Neonazistas estão fazendo testes de ancestralidade por DNA e ficando furiosos com os resultados

Por , em 19.08.2017

Infelizmente, o tempo dos supremacistas brancos não ficou para trás. Em vários momentos da história humana, caucasianos se julgaram superiores que diversas outras etnias e culturas e, por mais que a ideia de um mundo igualitário e menos violento seja bela, neonazistas com tochas sempre aparecem para nos lembrar de que não somos tão evoluídos quanto gostaríamos.

Me dói escrever isso, mas este movimento vem ganhando uma nova relevância. Juntamente com uma reinterpretação enganada de “política de identidade”, vivemos um momento no qual governos radicais e desgosto da população se encontram, fazendo temperamentos se acalorarem.

Ao mesmo tempo, nunca foi tão fácil ou tão barato conseguir um teste de ascendência genética (GAT, na sigla em inglês).

Aaron Panofsky e Joan Donovan, dois sociólogos da Universidade da Califórnia em Los Angeles (EUA), decidiram investigar a tendência crescente de nacionalistas brancos que usam esses testes com o objetivo de reafirmar sua ascendência e identidade imaginada ou assumida.

Infelizmente para eles, muitas vezes tais supremacistas ficam bastante decepcionados com os resultados.

Buscando a ancestralidade

Donovan e Panofsky apresentaram sua pesquisa em uma reunião da Associação Sociológica Americana, em Montreal, dia 14 de agosto.

O momento foi bastante apropriado, considerando os eventos que ocorreram em Charlottesville, nos EUA, nos últimos dias.

Mas o estudo começou na verdade anos atrás: os cientistas vêm analisando as postagens de um fórum chamado “Stormfront”, ligado a um movimento nacionalista e neonazista branco, criado por um ex-KKK, para observar como mais de 600 pessoas reagiam aos resultados de seus GATs.

Eu sou branco… ou não?

Eles descobriram que muitas pessoas ficaram agradavelmente surpreendidas com seus resultados. Uma postou: “Fiquei surpreso porque não havia mais [ancestralidade] alemã. Evidentemente, o Y DNA disse ‘nórdico’ e remonta para a tribo Cimbri, que se instalou na Dinamarca”.

Outros não ficaram tão contentes. Um usuário disse: “Veja, é por isso que eu não recomendo esses testes para as pessoas. Eles se preocupam em dizer-lhe que havia brancos no que é agora o Senegal todo esse tempo? Não? Então, eles fazem você a acreditar que você é miscigenado, embora com toda a probabilidade, você é simplesmente relacionado a um tolo branco que deixou um pouco de seu DNA com os locais no que é agora o Senegal”.

Alguns usuários do fórum ocasionalmente tentam usar a recém-descoberta “ascendência não branca” das pessoas como uma desculpa para expulsá-las da comunidade online. Depois que um usuário revelou que era “61% europeu”, outro respondeu: “Preparei uma bebida para você. É 61% de água pura. O resto é cianeto de potássio… O cianeto não é água e você não é branco”.

Outra resposta comum foi simplesmente rejeitar a legitimidade dos testes, sugerindo que eles são uma conspiração multicultural judaica.

Mau uso da ciência

Os pesquisadores observam que essa reação dos nacionalistas brancos aos testes de DNA não deve ser descartada como pura ignorância.

Embora suas teorias com maior frequência se revelem infundadas, elas refletem mais do que um simples mal entendimento da ciência, e sim um mau uso proposital dela.

Conforme Donovan e Panofsky escrevem em seu artigo, o GAT infelizmente possui dois lados: é bom para os cidadãos aprenderem sobre si mesmos, mas pode ser ruim também, por causa de ameaças de privacidade e mineração de dados.

Além disso, tais testes criam uma nova infraestrutura para racistas dotarem suas teorias infundadas de um “ar cientifico”, se convencendo mutuamente dos mitos que os mobilizam como grupo social em primeiro lugar. [IFLS]

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (49 votos, média: 4,69 de 5)

3 comentários

  • Cesar Grossmann:

    “É 61% de água pura.” Que doce de criatura…

  • Cláudio Castro:

    Acho engraçado quando vejo essa loucura e lembro que a maioria dos jogadores da NBA e NFL, jogos q os americanos são fanáticos, são negros.

    • Cesar Grossmann:

      Os racistas não se sentem ameaçados por um desportista negro. Ou babá negra. Mas uma negra anunciando o boletim meteorológico, ou um negro presidente do país, e os racistas começam a babar de raiva…

Deixe seu comentário!