Foto: achatando Júpiter

Por , em 5.03.2012

Cinco desenhos feitos à mão de Júpiter foram usados para criar esse lindo mapa achatado das nuvens do gigante de gás. Eles foram criados com lápis de cor, a partir de imagens de telescópio. O artista Fred Burgeot buscou cobrir a rotação completa do planeta. O que achou? [NASA]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos, média: 4,50 de 5)

15 comentários

  • Rafael:

    Ficou bem parecido, artistas assim é muito bom para dar exemplificações de coisas que nem todos podem ver.
    O legal é ouvir essas pessoas que vêem e o artista retratá a visão no desenho.

  • Jonatas:

    Fatos de Júpiter:

    É pouco dizer que ele é o maior planeta do sistema solar, porquê:
    1 – Mais de 70% de toda a matéria que gira ao redor do Sol está em Júpiter.
    2 – Você poderia colocar todos os planetas, até os outros gigantes, asteroides e luas do resto do sistema solar dentro de Júpiter.
    3 – Caberiam 1323 Terras inteiras dentro do volume de Júpiter.
    4 – Ele ainda tem o maior campo magnético do sistema solar, maior que o Sol. Se pudéssemos vê-lo, seria do tamanho da Lua cheia no céu.

    Tempestuoso:
    A estrutura atmosférica tem duas camadas principais: As Zonas, camadas de nuvens altas, claras e frias, os Cinturões, camadas de nuvens baixas, escuras e quentes. Entre essas camadas se formam tempestades colossais como a Grande Mancha Vermelha, maior que a Terra.
    A Grande Mancha Vermelha existe desde antes de podermos ver Júpiter, a mais de meio milênio. Basicamente um Super Anti-Ciclone Amoníaco soprado por ventos de 500 km/h que se ergue por 8 km acima da cobertura massiva de nuvens dos cinturões.

    A temperatura das nuvens varia de acordo com a profundidade, de -180°C na exosfera a 1.000°C nas camadas mais profundas.

    Luas especiais:
    Io – O luar mais vulcânico já visto por um telescópio;
    Europa – Coberta por gelo, com um possível oceano e potencial biótico.
    Ganímedes – Um mega-satélite, único a ter um campo magnético ativo.
    Calisto – O mundo mais cheio de crateras já observado.

    • André Luis:

      Jonatas, apenas por curiosidade, em relação ao campo magnético, Júpiter influencia muito em nosso planeta? Uma suposição, se ele não existisse mais, causaria alguma perturbação perceptivel para a Terra?

    • Elton:

      Não, o campo magnético de jupter não vai tão longe assim…

    • Jonatas:

      Na verdade, vai, mas em outra direção. Análogo aos cometas, o campo de Júpiter é influenciado pelo vento solar e assim se alonga no espaço e chega muito longe, até a altura da órbita de Saturno, que está ao dobro de distância do Sol. Se fosse em nossa direção, chegaria até o Sol, e a Terra passaria uma vez por ano dentro da magnetosfera de Júpiter.

    • Jonatas:

      O campo magnético de Júpiter não nos interfere porque a radiação solar interage com ele e empurra-o na direção oposta. Mas Júpiter tem outra participação em nosso mundo: sua gravidade. Júpiter é nosso guarda-costas gigante, ele mantém os asteróides, a maioria, presos no Cinturão entre ele e Marte, e também é um engolidor de Cometas que poderiam adentrar nossos domínios e nos atingir, fato já observado em duas ocasiões. Se Júpiter deixasse de existir, esses asteróides e cometas enlouqueceriam vindo na direção do Sol e pegando a Terra no caminho. Nossa sorte estaria condenada.

    • André Luis:

      Obrigado!

  • Paulo Eduardo:

    Júpiter em 2D, legal!! Aquela bolinha no meio desse ser uma cratera gigante devido ao tamanho do planeta!!

    • alexkidy:

      É uma tempestade, é quase do tamanho da terra e dura mais de 300 anos.

    • victor:

      Na verdade aquilo é um tornado gigante com aproximadamente 3x o tamanho da Terra. Júpiter é um planeta gasoso , não possui crateras. 😀

    • Hernani Teixeira:

      Não, amigo. Não vemos crateras na superfície de Júpiter porque ele possui uma superfície gasosa. Aquela “bolinha” deve ser uma super tempestade, com ventos arrasadores se comparados aos que temos na Terra.
      Hernani

    • Paulo Eduardo:

      Realmente cara eu nunca tinha lido sobre a superficie de júpiter, mas eu li agora pouco uma máteria que explica que aquela bolinha ou mancha é um gigantesco ciclone aonde caberiam três planetas terra e que nunca se dissipou!!

    • Marcelo Cardoso Cardoso:

      Não. É provável que júpiter não tenha superfície, ou seja, é constituído apenas de gases, poeiras, assim sendo não pode haver crateras. Aquela mancha vermelha é uma grande tempestade com tamanho aproximado ao da terra que já dura muito tempo e como não há nada para extingui-la vai durar muito mais tempo.

  • Jonatas:

    Muito bom. Mas a formação de nuvens perto e acima da Grande Mancha Vermelha está estranha, o que deveriam ser apenas vórtices comuns dos fluxos de nuvens que existe nas imediações da supertempestade de nuvens está mais parecidos com os sistemas de tempestades das Manchas Ovais Brancas, que não foram observadas nesse lugar, mas abaixo. Mas realmente um belíssimo trabalho.

    • alexkidy:

      Sei lá, parece que aquela tempestade gigante está empurrando pra frente esses traços de nuvem, que é o que parece.

Deixe seu comentário!