Modernização: novo mapeamento digital de DNA é mais preciso

Por , em 5.07.2011

Desde 1983, os geneticistas conhecem o método da RCP (reação em cadeia da polimerase, PCR na sigla em inglês), que é uma ampliação “gráfica” de um cromossomo e se usa para fazer mapeamento do DNA. Cientistas desenvolveram agora uma versão melhorada da RCP: um mapeamento digital de DNA.

O novo mapeamento digital de DNA

O novo método pode proporcionar uma série de melhorias em diagnósticos médicos. Os cientistas citam a detecção do câncer, o exame pré-natal, a verificação de contaminação em alimentos e a análise celular como exemplos de setores que devem ser aperfeiçoados com o novo mapeamento digital dos genes.

A grande diferença do modelo antigo para o novo é o material. Enquanto a antiga RCP usava válvulas microscópicas para poder “enxergar” as cadeias de DNA, o procedimento recém-desenvolvido coloca a cadeia genética em uma espécie de “tela líquida”, na qual um fluido tem a função de expor as cadeias cromossômicas em câmaras. A precisão é imensa: mais de um milhão de câmaras são subdivididas na observação, cada qual com uma informação genética diferente.

Fazendo uma comparação grosseira, é como uma câmera fotográfica com mais megapixels. Quanto mais megapixels, melhor a definição da foto. Da mesma forma, a RCP digital apresenta o DNA em uma “definição” muito superior. Mais exatamente, cerca de 100 vezes mais precisão em relação ao método anterior. E os cientistas afirmam serem capazes de tornar a precisão ainda dez vezes maior.

Além da vantagem visual, o novo mapeamento evita alguns problemas que o antigo tinha. Por exemplo, a cadeia de DNA acabava se desidratando durante a polimerase, devido às oscilações de temperatura na operação. Com a “tela líquida”, digital, esse é mais um problema solucionado. Os cientistas esperam que o procedimento seja usado em breve para agilizar os diagnósticos.[ScienceDaily]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

2 comentários

  • umberto martins de almeida:

    prezado diretor
    venho por deste soliciotar a inclusão do meu nome para responder a pesquisa e ganhar premios em dinheiro
    Atenciosamente umberto martins de almeida

  • drew:

    esse mapa de que a reportagem fala é a de apenas das partes inspecionadas até hoje.
    em pensar que mesmo hoje em dia com toda a tecnologia consseguimos mapear nem a metade de todo o DNA humano por sua grande estenção,o dia que se consseguir terermos remédios bem mais eficases e um salto na expectativa de vida da humanidade.

    so pra vcs saberem se o DNA que forma um cramossomo for esticado em seu tamanho máximo dará um finíssima linha de 2 metros,agora imagine os cientistas consseguirem mapear todas a bases nitrogenadas deste….demora más eles um dia consseguirão.

    gostei da reportagem do site.

Deixe seu comentário!