Estagiário de 17 anos da NASA descobre o planeta "Tatooine"com dois sóis

Por , em 12.01.2020

O Satélite de Pesquisa de Exoplanetas em Transição (TESS), coletou grande quantidade de dados desde que começou seu trabalho em 2018. Com ele foi realizada a missão que anunciou um planeta do tamanho da Terra, TOI 700 d, no início deste mês.

Ao analisar dados dessa mesma missão, um estagiário de 17 anos, ainda em período escolar, Wolf Cukier, percebeu algo estranho com um sistema estelar binário. Isso ocorreu apenas três dias após o início do estágio no Goddard Space Flight Center e ajudou a equipe da NASA a identificar um planeta orbitando duas estrelas. Essa foi a primeira descoberta desse tipo realizada pelo satélite, que apenas detecta trânsito da estrela maior.

Quando em um sistema estelar orbitado por duas estrelas a menor passa pela maior ocorre um eclipse estelar. No sistema TOI 1338 isso ocorreria a cada 15 dias. No entanto, o sinal identificado assim, era na verdade um planeta orbitando duas estrelas. Cukier teve essa percepção devido à cronometragem que não estava de acordo com a de eclipse desse tipo. Uma das estrelas é 10% mais massiva do que o nosso Sol, a outra é menor e mais fria.

Chamado TOI 1338 b, o planeta lembra Tatooine, o planeta natal de Luke Skywalker de Star Wars, mas não tem chances de ser habitado. Portanto as similaridades acabam na quantidade de estrelas.

O tamanho dele fica entre o de Netuno e o de Saturnos e está localizado a 1300 anos-luz da Terra, na constelação de Pictor. Planetas de duas estrelas são raros, e esse é o primeiro detectado pela missão.

A dificuldade da detecção

O TESS possui quatro câmeras que estudam a mesma parte do céu por 27 dias. Nesse período são registradas fotografias a cada 30 minutos. Assim, podem ser identificadas as variações na luminosidade das estrelas, conforme os planetas passam em frente a elas. Esse movimento é chamado trânsito e auxilia os astrônomos a determinar a localização dos planetas.

Mas planetas como o identificado, com duas estrelas, são mais difíceis de detectar com o método de análise de trânsito. O TESS só poderia detectar a passagem do planeta em frente à maior estrela. Quando há duas estrelas e uma delas é menos brilhante, é mais difícil que o satélite detecte o planeta. Portanto, foi essencial a colaboração de Cukier com a análise dos dados. [CNN, Mental Floss]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (22 votos, média: 4,86 de 5)

Deixe seu comentário!