Facebook é meio de disseminação de pseudociência

Por , em 19.03.2012

Não é de hoje que psicólogos do mundo inteiro reconhecem na sociedade uma tendência preocupante: repassar informações adiante como verdadeiras sem ter certeza disso, para depois serem provadas falsas. Segundo pesquisadores, isso cria um campo de conhecimento ilegítimo, baseado apenas em boatos e histórias não confirmadas. E o Facebook, conforme afirma um artigo do site Science 2.0, seria o meio ideal para difusão deste tipo de “pseudociência”.

Isso é verificado, principalmente, em informações “boas demais para ser verdade”. Algumas destas situações estão em anúncios de produtos: pílulas que prometem um emagrecimento-relâmpago e irreal para os padrões do corpo humano, por exemplo, continuam a ser compradas porque as pessoas não se dão ao trabalho de checar certos dados.

A tendência é nítida no Facebook. Em apenas um dia, é possível notar que várias pessoas postam as mesmas coisas, notícias ou ideias sem base ou fundamento, e sua página inicial fica invadida por dezenas de postagens que geram discussão como se fossem fatos verdadeiros. Geralmente, o que se posta como “dado” é naturalmente tido como verdade, e as discussões já partem deste princípio.

Os céticos, geralmente, precisam fazer esforço redobrado e apresentar provas concretas para desmascarar as “informações” que circulam. A credibilidade está naturalmente do lado das informações retiradas de qualquer lugar, mesmo que nem haja autor específico, em detrimento daqueles que a contestam. Isso, conforme explica o artigo, mostra a força da “pseudociência”.

O que se defende no texto é que não deve haver desrespeito a crenças, mas que se abra sempre espaço para “contra-informações”. Que os usuários de Facebook possam dar igual valor à informação que chega de início e à contra-informação que aparece em comentários ou em outras postagens. Conforme explicam os pesquisadores, é útil para discernir o que é digno de crédito do que não é. [Science2.0, Foto]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

11 comentários

  • rogerio727:

    esses psicólogos bobalhões estão subestimando a minha inteligência e capacidade de discernimento. Praticamente esses psicocôlogos estão generalizando e nos chamando de burros. As informações podem e devem ser repassadas, mas cabe a quem ler saber “filtrar” essas informações e, caso desconfie, ir pesquisar mais para ver se são verdadeiras, confiáveis e reais.

    • John Henrique:

      O que você esperava? Depois daquela de que quem não usa facebook pode ter tendência à psicopatia, eu entendi que qualquer lixo pode entrar em uma universidades e, consequentemente, fazer pesquisas lixos. De fato, a maioria dos artigos acadêmicos são um lixo: basta entrar no CAPES para perceber.

  • Jimmy:

    Será que eu posto isso no Facebook?

  • Geraldo Santos:

    Se colocarmos um pouco mais de discernimento na jogada, veremos que a própria “ciência oficial” também tem se dedicado a vender como “verdades” teorias que não são realmente científicas, isto é, verdadeiras. P.ex., a teoria do Big Bang é duvidosa sob muitos pontos de vista e a teoria darwinista da evolução não tem nada de evolucionista que, se fosse inteiramente verdadeira, no máximo explicaria a transformação morfológica dos organismos mas nunca o surgimento de seres inteligentes, com imaginação, criatividade, intuição e até sentido ético ou moral. Vemos que há séculos os paradigmas científicos são materialistas e deram suporte à criação de verdadeiras doutrinas materialistas, tão dogmáticas quanto algumas doutrinas supostamente espiritualistas, e ambas causadoras de distorções comportamentais que causaram sofrimento a bilhões de pessoas e impacto destrutivo no ecossistema. O fato é que a complexidade da mente, alma e espírito humanos exigem um olhar mais científico. E os mistérios da matéria, da natureza e do universo reclamam uma percepção mística. Somente com mais discernimento, inteligência e sabedoria ambos podem se harmonizar.

    • Jonatas:

      Se fosse assim, não chamariam o Evolucionismo de teoria da evolução das espécies, nem o Big Bang de teoria da Origem do Universo. O espaço que eles ocupam no meio acadêmico e na divulgação é puramente pelo mérito de portarem os maiores e mais fortes indícios.

    • Cesar:

      Geraldo, só duvida da Evolução quem ignora as evidências ou quem, por fanatismo ou bloqueio emocional, rejeita-as, como já dizia o grande Theodosius Dobzhansky.

      O mesmo pode ser dito da Teoria do Big Bang. Nos dois casos as evidências a favor das teorias são acachapantes, e só afirma o contrário quem desconhece as evidências ou quem as rejeita por preconceito ou fanatismo.

  • Cesar:

    Existem muitas informações que continuam circulando mesmo depois que são provadas como sendo falsas.

  • MaisOutroCara:

    Não é só o facebook que faz isso não. A tv, revistas, internet, cinema e muitos outros meios de comunicação…

  • juarez cafe de salles junior:

    Um dia destes em uma das páginas do facebook,encontrei o avatar de uma Senhora indo para os 40 anos,lá pelo sul,que aproveita,nas viagens do marido,para curtir,segundo ela”baladas”,com vários garotões com camisa puxadas para cima,mostrando a barriga e o peitoral aparecendo, e com o chavão que mulher gosta é de “carinho”.Meu Deus, é de dar pena um pensamento destes e uma atitude destas,a Mulher passou 23 anos para se libertar e se igualar ao homem,segundo nossa Carta Magna, uma atitude destas é muita subserviência e mal caratismo com elas mesmas fica para reflexão,o fato aconteceu em Bento Gonçalves (RS).

  • Elton:

    Acho que a farsa do homem não ter ido a lua foi criado em algum site de relacionamento, pelo nível do besteirol que eles dizem, deve ser o orkut…

  • Jonatas:

    O facebook, só o facebook? A internet, a televisão, as revistas já divulgam um monte de pseudociências e informações ilegítimas simulando o papel de ciência.
    Quem aqui não lembra da propaganda de cremes dentais consagrados, sempre divulgados como “o mais recomendado pelos dentistas!”? Inclusive com pessoas de jaleco branco e pose de dentista. Vai perguntar pra um dentista de verdade; eu perguntei e me assustei com o papel negativo de mídia no Brasil. As pastas cumprem o que prometem, mas o preço é alto e não é em reais, é em saúde. A tal que branqueia os dentes ameaça o esmalte e os descalcifica, por exemplo, por ter muito bicarbonato de sódio. Tudo que ela oferece você pode conseguir usando flúor e mantendo a limpeza de sua boca, mais barato e muito mais saudável. A mesma coisa aquela escova bonitona com limpador de língua. Pra um dentista é motivo de piada, não tem nada de especial nela, só o marketing.
    Tudo que for usual para ganhar mais o comércio vai usar, o capitalismo é assim. Como ciência sempre tem confiabilidade, é claro que usam isso e mentir também vale, sempre valeu.

    O facebook é só um site de relacionamentos, talvez surta efeitos pela sua abrangência mais quanto site tem por aí com pseudociência explícita. Então tanto faz, vale tudo.

Deixe seu comentário!