Estudo mostra como as bactérias poderiam gerar ondas de rádio

Por , em 29.04.2011
Pode não ser lá a questão mais importante da ciência atualmente, mas há uma grande controvérsia entre os cientistas se as bactérias podem (ou não) criar ondas de rádio. Agora, uma equipe da Universidade Northeastern, em Boston, Massachusetts, EUA, acredita ter finalmente descoberto o mecanismo supostamente utilizado pelas bactérias para emitir os sinais de rádio.

O estudo da universidade demonstra como o DNA bacteriano poderia ser a fonte de sinais de rádio. O DNA de bactérias, muitas vezes se enrola como um círculo, por onde elétrons livres em movimento podem criar certos níveis de energia. As frequências de transição entre esses níveis de energia, quando modeladas, mostram sinais de radiodifusão de 0,5, 1 e 1,5kHz.

Essas frequências correspondem àquelas medidas em uma colônia de E. coli e publicadas dois anos atrás. Entretanto, o estudo anterior foi muito contestado, com alguns investigadores inclusive negando o trabalho inteiro. Portanto, esta nova descoberta deve botar mais lenha na fogueira no debate latente sobre as bactérias e o que se passa a nível microbiano.

Uma das principais críticas que a pesquisa anterior sobre as E. coli sofreu foi que não havia nenhuma maneira pela qual as bactérias poderiam gerar ondas de rádio. Se elas efetivamente produzem as ondas ou não permanece no ar, porém este novo estudo da Northeastern University apresenta o mecanismo pelo qual isso poderia ser feito. [PopSci]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

9 comentários

  • Jorginho:

    Ana, em reposta a sua pergunta, acredito que poderia ordenar através de impulsos(trens de pulso modulado)como indicasse uma certa reação… ordenando-as à direita, esquerda, atacar, afastar…etc.

    Todavia, não é porque irradiam espectro eletromagnético,teria que ser “receptante”…
    Havendo alguma sensibilidade de recepção por parte dessas,já poderia estimular ou “educá-las” seguindo o descrito acima afim de manipulá-las.
    Se esses organismos usam espectro eletromagnético como forma elementar de comunicação( o que duvido), então, bastaria decodificá-las e assim, ordená-las o que seria ainda mais interessante.

    Esperar pra ver!

    Abraço.

  • Ana:

    ´Caso houvesse uma aplicação prática, como seria o controle microbiológico?

  • Jorginho:

    Na prática essa freqüência não é chamada de onda de rádio devido está abaixo do espectro de RF.
    Isso está mais para ondas sonoras eletrificadas.
    Se fosse para captar esse sinal de 1500 Hz usando uma antena dipolo meia onda, a antena teria que ter míseros 100 km de cumprimento!(salvo recursos de encurtamento no máximo 0,12 levando em consideração alta perda de sinal).

    Além disso,o nível de radiação deve está bem acima do ruído de meio. Em outras palavras, acredito que seja mesmo um efeito meramente químico.
    Obviamente qualquer deslocamento de elétrons acaba criando campos elétricos e magnéticos.
    Se elas podem ser usada, será de grande utilidade desde que cada uma corresponda um código específico.
    Bastando amplificá-las e selecionar através de filtros.

    Uma vez podendo detectar, poderá estudá-las ao ponto de criar sistemas que possa atrair-las para qualquer finalidade.
    Isso seria interessante!

  • Cleme:

    Também estas frequências de 500Hz, 1Khz e 1.5Khz tem ação bactericida, de acordo com o pricípio da ressonância.

  • José Calasans:

    Caso seja provado que as bactérias emitam R.F.em determinadas frequências,basta desenvolver um receptor bastante sensível que possa ser sintônizado nesta faixa de frequências,o que é relativamente fácil.

  • Erick:

    Pensando um pouco uma colônia gigantesca de bactérias em outro planeta poderia ser escutada pelo SEti,se este não tivesse com falta de verbas né

  • Cesar:

    Sim, poderíamos colocar detectores de bactéria, não só para encontrar vida alienígena, mas também para detectar colônias de bactéria. Só que o sinal é muito fraco, acho que não há condições de detectar transmissões de rádio emitidas por bactérias, a não ser que você esteja muito perto delas.

    Será que poderíamos montar uma máquina para matar bactérias, baseado nisso?

  • MOTUMBO:

    Talvez se fosse realmente comprovado, detectores poderiam ser criados para a busca de vida em outros planetas.

  • eduardo:

    E teria alguma aplicação prática se esse feito fosse provado?

Deixe seu comentário!