Dinossauro “garça do inferno com cara de crocodilo” é descoberto

Por , em 1.10.2021
A ilustração do artista mostra como os Spinosaurídeos seriam naquela época. Ceratosuchops inferodios é mostrado em primeiro plano e Riparovenator milnerae em segundo plano. (Crédito da imagem: Anthony Hutchings)

Dois dinossauros carnívoros de dentes pontiagudos com crânios de crocodilo apareceram uma vez nas margens do rio na Ilha de Wight, na Inglaterra, revelam novos fósseis.

Os cientistas deram às criaturas nomes científicos que se traduzem como “garça do inferno com chifres e cara de crocodilo” e “caçador de beira de rio”. Os predadores são as primeiras espécies de espinossaurídeos, parentes do estranho e possivelmente anfíbio Spinosaurus, que era maior do que o Tyrannosaurus rex e tinha uma grande “vela” nas costas.

As duas novas espécies exibiam o crânio alongado semelhante ao de um crocodilo, muito parecido com o Spinosaurus, mas não há evidências das “velas”. Ceratosuchops inferodios, a recém-descoberta “garça do inferno”, é conhecida apenas por alguns fragmentos de crânio, enquanto a “caçadora de margem do rio” Riparovenator milnerae, nomeada em homenagem à falecida paleontóloga britânica Angela Milner, é conhecida por pedaços de crânio e alguns ossos do cóccix. Anteriormente, apenas um tipo de espinossaurídeo havia sido encontrado no Reino Unido: um caçador com garras impressionantes conhecido como barionix.

“Já sabemos há algumas décadas que dinossauros semelhantes ao Baryonyx aguardavam ser descobertos na Ilha de Wight, mas encontrar os restos mortais de dois desses animais em sequência foi uma grande surpresa”, disse o co-autor do estudo Darren Naish, um Paleontólogo britânico independente, em um comunicado. Naish também escreveu sobre as descobertas em seu blog, Tet Zoo.

Diversidade de predadores

Embora as duas novas espécies sejam conhecidas apenas por alguns ossos, os fragmentos de ossos descobertos foram muito reveladores, pois incluíam as caixas cranianas e os dentes dos dinossauros. A caixa craniana contém muitas pistas anatômicas para identificar diferentes espécies, incluindo a posição de nervos e ligamentos musculares. C. inferodios exibia uma testa protuberante com chifres baixos e saliências.

“Descobrimos que os crânios diferem não apenas do Baryonyx, mas também um do outro, sugerindo que o Reino Unido abrigava uma diversidade de espinossaurídeos maior do que se pensava anteriormente”, Chris Barker, estudante de doutorado da Universidade de Southampton e principal autor do estudo, disse na declaração.

O osso do focinho do espinossaurídeo Ceratosuchops inferodios. (Crédito da imagem: Chris Barker)

As duas novas espécies viveram há cerca de 125 milhões de anos, no início do período Cretáceo – cerca de 25 milhões de anos antes do dramático Spinosaurus, esportivo de vela. Eles provavelmente perseguiam os cursos d’água de uma antiga planície inundada, caçando como garças enormes e dentuças. Eles provavelmente abocanhavam peixes e presas terrestres usando suas mandíbulas, que eram bem adequadas a esse estilo de caça. Ambas as espécies provavelmente cresceram até cerca de 9 metros de comprimento, com base no tamanho de seus crânios (1 m). As diferentes formas de crânio das duas espécies sugerem que elas poderiam ter estilos de caça ligeiramente diferentes, o que pode ter permitido que Baryonyx, C. inferodios e R. milnerae encontrassem muita comida em uma região compartilhada.

“Pode parecer estranho ter dois carnívoros semelhantes e intimamente relacionados em um ecossistema, mas na verdade isso é muito comum tanto para dinossauros quanto para vários ecossistemas vivos”, afirmou o coautor David Hone, conferencista sênior e diretor de programas de ciências biológicas do Queen Mary University of London, no comunicado.

Árvore genealógica dos espinossaurídeos

A história e a evolução da família dos espinossaurídeos são um pouco controversas; na verdade, os pesquisadores nem mesmo concordam se o espinossauro do final do cretáceo agia como uma garça ou como um crocodilo. Mas a nova descoberta sugere que este grupo de dinossauros pode ter evoluído no que é hoje a Europa antes de se espalhar para a Ásia e o supercontinente Gondwana, que mais tarde se dividiu em África e América do Sul, escreveram os pesquisadores na quarta-feira (29 de setembro) na revista Nature Communications.

Os pesquisadores tentaram construir uma árvore genealógica, o que coloca os novosespinossaurídeos em um ramo separado (os baryonychines, para os amantes de taxonomia) essa divisão do ramo que deu origem ao Spinosaurus (os spinosaurines) cerca de 145 milhões de anos atrás.

“Ainda há muito a aprender – a quase total ausência de táxons [grupos] de espinossaurídeos jurássicos continua sendo um problema! – mas, por enquanto, parece que o grupo se originou na Europa e se espalhou pela Ásia e África”, escreveu Naish em Tet Zoo. “A presença de barioniquíneos e espinossauros na África indica eventos separados de migração para esses clados.”

Os pesquisadores agora estão trabalhando em um artigo mais detalhado sobre a cauda de R. milnerae, escreveu Naish. Os ossos da cauda sugerem uma cauda alta e achatada, semelhante à forma vista no caimã moderno. Eles também planejam explorar mais as relações entre os diferentes parentes dos espinossaurídeos por todo o mundo. [Live Science]

Último vídeo do nosso canal: A Terra não orbita exatamente o sol mas um ponto virtual no espao

Deixe seu comentário!