No futuro, supercomputadores terão o tamanho de cubos de açúcar

Por , em 17.11.2010

Segundo cientistas da IMB, um estudo pioneiro pode encolher o mais poderoso processador de um supercomputador ao tamanho de um cubo de açúcar. O objetivo é reduzir o consumo de energia dos computadores, não apenas diminuir seu tamanho.

Cerca de 2% do total de energia do mundo é consumida pela construção e execução de equipamentos de informática. O sistema pretendido vai empilhar vários processadores e os esfriar com água corrente. A equipe de pesquisadores já construiu um protótipo para demonstrar o princípio de resfriamento de água, chamado Aquasar.

A IBM estima que o Aquasar seja quase 50% mais eficiente do que os supercomputadores de liderança do mundo. Segundo os pesquisadores, o custo da construção da próxima geração de supercomputadores não é o problema. Os custos de funcionamento das máquinas é com que os engenheiros estão preocupados.

A IBM afirma que, no futuro, os computadores serão dominados pelos custos da energia. Funcionar um centro de dados irá custar mais do que sua própria construção. A maior causa dos custos com energia está no resfriamento, porque um dos produtos colaterais gerados pela informática é o calor.

Até recentemente, o supercomputador no topo da lista dos mais eficientes (que trabalham mais com menos energia) podia fazer cerca de 770 milhões de operações computacionais por segundo, a um custo de um watt de potência. O protótipo Aquasar faz 1,1 bilhões de operações por segundo.

Agora, a tarefa é reduzi-lo. Atualmente, o sistema Aquasar é uma estrutura completa de processadores. Nos próximos 10 a 15 anos, os pesquisadores pretendem encolher o sistema para o tamanho de um cubo de açúcar. A luta contra os pequenos detalhes de refrigeração será o maior problema.

Parte da solução que os pesquisadores propõem é a água de refrigeração baseada em uma circulação de água mais reduzida e eficiente, inspirada no sistema circulatório do corpo humano.

Os engenheiros querem empilhar processadores, separados por canais de água de resfriamento não muito mais espessos do que um milímetro. Como a distância entre processadores ao mesmo tempo desacelera e aquece o processo de computação, aproximá-los resolverá questões de velocidade, tamanho e custo de operação de uma só vez.

O grande desafio técnico será a criação de conexões entre os diferentes chips, que devem funcionar como condutores e serem impermeáveis. Os pesquisadores dizem que o uso da tecnologia 3D será um grande avanço na tecnologia de semicondutores.

Mas eles alertam que ainda existem vários desafios antes que a tecnologia possa ser implementada. As questões relativas à dissipação térmica estão entre os problemas mais críticos. [BBC]

Vote: 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars

6 comentários

  • lucas:

    como nao entendo nada mesmo, vou fazer como se entendesse.

    uau isso e magnifico, :):).

  • Jhon:

    “Segundo cientistas da IMB, um estudo pioneiro pode encolher…”

    “A IBM estima que o Aquasar seja quase…”

    Afinal, é IMB ou IBM?

  • Werex:

    Plebeu, petaflops por segundo pode existir sim. é so inventar essa unidade de medida dividindo a quantidade de petaflops pelo tempo em segundo.
    quase a mesma coisa que a fórmula da velocidade média. vm = x/t.

  • António Toscano:

    ADORO FUTURO 😀

  • Plebeu:

    xiiii!!! petaflops por segundo…. isso não existe, é somente petaflops. Já é uma medida em segundos. 😉 Peço desculpa!

  • Plebeu:

    “(…)770 milhões de operações computacionais por segundo”

    Tinha ideia que os supercomputadores já rondavam os petaflops por segundo. Cerca de mais de 1000000000000000 cálculos por segundo

Deixe seu comentário!