Muitos genes influenciam a homossexualidade – não existe um único “gene gay”

Por , em 31.08.2019

Em todas as sociedades humanas, entre 2% a 10% das pessoas têm relacionamentos homossexuais, seja de forma exclusiva ou paralela ao relacionamento heterossexual. Mas os fatores biológicos que contribuem para a orientação sexual são em grande parte desconhecidos.

O maior estudo de análise sobre comportamento homossexual, publicado na revista Science nesta sexta-feira (30), apontou que a genética é responsável, em parte, por isso. A influência, porém, não vem de apenas um gene, mas de vários. Fatores sociais e ambientais são igualmente importantes.

“Espero que a ciência possa ser usada para educar as pessoas um pouco mais sobre a naturalidade e normalidade do comportamento sexual entre pessoas de mesmo sexo. Está escrito em nossos genes e é parte do nosso ambiente. Isso é parte da nossa espécie e é parte de quem somos”, diz Benjamin Neale ao New York Times, geneticista de Harvard (EUA) e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (EUA).

Neste enorme estudo participaram 470 mil voluntários do Reino Unido e dos Estados Unidos que relataram já terem tido pelo menos um relacionamento homossexual. A análise foi feita com a ajuda da empresa privada de genômica 23andMe e do UK Biobank, um grande estudo de biobanco de longo prazo do Reino Unido. Também fizeram parte dados obtidos em entrevistas sobre identidade sexual, atração, fantasias e comportamento.

Até agora, todos os estudos genéticos sobre homossexualidade eram feitos com grupos pequenos. “Para te dar uma ideia sobre a escala dos dados, este estudo é aproximadamente 100 vezes maior do que os outros estudos sobre este tópico”, diz uma das autoras principais, Andrea Ganna, do Instituto de Medicina Molecular (Finlândia), Harvard e também do Hospital Geral de Massachusetts (EUA).

Não há um gene único

Os pesquisadores não encontraram um gene único ligado ao comportamento homossexual. Cinco variantes genéticas pareceram estar significativamente ligadas à orientação sexual, e milhares de outros parecem estar envolvidos de forma menos importante.

No final, pesquisadores não encontraram um padrão que possa ser usado para identificar uma pessoa homossexual. Isso porque a predisposição para o comportamento também vem de influências ambientais. Este também é o caso de vários outras características humanas, como a altura. Uma pessoa com potencial para ser alta só consegue atingir esta altura se tiver uma boa alimentação e infância saudável, por exemplo.

“É efetivamente impossível prever o comportamento sexual de um indivíduo a partir de seu genoma”, diz Neale.

Nem só ambiente, nem só genes

A conclusão mais importante deste estudo é que ser homossexual não é uma escolha de vida que pode ser controlada pelas pessoas. Mas isso também não é determinado exclusivamente por genes

“Outra interpretação incorreta é pensar que se a preferência pelo mesmo sexo é geneticamente influenciada, então ela deve ser totalmente geneticamente determinada. Isso não é verdade. Indivíduos geneticamente idênticos – gêmeos – frequentemente têm orientações sexuais diferentes. Sabemos que há influências não genéticas também, mas não as compreendemos bem, e nosso estudo não diz nada sobre elas”, explica a co-autora Brendan Zietsch, geneticista da Universidade de Queensland (Austrália).

Olfato

Uma das variantes genéticas que parece dar uma maior propensão à atração ao mesmo sexo fica localizada em um trecho do DNA que abriga vários genes relacionados ao olfato.

Sabemos que o cheiro tem um papel importante na atração sexual, mas a conexão deste gene com comportamentos sexuais ainda não está clara.

Homens x mulheres

Outro dado interessante observado pelos pesquisadores é que os genes parecem ter maior influência no comportamento sexual masculino do que no feminino. Isso pode acontecer pela diferença de níveis de testosterona e estrogênio.

Também é possível que na verdade as mulheres não estejam relatando com honestidade seu comportamento sexual por conta das normas sociais, que tornam desconfortável para muitas falar sobre o número de parceiros sexuais, por exemplo.

Pontos fracos do estudo

Este estudo envolve apenas participantes da Europa e Estados Unidos, portanto não é um bom representante de sociedades do mundo todo.

Os pesquisadores também apontam que a maior parte dos voluntários é uma população mais velha, portanto que cresceu em um momento em que as normas sociais eram muito mais rígidas dos que as atuais. É possível que os mais jovens com características genéticas semelhantes às dos participantes dos estudo tenham atualmente mais liberdade de ter relacionamentos com pessoas do mesmo sexo.

Portanto, o que foi observado neste estudo pode não se refletir exatamente sobre todas as faixas etárias das populações da Europa e Estados Unidos. [Science Alert, New York Times, Science]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos, média: 5,00 de 5)

Deixe seu comentário!