ter vivido num mundo pnde a Ciência prevaleceu aos dogmas religiosos. Se não existisse Ciência, o mundo viveria como na idade média e nós sofreriamos a consequência.

    Sou anti-religioso pois não vejo nenhuma contribuição para a humanidade da religião, pelo contrário, apenas guerra, terrorismo, preconceito, perseguição, etc..

    • fbax:

      O mais legal é encontrar a palavra “preconceito” no seu texto.

    • Guilherme Lessa:

      Talvez você não conheça todas religiões, talvez não tenha frequentado nenhum lugar corretamente, talvez você mesmo tenha preconceito.

    • Guilherme Lessa:

      E outra, o erro está nos lideres religiosos e não nas religiões.
      Eu não tenho religião, tudo tem o lado bom e ruim.

    • Luciano Leite Galvão:

      Pesquise no google: Quais são os países mais pacíficos do mundo? E quais são os países ondem existem mais ateus? Os ateu são + pacíficos.

  • gloria:

    Muitas atrocidades aconteceram na idade media tbm chamada idade das trevas por culpa dos primeiros cristãos,a ex;Paulo apostulo incentivou o povo convertido por ele criador da primeira igreja a queimar em praça publica todo tipo de literatura q ñ fosse os escritos dos profetas, os tratados de medicinas foram todos destruidos sob alegação q eram feitiçarias, alguns q estavam escondidos chegaram ate nós e foram uma benção pra uem tinha lepras, sifilis e traumatologias e tbm sobre partos e cirurgias, graças aDeus q esses os cristãos ñ destruiram!Agradecemos a santo Esculapio.

  • lampião:

    Excelente matéria! Mas até hoje vários artifícios considerados antigos ou obsoletos são utilizados,ex:
    Algumas tribos ao fazerem circuncisão nos jovens;simplesmente cortam aquela pele com uma faca normal à sangue frio,o macho deve suportar a dor pois assim passa a ser respeitado como homem,eu mesmo quando moleque arranquei muitos dentes com um simples prego,na minha cidade havia até meados de 2001 um dentista que utilizava uma cadeira de balanço e alicate nos pacientes,já ouvi dizer que pra curar micose deve-se usar pólvora e limão na ferida exposta acreditas? o pior é que funciona!
    Dependendo da região que você morar,aparece muitos casos que seria absurdo.

    • Maisa Leia Porto:

      Ja usei polvóra limão e fumo, e funciona mesmo.. Receita de meu avo que era decedente de indio

  • Daniel:

    Muito medo e arrepios na bexiga no item 6…
    [3]…Graças a Deus que ela evoluiu!

  • keila:

    Vou apresentar um trabalho sobre esse tema, e esse artigo me ajudou bastante.Obrigada.

  • Gerciara:

    concerteza Murillo….
    [2]graças a Deus q ela evoluiu!

    🙂

  • Murillo:

    E viva a medicina moderna.. graças a Deus ela evoluiu!

    • PHAS:

      CORREÇÃO:

      E viva a medicina moderna.. apesar de Deus ela evoluiu!

    • Milena Pieczarka:

      PHAS por favor,mas respeito aos cristãos.

  • Top 10 de Listas (27) | Lista10.org | As melhores e piores listas do mundo.:

    […] 10 mitos científicos que muita gente acredita 2º. 10 terríveis tratamentos da idade média 3º. As 10 crianças prodígios mais extraordinárias do mundo 4º. Os 10 piores sistemas […]

  • Vovô 78…:

    Sei lá… Este negócio de queimar a hemorróida com ferro quente me parece tão dolorido quanto arrancar os testículos com um alicate de eletricista!!

  • Helena:

    Como na história a humanidade evolui e depois regressa. Pois antes da Idade Média, nos povos antigos (egipcios, maias) tinham muito mais informações sobre a medicina, entre outros assuntos. Isto mostra como os poderosos e religiosos da época queriam a população ignorante. Ao ponto de perseguir e matar quem ousasse se opor as idéias que eles impuseram para alienar o povo. Ainda bem que crescemos em relação à isso. Mas em outros fatores estamos alienados. Espero que isto serve para que todos sempre estejam bem informados em relação à tudo!!!

  • josé:

    eu queria faser este tratamento de hemorróida
    nos politicos lá de brasilha .

  • Tony:

    Ai, ai, morro e não vejo tudo

  • Leonidas Arapaho:

    Os egípcios, muito antes da era atual, 3.000 anos antes e até mais, tinham uma medicina bem mais adiantada que aquela praticada na Europa medieval. Também os árabes, contemporâneos dos europeus medievais, possuíam uma medicina bem superior.
    O que ocorreu que os conhecimentos dos antigos não foram passados à dita civilização ocidental? Simples: a Igreja ordenou a queima de todos os livros e a destruição das bibliotecas (diziam: “Basta um livro para a humanidade. Este livro já traz tudo que necessitamos, portanto queimemos todos os demais”. A Igreja referia-se à Bíblia). Por sorte, os árabes não agiram com tanta ignorância e preservaram muito do conhecimento antigo, desde filosofia até as ciências matemáticas, a medicina, etc. Somente por volta dos séculos XIV e XV é que os conhecimentos guardados/aperfeiçoados pelos árabes foram transmitidos aos europeus (os mouros dominavam a Espanha), causando, em consequencia, o Renascimento.

    • Sergio Cruz:

      Leonidas Arapaho Os árabes mantiveram os livros que continham a sabedoria antiga até o aparecimento de Maomé(Mohammed) aí, kaputz!

    • Cesar Grossmann:

      Algumas correções, Sergio e Leonidas: houve um muçulmano que disse que só o Corão importava, e o argumento era parecido com o que você citou, e segundo alguns, foi usado para justificar o último incêndio da Biblioteca de Alexandria. Os árabes que preservaram o conhecimento dos gregos eram justamente os muçulmanos. Durante um bom tempo os muçulmanos foram moderados, tolerantes, e bem avançados. Até que um muçulmano disse que só o Corão importava…

      O muçulmano em questão? O Imã Abu al-Hasan al-Ash’ari, no século 9. Seus escritos inclusive inspiraram o banimento de livros no mundo muçulmano no século 16.

  • Marcos Vinícius:

    Adorei o artigo, mas já havia visto um documentário sobre isso.
    É bom saber o quanto a humanidade era avançada e ao mesmo tempo primitiva.

  • jasanias Schirmann Martins:

    – o bom, seria se a população soubecem dessa cultura pois a maioria dos povos nem sabem, da onde vem. mas com tudo isso vcs aida estão de parabens por publicar essas cultura da medicina….

  • Icaro:

    Muito interessante esta matéria! Mostra que a falta de tecnologia na Idade Média atingia também o campo da medicina. Essa ineficiência causava a baixa perspectiva de vida dos seres humanos, que girava em torno dos vinte anos. Métodos clínicos que pareciam mais tortura! É, estamos bem melhores do que nunca!
    Sou fã do site e visito todos os dias para ver matérias com temáticas muito interessantes. Parabéns!

Deixe seu comentário!